Arquivo para a Tag ‘primavera

Garrafa 528 – Guardando encontros à luz do dia   2 comments

Aproveito cada momento da minha vida, em qualquer época do ano, em qualquer lugar, e em qualquer hora do dia. Esse é um compromisso que assumi comigo mesmo há muito tempo: o de viver intensamente cada instante.

E, como acredito firmemente que as coisas mais importantes que fazemos são aquelas que podem ser compartilhadas com alguém, que assim tudo fica muito melhor, sempre que possível dou preferência por fazê-las em ótima companhia.

E, ao mesmo tempo, fico muito bem sozinho, quando não tenho a companhia de outra pessoa ou de um grupo, ou escolho eventualmente não tê-la por vontade própria. Aliás, preciso de muitos momentos de recolhimento e introspecção para recarga de minhas baterias. Pratico meditação várias vezes por dia e faço longas e frequentes caminhadas sozinho.

Apesar dessa disposição incondicional (em qualquer lugar, em qualquer tempo), tenho que admitir que os meses de outono são minha época do ano favorita, seguidos dos meses de primavera. Há algo na qualidade da luz dos meses de abril, maio e junho que me encanta, e aguardo por eles alegremente, antecipando o gozo já a partir de meados de março. Céus de um azul profundo, algumas nuvens brancas aqui e ali e temperaturas sempre amenas e agradáveis. Isso sem falar das frutas, especialmente dos saborosos caquis que alegram meus dias com suas explosões de cor, textura e doçura.

Essa é também uma época em que eu mesmo e muitas pessoas importantes pra mim celebramos datas especiais nos nossos calendários pessoais e afetivos. E celebro comigo mesmo e com elas, de maneira presencial ou virtual, estejam onde estiverem.

E esse é também um dos motivos para ter criado e ainda manter em atividade este blog, enviando garrafas com mensagens pelos mares da Internet, como já mencionado na página Minhas Razões : o de viver e celebrar encontros especiais.

Assim sendo, uma das mensagens que costumo enviar nesta época do ano desta vez está sendo postada com mais de dez dias de atraso, em função de uma conjuntura pessoal bem específica, que escolho não mencionar neste momento.

E o que escolho compartilhar agora nesta postagem?

Nas ultimas semanas tive minha atenção atraída por um poema de Antonio Cicero e, desde então essas palavras têm ecoado e reverberado em minha alma ao mesmo tempo com força e delicadeza.

Guardar

Guardar uma coisa não é escondê-la ou trancá-la.
Em cofre não se guarda coisa alguma.
Em cofre perde-se a coisa à vista.

Guardar uma coisa é olhá-la, fitá-la, mirá-la por
admirá-la, isto é, iluminá-la ou ser por ela iluminado.

Guardar uma coisa é vigiá-la, isto é, fazer vigília por
ela, isto é, velar por ela, isto é, estar acordado por ela,
isto é, estar por ela ou ser por ela.

Por isso melhor se guarda o voo de um pássaro
Do que um pássaro sem voos.

Por isso se escreve, por isso se diz, por isso se publica,
por isso se declara e declama um poema:
Para guardá-lo:
Para que ele, por sua vez, guarde o que guarda:
Guarde o que quer que guarda um poema:
Por isso o lance do poema:
Por guardar-se o que se quer guardar.

É o que faço agora, e o que tenho feito em muitas postagens deste blog: escrevo, digo, publico, declaro e declamo, guardo à plena luz do dia o valor desse encontro em pequenos contos e em poemas curtos, para mantê-los à vista. Para olhá-los, fitá-los, mirá-los, admirá-los, iluminá-los ou ser por eles iluminado. Para vigiá-los, fazer vigília e velar por eles, estar acordado por eles, estar por eles e ser por eles.

Selecionei um desses poemas curtos, já postado na Garrafa 460, para trazê-lo novamente à luz e dizer o que escolho dizer novamente nesta noite de lua cheia de outono:

talvez não devesse…
mas, apesar de tudo,
amo e pronto!

Eduardo Leal

Garrafa 427 – Um certo ar matinal   1 comment

Pensativo, nesse final de uma tarde chuvosa de primavera, vasculhei a estante em busca de inspiração para encerrar o dia com dignidade, após ouvir que os problemas com o servidor de e-mail da minha conta mais antiga, que está “instável” desde segunda-feira, ainda não têm previsão de solução. Enquanto isso, alertas de erro aparecem a todo instante, sempre que tento baixar minhas mensagens, sem sucesso. Pequenas frustrações do dia-a-dia com reflexos indesejados no meu bom-humor habitual.

Lembrei-me imediatamente de um poema de Hermann Hesse que falava da importância de estarmos prontos para novos começos e expedi um mandado de busca e apreensão para mim mesmo. Encontrei-o em dois lugares diferentes, com dois títulos também distintos e com duas traduções ligeiramente diferentes. Em “O Jogo das Contas de Vidro” ele aparece como uma das obras póstumas do personagem José Servo com o título “Degraus”. Já na antologia poética “Andares”, aparece como o poema que emprestou seu nome à obra, com o título “Andares”.

Transcrevo e compartilho com os amigos essa pequena e delicada reflexão poética, retirada de “O Jogo das Contas de Vidro”, cuja tradução me agrada um pouco mais:

Assim como as flores murchas e a juventude
Dão lugar à velhice, assim floresce
Cada período de vida, e a sabedoria e a virtude,
Cada um a seu tempo, pois não podem
Durar eternamente. O coração,
A cada chamado da vida deve estar
Pronto para a partida e um novo início,
Para corajosamente e sem tristeza,
Entregar-se a outros, novos compromissos.
Em todo o começo reside um encanto
Que nos protege e ajuda a viver.
Os espaços, um a um, devíamos
Com jovialidade percorrer,
Sem nos deixar prender a nenhum deles
Qual uma pátria;
O Espírito Universal não quer atar-nos
Nem nos quer encerrar, mas sim
Elevar-nos degrau por degrau, nos ampliando o ser.
Se nos sentimos bem aclimatados
Num círculo de vida e habituados,
Nos ameaça o sono; e só quem de contínuo
Está pronto a partir e a viajar,
Se furtará à paralisação do costumeiro.

Mesmo a hora da morte talvez nos envie
Novos espaços recenados
O apelo da vida que nos chama não tem fim…
Sus, coração, despede-te e haure saúde!

Confesso que fui tocado por esse pequeno poema, que fala da inexorável passagem do tempo e de nosso inevitável destino de percorrer o espaço que nos corresponde, de preferência com jovialidade. Desde que o vi pela primeira vez, em algum momento da década de 1970, sinto que gosto especialmente dessa fala: “O coração, a cada chamado da vida deve estar pronto para a partida e um novo início, para corajosamente e sem tristeza, entregar-se a outros, novos compromissos. Em todo o começo reside um encanto que nos protege e ajuda a viver. Os espaços, um a um, devíamos com jovialidade percorrer, sem nos deixar prender a nenhum deles…”

Quando penso nisso, sinto novamente o frescor da manhã, mesmo daquelas mais nubladas, quando iniciamos cada novo dia com renovada disposição. E pensando que esse é um dos nossos grandes desafios, gostaria de transportar esse mesmo frescor para cada momento que se sucede, um após o outro, a cada chamado da vida, especialmente nesse fim de tarde chuvoso.

Um certo ar matinal… Acho que essa atitude mental deveria ser a minha ideal… Uma meta espiritual…

Isso! Corro para encontrar uma imagem que passe essa ideia de frescor matinal e organizar as ideias com a métrica de um haicai:

espiritual,
a atitude mental,
do ar matinal…

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido
Instruções de utilização: Ouvir “Morning Dance” com Spyro Gyra

Ar matinal

Garrafa 403 – Manhã de inverno em Campos do Jordão   Leave a comment

Estive no Japão no inverno de 2008 e, além dos enigmáticos jardins zen decorados com areia e pedras, vi muita neve e árvores desfolhadas. Nenhuma cerejeira em flor para contar a história. Desde então, tenho alimentado o sonho de voltar na primavera, com a ótima desculpa de testemunhar e participar da festa tradicional do desabrochar das belas sakura que acontece em todas as regiões do país e, como descobri depois, em todas as partes do mundo onde há uma significativa colônia japonesa.

Qual não foi a minha surpresa em uma visita a Campos do Jordão, em pleno inverno, ao descobrir que a festa das cerejeiras acontece por lá sempre ao final do Festival de Inverno, nos últimos dias de julho e primeiros dias de agosto.

Como as flores da cerejeira desabrocham apenas uma vez ao ano, como descobri no site do evento, com o uso de modernas técnicas agrícolas os jardineiros da colônia japonesa têm podido controlar a floração para o início do mês de agosto, época da festa, com uma pulverização para a indução floral feita com 30 dias de antecedência, com um produto comercial existente no mercado.

Sempre fico muito pensativo e desconfiado com essas tentativas de manipulação da Natureza, mas não pude deixar de apreciar o espetáculo de delicada beleza dessa floração. Chegando eu também fora de hora, numa terça-feira, quando os eventos festivos ocorrem apenas nos fins de semana, fui recebido por um único jardineiro japonês que não falava uma palavra sequer de português, mas gentilmente me abriu as portas do seu belo paraíso.

Lá dentro, em respeitoso silêncio, além da visão das sakura, a contemplação de alguns beija-flores que, como eu, queriam apenas poder beijar e tocar cada um daqueles maravilhosos brotos rosados. Freud deve ter uma boa explicação pra isso… E, volta e meia, minha atenção era também capturada por alguns sanhaços que, com sua penugem azul me remetiam diretamente para os quintais da minha infância, na cidade vizinha de Caçapava, e pelo canto de bem-te-vis, que conheço bem da minha própria vizinhança aqui no Rio.

Despertado de repente pelo ruído de uma pequena motosserra, habilmente manipulada pelo jardineiro, podando em algum canto do parque um galho partido, pensei comigo mesmo:

broto não espera!
na flor de cerejeira,
já é primavera…

Eduardo Leal
Foto de Eduardo Leal em Campos do Jordão

Em Campos do Jordão 070

Garrafa 352 – Desmanche de Navios   5 comments

Li com profundo pesar, na manhã de hoje, matéria enviada por um bom amigo sobre o triste fim do Navio-Aeródromo Ligeiro (NAeL) Minas Gerais, antigo A-11, em um desmanche de embarcações na India, fato já ocorrido há algum tempo atrás. Foi como descobrir que outro bom amigo, de quem não tinha notícias há muito tempo, havia morrido e tinha sido sepultado como indigente, sozinho, em terra distante, longe de sua família e de seus amigos… Enfim, uma tristeza…

O NAeL foi o meu primeiro navio quando me apresentei na Esquadra, em 1976, ao regressar da viagem de instrução de guardas-marinha. E lá permaneci por dois anos, no Departamento de Aviação, até desembarcar para o Curso de Aperfeiçoamento de Eletrônica. Nessa época, durante o PAM (Período de Atualização e Manutenção) ele não se movimentou, permanecendo atracado ou docado no Arsenal de Marinha no Rio de Janeiro (AMRJ). Só pude experimentar a felicidade de navegar com ele, em águas nacionais e internacionais, embarcando, anos depois, como oficial de Estado-Maior do Comando-em-Chefe da Esquadra. Bem mais tarde, como Capitão dos Portos de Alagoas, pude organizar e preparar a primeira visita do navio ao porto de Maceió. Isso nunca havia ocorrido em razão de pertinentes preocupações da Esquadra com relação à profundidade local e às condições de atracação. A visita foi um sucesso e boas lembranças daqueles momentos de contentamento povoaram minha mente, no dia de hoje.

Refletindo a respeito dos nossos processos de mudança, dos fios brancos que teimam em aparecer no meu bigode e da corrosão que consome os conveses de alguns dos navios onde pisei, as palavras do filósofo Heráclito de Éfeso ecoam, desde a Grécia antiga, no meu ouvido cansado:

“No Universo, a única coisa permanente é a mudança.”

E como sempre faço quando fico meditabundo, busco refúgio em minha trilha sonora. Dessa vez reencontrei esta pérola em forma de música e letra de Quincy Jones, a respeito do inexorável processo de mudança:

Everything must change
Nothing stays the same
Everyone will change
No one stays the same

Os ciclos de nascimento, desenvolvimento, degradação e morte são mesmo implacáveis e vamos, todos nós, de uma maneira ou de outra, passar por cada um deles. E o importante é fazê-lo com dignidade.

O NAeL sempre foi tratado com respeito e reverência por suas antigas tripulações e legiões de admiradores que, enquanto vivermos, assim o preservaremos em nossa memória, a despeito de seu triste fim, em uma praia distante e longe dos seus.

Vendo as fotografias dos seus ultimos momentos, ao lado de outras embarcações de mesmo triste destino, sinto apenas a inspiração para um lamento, com a métrica do haicai:

praia de lama
desmanche de navios
ah! longe dos seus…

Eduardo Leal
Fotos de autores desconhecidos
Instruções de utilização: Ouvir “Everything Must Change” com Quincy Jones

Garrafa 276 – Início de primavera… Quase verão… Quase inverno   2 comments

Apesar de ter ido dormir depois de uma da madrugada, acordei cedo pra buscar o filho que chegou para o fim de semana, vindo de Belo Horizonte, sempre motivo de alegria para toda a família! Além da presença física, presentinhos e mimos na mochila, diretamente de sua recente viagem à Itália e Alemanha. Meu mimo veio diretamente do Salão do Automóvel de Frankfurt. Super chique! Diretamente do stand da MINI, ainda não é o meu Audi A4, mas… Tudo bem!

Na chegada, meu amigo Bem-te-vi nos recepciona com seu canto. Nessa bela manhã de primavera, de ar fresco e limpo, mais motivo de celebração com café quentinho e pãozinho torrado na chapa!

Passei o resto da manhã fazendo a revisão de texto do artigo que será publicado em breve no livro “Leader Coach” do qual participo como coautor. Acho que ficou bom, apesar de ter sido obrigado a lidar com a frustração de cortar muito do que gostaria de dizer, por limitação de espaço. Depois de olhar para o papel várias vezes, em inúmeras revisões, pressinto a cegueira para os “gatinhos” do texto e o pedido de ajuda ao meu amigo Gil, consultor, escritor e “babilaca das letras”, para o seu parecer final, é inevitável. Aguardo por seus comentários precisos e pertinentes. Escolho a frase de abertura, na verdade um breve haicai já postado por aqui sobre o Líder Coach. Seleciono também as três perguntas poderosas para provocar a reflexão dos futuros leitores, que desejo sejam muitos milhares, por que não milhões?

Perdido em pensamentos, sobre os motivos inconscientes da procrastinação que fez com que meus outros artigos e meus próprios livros ainda não tenham sido publicados, passa pela mente a imagem da cigarra e da formiga, aquela da fábula… E, de repente, o canto de uma cigarra me atinge como um raio!

Taquilosparo! A primavera mal começou! Será que perdi alguma coisa? A “máquina do tempo” ataca outra vez? Isso não é “coisa de verão”?
O primeiro canto de cigarra, depois do inverno, também será motivo de celebração, ou apenas e, mais ainda, de preocupação? Ecos de uma terrível premonição – a ameaça do inverno do próximo ano? Formigas trabalhadeiras em festa, cigarras nem tanto…

O tempo não para! Como diz a letra da musica “E mi viene da pensare” do grupo de rock progressivo italiano “Banco del Mutuo Soccorso”: “A primavera é inexorável!”. E penso com meus botões, ao som da cigarra: O verão é inexorável! O outono é inexorável! O inverno é inexorável! E a música continua…

Antes de voltar ao trabalho, atropelado por reflexões mirabolantes, neutrinos, etc… Pausa para um breve haicai:

cigarra cantou
ainda primavera…
verão começou!

Eduardo Leal

Foto de autor desconhecido

Publicado 01/10/2011 por Eduardo Leal em Haicai, Haikai, Haiku, Prosa

Etiquetado com , , , ,

Garrafa 274 – A Máquina do Tempo   1 comment

Nos últimos dias, véspera da chegada da primavera de 2011, noticias em sites científicos de todo o mundo dão conta de que pesquisadores europeus encontraram as primeiras evidencias de partículas subatômicas – os neutrinos – viajando mais rápido que a velocidade da luz. Esses resultados, se confirmados, poderiam significar que é possível teoricamente “enviar informações para o passado”. Em outras palavras, a viagem para o passado poderia ser possível…

Imediatamente, começo mentalmente a arrumar minhas malas e a escolher o meu destino. Quantas opções interessantes!

No quintal arborizado da casa da infância, anos sessenta, sentir novamente, quase ao mesmo tempo, o gosto e o contraste dos sabores da manga, da pitanga, da goiaba, do jambo e da amora!

Vivenciar o entusiasmo de fabricar, com inesperado sucesso, um dos meus primeiros artefatos que faziam parte do kit de sobrevivência na infância, junto com cinco bolas de gude coloridas – meu estilingue. Ele era construído com forquilha cuidadosamente selecionada e serrada de um ramo seco e firme de goiabeira, complementado com elástico recortado da câmara de um pneu careca do velho Mercury do meu pai e com o pequeno retângulo de couro macio também recortado de um antigo sapato usado pela minha mãe.

Esse prodígio de engenharia bélica primitiva era municiado e carregado com caroços redondos e firmes de pitangas maduras. Era preciso comer muitas delas para manter os bolsos cheios da munição usada nas disputas com meus amigos da vizinhança. Acho que poderia fazer novamente esse sacrifício…

Quem sabe poderia agora me esquivar do impacto produzido por um desses caroços, que me atingiu o rosto, quando saí do esconderijo por detrás da parede da cozinha e passei a temer a mira precisa do meu amigo Mané!

E impedir o gesto impensado de alvejar aquela rolinha distraída no galho da mangueira… Sua pequena carcaça ainda deve estar sepultada por entre as raízes do jambeiro, após cerimonial fúnebre providenciado imediatamente com profundo arrependimento…

Se meu novo amigo Bem-te-vi soubesse desse passado, ainda cantaria todo dia pra mim?

Depois de consultar cuidadosamente os registros de minha máquina do tempo, finalmente me decido por um destino mais recente… Ah! Aquele beijo… Relâmpagos iluminando o céu da boca…

Tá marcado!
Bagagem pra que?
Naquele momento estava pelado…

Já sentindo de novo aquela vertigem, sigo balbuciando um breve haicai…

desengonçado,
no lombo de um neutrino,
volto ao passado…

Eduardo Leal

Fotos de autores desconhecidos
Instruções de utilização: Ouvir “Time” com Alan Parsons Project

Garrafa 184 – Impermanência   Leave a comment

mesma estação
mas nunca a mesmas flores
na primavera
 
Eduardo Leal
Foto de Eduardo Leal – Floreira em Himeji – Japão
 

Publicado 07/01/2009 por Eduardo Leal em Haicai

Etiquetado com , , , ,

%d blogueiros gostam disto: