Arquivo para a Tag ‘Vinicius de Moraes

Garrafa 139 – Salto felino   2 comments

Fazia já alguns dias que eles não se viam. Trabalhos, viagens, essas coisas que às vezes afastam por algum tempo as pessoas que se querem bem. E ela, como sempre, estava pontualmente no local e hora marcados.

Seguiram de carro até um de seus locais costumeiros, onde podiam ficar a sós com privacidade total. Carro estacionado, ela desceu primeiro e esperou por ele na porta do elevador.

Além do sorriso maroto, nada poderia indicar o que viria a seguir. Sempre mais contida, no momento do reencontro, dessa vez uma surpresa! Num gesto quase infantil, saltitante pulou no seu pescoço… ele passarinho!

Com as pernas dela entrelaçadas na sua cintura, ele quase caiu com o impulso do movimento inesperado e o espanto por aquele gesto delicioso. Assim enroscados, um beijo apaixonado sinalizou o tamanho da saudade que sentiram um pelo outro nos últimos dias.

Lembrando hoje desse momento, estaria ele sonhando acordado? Quem sabe? Um salto de memória ou de imaginação? Talvez apenas inspiração para um breve haicai:

no meu pescoço
com seu salto felino…
pulo do gato!

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido
Instruções de utilização: Ouvir “O gato” de Vinicius de Moraes na voz de Marina

o-pulo-do-gato

Anúncios

Garrafa 119 – Ausência   Leave a comment

Eu deixarei que morra em mim o desejo de amar os teus olhos que são doces
porque nada te poderei dar senão a mágoa de me veres eternamente exausto.
No entanto a tua presença é qualquer coisa como a luz e a vida
e eu sinto que em meu gesto existe o teu gesto e em minha voz a tua voz.
Não te quero ter porque em meu ser tudo estaria terminado.
Quero só que surjas em mim como a fé nos desesperados
para que eu possa levar uma gota de orvalho nesta terra amaldiçoada
que ficou sobre a minha carne como nódoa do passado.
Eu deixarei… tu irás e encostarás a tua face em outra face
teus dedos enlaçarão outros dedos e tu desabrocharás para a madrugada.
Mas tu não saberás que quem te colheu fui eu, porque eu fui o grande íntimo da noite.
Porque eu encostei minha face na face da noite e ouvi a tua fala amorosa.
Porque meus dedos enlaçaram os dedos da névoa suspensos no espaço
e eu trouxe até mim a misteriosa essência do teu abandono desordenado.
Eu ficarei só como os veleiros nos pontos silenciosos.
Mas eu te possuirei como ninguém porque poderei partir.
E todas as lamentações do mar, do vento, do céu, das aves, das estrelas
serão a tua voz presente, a tua voz ausente, a tua voz serenizada.

Vinícius de Moraes
Foto de F. Monteiro (Noite) em http://olhares.aeiou.pt/noite/foto451136.html%3cbr

Garrafa 15 – Para você, com carinho   1 comment

Tenho amigos que não sabem o quanto são meus amigos.
Não percebem o amor que lhes devoto e a absoluta necessidade que tenho deles.
A amizade é um sentimento mais nobre do que o amor, eis que permite que o objeto dela se divida em outros afetos, enquanto o amor tem intrínseco o ciúme, que não admite a rivalidade.

E eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos!
Até mesmo aqueles que não percebem o quanto são meus amigos e o quanto minha vida depende de suas existências …
A alguns deles não procuro, basta-me saber que eles existem.
Esta mera condição me encoraja a seguir em frente pela vida.
Mas, porque não os procuro com assiduidade, não posso lhes dizer o quanto gosto deles. Eles não iriam acreditar.
Muitos deles estão lendo esta crônica e não sabem que estão incluídos na sagrada relação de meus amigos.
Mas é delicioso que eu saiba e sinta que os adoro, embora não declare e não os procure.
E às vezes, quando os procuro, noto que eles não tem noção de como me são necessários, de como são indispensáveis ao meu equilíbrio vital, porque eles fazem parte do mundo que eu, tremulamente, construí e se tornaram alicerces do meu encanto pela vida.
Se um deles morrer, eu ficarei torto para um lado.
Se todos eles morrerem, eu desabo!
Por isso é que, sem que eles saibam, eu rezo pela vida deles.
E me envergonho, porque essa minha prece é, em síntese, dirigida ao meu bem estar. Ela é, talvez, fruto do meu egoísmo.
Por vezes, mergulho em pensamentos sobre alguns deles.
Quando viajo e fico diante de lugares maravilhosos, cai-me alguma lágrima por não estarem junto de mim, compartilhando daquele prazer…
Se alguma coisa me consome e me envelhece é que a roda furiosa da vida não me permite ter sempre ao meu lado, morando comigo, andando comigo, falando comigo, vivendo comigo, todos os meus amigos, e, principalmente os que só desconfiam ou talvez nunca vão saber que são meus amigos!

A gente não faz amigos, reconhece-os.

Vinícius de Moraes
Foto de divulgação da Prefeitura Municipal de Foz de Iguaçu – Ponte da Amizade

Ponte da Amizade

 

%d blogueiros gostam disto: