Arquivo para a Tag ‘sombra

Garrafa 486 – Tapete mágico   Leave a comment

Havia um belo e frondoso jambeiro na minha casa da infância em Caçapava – SP. Seguindo as sábias instruções contidas nas bases hidrogenadas do seu DNA, na época combinada, suas flores salpicavam um grande setor do quintal, bem em frente à janela do meu quarto, e formavam um tapete cor de rosa em torno do lugar onde jogava búrica com meus amigos paulistas – bola de gude como é chamada pela molecada do Rio de Janeiro.

Quando chegava a época dos frutos, para minha alegria e alvoroço dos sanhaços que esvoaçavam pela vizinhança, ouvia da minha cama quando alguns jambos, impulsionados por alguma brisa ou pela bicada de algum pássaro, caiam do pé. Espalhavam então seu perfume aos ventos, parte de sua casca entreaberta revelava seu interior branco e macio e algumas sementes grandes e escuras rolavam na terra protegida pela sombra da sua copa. Saltava imediatamente da cama com a expectativa de selecionar aquele que me parecesse mais apetitoso, pela cor viva e perfume agradável. Feita a escolha, mastigava aquela polpa saborosa, mesmo antes de tomar o meu café da manhã. Pura delícia visual, olfativa e gustativa.

Agora tenho outro jambeiro na saída da minha rua. E é época de floração! Viajo na memória a cada passo. Tapete mágico.

o meu caminho:
nas flores do jambeiro,
tapete mágico…

Eduardo Leal
Foto de Eduardo Leal

Tapete mágico

Garrafa 442 – Acendendo as luzes   Leave a comment

Durante a retomada da leitura de “A Idade dos Milagres – Valorizando a Maturidade” de Marianne Williamson, um trecho que anteriormente tinha passado despercebido, agora me chama a atenção:

“Não existe nada mais satisfatório na vida do que o sentimento de tomar posse de si mesmo. Você não tem mais medo de que alguma fração ainda não integrada à sua personalidade separe-se de você. Finalmente você tem um lar. Explorou todos os quartos, acendeu todas as luzes e tomou posse.”

Bela metáfora do trabalho com a sombra, de explorar todos os cômodos da casa, de abrir aquelas portas que têm permanecido fechadas por muito tempo. De acender as luzes para explorar esse território deliberadamente esquecido e tomar posse de si mesmo, com tudo de luminoso e sombrio que há para ser visto e acolhido.

Pausa para um breve haicai:

nos quartos escuros,
tomando posse de mim,
acendendo luzes…

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido

Garrafa 431 – Transbordantemente   Leave a comment

Depois de uma conversa com minha sombra…

não cabem mais,
nas
estruturas cerebrais,
todos os meus ais…

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido

Garrafa 424 – Mil vagalumes   Leave a comment

Tenho andado interessado em investigar meu lado sombrio, estimulado por um curso de Cabala, do qual estou participando e já inspirou um post no início do mês passado.

Compartilho uma dica com os amigos, fruto da leitura de “O Efeito Sombra” escrito em coautoria por Deepak Chopra, Debbie Ford e Marianne Williamson.

A definição de sombra proposta por Debbie Ford me pareceu interessante e apresento alguns trechos de sua fala:

O grande psicólogo C. G. Jung dizia que a sombra é a pessoa que preferíamos não ser…
A sombra é tudo o que nos irrita, horroriza ou descontenta em relação às pessoas e a nós mesmos. Com essa sabedoria à mão, começamos a ver que a sombra é tudo o que tentamos esconder daqueles que amamos e tudo o que não queremos que os outros saibam a nosso respeito.
Nossa sombra é feita de pensamentos, emoções e impulsos que julgamos excessivamente dolorosos, constrangedores ou desagradáveis de aceitar. Portanto, em vez de lidar com eles nós os reprimimos – e os lacramos em alguma parte de nossa psique, para que não seja preciso sentir o peso e a vergonha que carregamos por causa deles.
É nosso lado sombrio – o lado reprimido e os aspectos repudiados de nossa personalidade.

Diante disso, Debbie Ford sugere que tornar-se intimo de sua sombra é uma das investigações mais fascinantes e frutíferas que você poderá fazer. É uma jornada misteriosa que o conduzirá a descobrir o seu self mais autêntico – um lugar onde você se sente à vontade com quem você é, onde reconhece suas fraquezas e seus pontos fortes, onde pode apreciar seus talentos, admitir suas imperfeições e admirar sua grandeza…

Ela nos diz ainda que é irônico que para encontrar a coragem de levar uma vida autêntica, você terá que entrar nos cantos escuros do seu self mais forjado. Você precisa confrontar exatamente aquelas suas partes que mais teme e encontrar o que estava procurando, porque o mecanismo que o leva a esconder sua escuridão é o mesmo que o faz esconder a luz. Aquilo do que você anda se escondendo pode, na verdade, lhe dar o que você vem tentando encontrar com tanto afinco.

Dito isto, apresento um resumo da sugestão proposta por Deepak Chopra para lidarmos com a nossa sombra:

1. Reconheça sua sombra, quando ela trouxer negatividade para sua vida;
2. Abrace e perdoe sua sombra. Transforme um obstáculo indesejado em um aliado;
3. Pergunte a si mesmo que condições estão dando origem à sombra: estresse, anonimato, permissão para causar danos, pressão de colegas, passividade, condições desumanas, uma mentalidade “nós versus eles”;
4. Compartilhe seus sentimentos com alguém em quem confie: um terapeuta, um amigo de confiança, um bom ouvinte, um conselheiro ou confidente;
5. Inclua um componente físico: trabalho corporal, liberação de energia, respiração de ioga, cura interativa;
6. Para mudar o coletivo, mude a si mesmo – projetar e julgar “os outros” como malfeitores só aumenta o poder da sombra;
7. Pratique a meditação, de modo a experimentar a consciência pura, que está além da sombra.

Assim, como nos propõe Debbie, quando a sombra é abraçada, ela irá curar nosso coração e nos abrir a novas oportunidades, novos comportamentos e um novo futuro.

Instigado por esse grande desafio e partidário que sou de um bom abraço, já me vejo nos próximos meses tateando na escuridão em busca de minha sombra, sem nenhuma dúvida com o coração ainda bastante assustado, mas recitando silenciosamente um breve haicai:

puro negrume,
abraço minha sombra…
mil vagalumes!

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido
Instruções de utilização: Assistir ao filme “The Sahadow Effect”

Mil vagalumes

Garrafa 407 – Nosso lado sombrio   4 comments

Tenho andado às voltas com o conceito de tikun, mencionado em um curso sobre Cabala de que estou participando e em um livro que terminei de reler – “O Poder da Kabbalah” de Yehuda Berg.

Segundo os cabalistas, a lei do tikun, que significa literalmente correção, nos diz que cada um de nós vem a esse mundo para consertar e corrigir alguma coisa. Essa questão pode estar relacionada a qualquer aspecto do nosso comportamento que seja automaticamente reativo ou egoísta ou a padrões repetitivos que nos limitam ou bloqueiam (dinheiro, pessoas, saúde, amizades, relacionamentos, etc.). E uma das pistas para identificá-la é verificar tudo que nos seja particularmente difícil e desconfortável (pessoas que nos incomodam, situações em que nos sentimos constrangidos, ofendidos, irritados ou aborrecidos, etc.). Nessa tarefa somos ajudados pelo Universo que funciona como um grande espelho refletindo nosso tikun de volta pra nós e permitindo a elevação do nosso nível de consciência, quando fazemos a correção.

Meu processo de busca por mais informações me levou a reler “O Efeito Sombra – Encontre o Poder Escondido na sua Verdade” de Deepak Chopra, Debbie Ford e Marianne Williamson, onde tropecei nesse trecho instigante que tinha passado despercebido na primeira leitura:

“Se você não pode enxergar a própria sombra, precisa procurá-la. A sombra se esconde na vergonha, nos becos escuros, nas passagens secretas e nos sótãos fantasmagóricos de sua consciência. Ter um lado sombrio não é possuir uma falha, mas ser completo.”

Pausa para um breve haicai.

meu lado sombrio,
passagens secretas… que
eu mesmo crio!

Eduardo Leal
Foto de Maria Diniz – Efeitos de Luz e Sombra

Efeitos de Luz e Sombra

Garrafa 237 – Yang forte   1 comment

dentro do dia
a semente da noite
olhar sombrio

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido

Garrafa 236 – Ying forte   1 comment

dentro da noite
a semente do dia
brilho no olhar!

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido

%d blogueiros gostam disto: