Arquivo para a Tag ‘plenitude

Garrafa 492 – Symbolum   1 comment

O futuro oculta do olhar
Dores e momentos felizes.
Contudo, passo por passo,
Caminhamos para a frente
Sem temor.

E pesado e distante
O encobre um véu
De veneração. Silêncio…
Em cima, repousam as estrelas
E, embaixo, os túmulos…

No entanto, do além
Nos chamam as vozes dos espíritos
As vozes dos Mestres:
Não deixem de praticar
As forças do bem.

Aqui, no silêncio eterno,
Tecemos as coroas
Que recompensarão com plenitude
Todos os que trabalharem!
Aconselhamos que tenham esperança.

Die Zukunft decket
Schmerzen um Glücke.
Schrittweis Dem Blicke,
Doch ungeschrecket
Dringen wir vorwärts

Und schwer und ferne
Hängt eine Hülle
Mit Ehrfurcht. Stille
Ruhn oben die Sterne
Und unten die Gräber…

Doch rufen von drüben
Die Stimmen der Geister,
Die Stimmen der Meister:
Versäumt nicht zu üben
Die Kräfte des Guten.

Hier winden wir Kronen
In ewiger Stille,
Die sollen mit Fülle
Die Tätigen lohnen!
Wir heissen euch hoffen.

Goethe

Sucesso

Garrafa 475 – Mínima abertura   Leave a comment

Luz se infiltra:
mínima abertura,
para surgir plena!

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido
Instruções de utilização: Assistir ao vídeo “You are the Eternal Universe – Alan Watts”

Espiral colorida

Garrafa 295 – Vida plena   Leave a comment

de recompensa,
nenhuma garantia.
só vida plena!

Eduardo Leal
Inspirado no livro “O convite” de Oriah
Foto de autor desconhecido

Publicado 04/04/2012 por Eduardo Leal em Fotografias, Haicai, Haikai, Haiku, Livros

Etiquetado com , , , , ,

Garrafa 86 – Casamento Sagrado   Leave a comment

O encontro de dois seres que se encontraram a si mesmos ao longo do caminho.

Quando dois seres que conquistaram essa intimidade com eles mesmos conseguem estar plenamente um com o outro – seja pela vida toda, seja por um momento -, o mundo é experimentado com ternura e alimentado pela imagem que eles criaram simplesmente por estarem juntos.

Podem ser amigos ou parentes, amantes, parceiros, ou apenas dois estranhos cujas vidas se cruzaram por um momento. Podem estar contando estórias um ao outro, fazendo amor, dividindo uma tarefa ou sentados em silêncio, juntos. Não importa.

Se depois de encontrar a mim mesma nos momentos vazios, quero e posso entregar tudo o que sou ao outro, recebendo tudo o que ele é, então ficamos verdadeiramente juntos.

Nesse momento, na imagem que criamos por estarmos juntos, somos a manifestação concreta da vida gerando e nutrindo a própria vida.

Essa é a plenitude por que todos ansiamos.

Oriah Mountain Dreamer em “O Convite”
Foto de autor desconhecido

Céu e mar

%d blogueiros gostam disto: