Arquivo para a Tag ‘partida

Garrafa 471 – Hora de partir   Leave a comment

Seu sorriso de felicidade era simplesmente lindo!

Na verdade eram vários tipos de riso que podiam vir à tona em cada momento. E eram percebidos com pura visão silenciosa, com imagem e som, ou apenas com aquele som delicioso e musical, quando ao telefone. Um para cada ocasião: o de surpresa, o de puro prazer, o de divertimento, o de alegria infantil, o de provocação… Uns para a luz do dia, outros para a luz da lua, outros para a penumbra. E outros para a escuridão total, só perceptíveis pelo som ou pelo tato, pelo método “braile” desenvolvido ao longo do tempo e que ele aprendeu a desvendar. E seus dedos ágeis e delicados, ou às vezes áreas maiores da pele da palma ou das costas das mãos, eram capazes de indicar o que se passava com sua expressão facial com muita precisão.

E ele sorria junto. Você é tão linda quando sorri, dizia…

Mas ele descobriu depois: ela também tinha aquele outro tipo de riso quando ficava nervosa, sem saber o que dizer… como dizer… Não tinha intenção de magoar ninguém. Só não sabia como se comportar naquelas ocasiões.

Como encerrar um relacionamento? Ninguém nos ensina esse tipo de coisa.

Agora ele sabe perceber mais esse detalhe. Tecnologia inútil. Não se verão mais…

Mas se acontecesse de novo daquele jeito, mesmo que o sorriso chegasse apenas por um canal de voz, ele saberia o que fazer.

Dizia para si mesmo, em fragmentos de sonhos:

se você sorrir,
eu vou compreender: é
hora de partir…

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido
Instruções de utilização: Ouvir “One summer dream” com Electric Light Orchestra

Sorriso de prazer

Anúncios

Garrafa 427 – Um certo ar matinal   1 comment

Pensativo, nesse final de uma tarde chuvosa de primavera, vasculhei a estante em busca de inspiração para encerrar o dia com dignidade, após ouvir que os problemas com o servidor de e-mail da minha conta mais antiga, que está “instável” desde segunda-feira, ainda não têm previsão de solução. Enquanto isso, alertas de erro aparecem a todo instante, sempre que tento baixar minhas mensagens, sem sucesso. Pequenas frustrações do dia-a-dia com reflexos indesejados no meu bom-humor habitual.

Lembrei-me imediatamente de um poema de Hermann Hesse que falava da importância de estarmos prontos para novos começos e expedi um mandado de busca e apreensão para mim mesmo. Encontrei-o em dois lugares diferentes, com dois títulos também distintos e com duas traduções ligeiramente diferentes. Em “O Jogo das Contas de Vidro” ele aparece como uma das obras póstumas do personagem José Servo com o título “Degraus”. Já na antologia poética “Andares”, aparece como o poema que emprestou seu nome à obra, com o título “Andares”.

Transcrevo e compartilho com os amigos essa pequena e delicada reflexão poética, retirada de “O Jogo das Contas de Vidro”, cuja tradução me agrada um pouco mais:

Assim como as flores murchas e a juventude
Dão lugar à velhice, assim floresce
Cada período de vida, e a sabedoria e a virtude,
Cada um a seu tempo, pois não podem
Durar eternamente. O coração,
A cada chamado da vida deve estar
Pronto para a partida e um novo início,
Para corajosamente e sem tristeza,
Entregar-se a outros, novos compromissos.
Em todo o começo reside um encanto
Que nos protege e ajuda a viver.
Os espaços, um a um, devíamos
Com jovialidade percorrer,
Sem nos deixar prender a nenhum deles
Qual uma pátria;
O Espírito Universal não quer atar-nos
Nem nos quer encerrar, mas sim
Elevar-nos degrau por degrau, nos ampliando o ser.
Se nos sentimos bem aclimatados
Num círculo de vida e habituados,
Nos ameaça o sono; e só quem de contínuo
Está pronto a partir e a viajar,
Se furtará à paralisação do costumeiro.

Mesmo a hora da morte talvez nos envie
Novos espaços recenados
O apelo da vida que nos chama não tem fim…
Sus, coração, despede-te e haure saúde!

Confesso que fui tocado por esse pequeno poema, que fala da inexorável passagem do tempo e de nosso inevitável destino de percorrer o espaço que nos corresponde, de preferência com jovialidade. Desde que o vi pela primeira vez, em algum momento da década de 1970, sinto que gosto especialmente dessa fala: “O coração, a cada chamado da vida deve estar pronto para a partida e um novo início, para corajosamente e sem tristeza, entregar-se a outros, novos compromissos. Em todo o começo reside um encanto que nos protege e ajuda a viver. Os espaços, um a um, devíamos com jovialidade percorrer, sem nos deixar prender a nenhum deles…”

Quando penso nisso, sinto novamente o frescor da manhã, mesmo daquelas mais nubladas, quando iniciamos cada novo dia com renovada disposição. E pensando que esse é um dos nossos grandes desafios, gostaria de transportar esse mesmo frescor para cada momento que se sucede, um após o outro, a cada chamado da vida, especialmente nesse fim de tarde chuvoso.

Um certo ar matinal… Acho que essa atitude mental deveria ser a minha ideal… Uma meta espiritual…

Isso! Corro para encontrar uma imagem que passe essa ideia de frescor matinal e organizar as ideias com a métrica de um haicai:

espiritual,
a atitude mental,
do ar matinal…

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido
Instruções de utilização: Ouvir “Morning Dance” com Spyro Gyra

Ar matinal

Garrafa 275 – Eterno regresso   Leave a comment

Relendo Ken Wilber em “Éden – Ascensão ou queda?” e sua Dialética do Progresso:
“À medida que a consciência evolui e se desdobra, cada estágio soluciona ou desativa certos problemas do estágio anterior; entretanto, acrescenta novos e recalcitrantes – às vezes mais complexos e mais difíceis – problemas próprios.”
“… evolução significa, inerentemente, que novos potenciais, novas maravilhas e novas glórias são introduzidas a cada estágio, mas que, invariavelmente, vêm acompanhados por novos horrores, novos medos, novos problemas, novos desastres.”

Pensando a respeito, a inspiração para um breve haicai:

eterno regresso
ao ponto de partida
sempre mais difícil…

Eduardo Leal

Ilustração de Escher

Publicado 25/09/2011 por Eduardo Leal em Filosofia, Haicai, Haikai, Haiku, Ilustrações, Prosa

Etiquetado com , ,

Garrafa 119 – Ausência   Leave a comment

Eu deixarei que morra em mim o desejo de amar os teus olhos que são doces
porque nada te poderei dar senão a mágoa de me veres eternamente exausto.
No entanto a tua presença é qualquer coisa como a luz e a vida
e eu sinto que em meu gesto existe o teu gesto e em minha voz a tua voz.
Não te quero ter porque em meu ser tudo estaria terminado.
Quero só que surjas em mim como a fé nos desesperados
para que eu possa levar uma gota de orvalho nesta terra amaldiçoada
que ficou sobre a minha carne como nódoa do passado.
Eu deixarei… tu irás e encostarás a tua face em outra face
teus dedos enlaçarão outros dedos e tu desabrocharás para a madrugada.
Mas tu não saberás que quem te colheu fui eu, porque eu fui o grande íntimo da noite.
Porque eu encostei minha face na face da noite e ouvi a tua fala amorosa.
Porque meus dedos enlaçaram os dedos da névoa suspensos no espaço
e eu trouxe até mim a misteriosa essência do teu abandono desordenado.
Eu ficarei só como os veleiros nos pontos silenciosos.
Mas eu te possuirei como ninguém porque poderei partir.
E todas as lamentações do mar, do vento, do céu, das aves, das estrelas
serão a tua voz presente, a tua voz ausente, a tua voz serenizada.

Vinícius de Moraes
Foto de F. Monteiro (Noite) em http://olhares.aeiou.pt/noite/foto451136.html%3cbr

Garrafa 24 – É preciso dizer adeus   Leave a comment

É inútil fingir
Não te quero enganar
É preciso dizer adeus
É melhor esquecer
Sei que devo partir
Só me resta dizer adeus

Ah, eu te peço perdão
Mas te quero lembrar
Como foi lindo
O que morreu

E essa beleza do amor
Que foi tão nossa
E me deixa tão só
Eu não quero perder
Não quero enganar
Não devo trair
Porque tu foste pra mim
Meu amor
Como um dia de sol

Antonio Carlos Jobim e Vinicius de Moraes – 1958
Ilustração de autor desconhecido

dizer-adeus

%d blogueiros gostam disto: