Arquivo para a Tag ‘oeste

Garrafa 366 – Leste é Oeste!   Leave a comment

Durante a releitura de “Zen no trabalho”, de Les Kaye, fiquei surpreso quando li que Huston Smith, no Preâmbulo, afirmou que o livro atenderia a uma necessidade específica: ao ser introduzido nos Estados Unidos neste século (o livro foi lançado por lá em 1977), o budismo retomou a marcha a leste que primeiro o levou à China, depois à Coreia e ao Japão.

Como? Marcha a leste?

Minha mente cartesiana, que imediatamente associa o Continente Americano ao Ocidente/Oeste e não ao Oriente/Leste acionou um alarme cognitivo que me provocou algum desconforto.

O Japão é conhecido como Terra do Sol Nascente e sabemos que o sol nasce a leste… Mas o Continente Americano fica a oeste…

Mas o desconforto durou pouco. É claro! O Arquipélago do Havaí fica a leste do Japão. E o Continente Americano a leste do Arquipélago do Havaiano. E os Continentes Europeu e Africano ficam a leste do Continente Americano…

O sol nasce antes nas terras que ficam a leste! E rumando sempre para leste… Chegamos ao que convencionamos chamar de oeste!

Nunca tinha pensado sobre isso dessa maneira… Ok! O mapa não é o território!

Pausa para um breve haicai:

Norte é Sul,
Leste é Oeste! ah!
são só convenções…

Eduardo Leal
Ilustração de autor desconhecido

Mundo invertido

Garrafa 50 – Ajustando as velas   Leave a comment

Um barco navega para o leste e outro para o oeste movidos pelo mesmo vento.
É a posição das velas e não a ventania que nos dá o rumo.
Como os ventos no mar, assim é o destino;
e quando viajamos pela vida é a posição da alma que define o seu rumo,
não a calmaria nem a rivalidade.

Ella Weeler Wilcox
Foto de autor desconhecido

Ajustando as velas

Garrafa 39 – A Carta   Leave a comment

Sopra do oeste um vento,
as tílias choram mais;
entre os ramos, a lua
vem espiar meu quarto.

Eu tinha, à amada minha
que me deixara já,
escrito uma longa carta:
na folha reluz o luar.

Ao seu tranquilo clarão
que nas pautas vai pisando
esquece meu coração
lua e prece, choro e sono.

Hermann Hesse
Tradução de Geir Campos
Foto de autor desconhecido

A carta

%d blogueiros gostam disto: