Arquivo para a Tag ‘felicidade

Garrafa 501 – Dono do próprio nariz!   Leave a comment

Na contramão de uma grande maioria que anseia apenas por ter! Obter! Possuir! Descobrir o impulso da própria semente!

Ser independente, livre, e capaz de assumir a responsabilidade pelos próprios atos são alguns dos requisitos para que se possa empreender a instigante jornada do autodesenvolvimento, passando pelo autodescobrimento, sem a qual ninguém chega a lugar nenhum que seja valioso e verdadeiro.

Autodescobrir-se para autodesenvolver-se!

Mas, quem sou eu? De que sou feito? Qual o impulso e intenção da minha própria semente? Autodescobrimento!

E, a partir daí, conhecendo essa intenção e impulso seminal, dar-lhe livre expressão e desenvolvimento. Autodesenvolvimento!

O descobrir-se! O simplesmente ser! Antes do fazer, e antes do ter!

Só assim o nosso fazer poderá estar alinhado com a intenção da própria semente, o nosso propósito!

Pausa para um breve haicai:

para ser feliz,
de ser dono não preciso.
tenho meu nariz!

Eduardo Leal
Ilustração de autor desconhecido

Nariz

Garrafa 499 – Cinquenta tons de saudade   Leave a comment

Como costumava acontecer desde que se conheceram, e mesmo tendo se passado já muitos anos desde que tinham se visto pela ultima vez, ele tinha adormecido acalentando com ternura a memória de sua imagem quase sempre sorridente, e sonhado com ela na noite anterior àquele dia especial.

Sonhou que tinham se reencontrado brevemente, a sós, e que conversaram animadamente, sem mágoas nem rancores, revendo os detalhes da fina tapeçaria entretecida com os fios da vida de cada um, tanto durante o período em que estiveram próximos, quanto depois que cada um seguiu o seu próprio caminho. Ela estava feliz com as escolhas que tinha feito no passado, e com sua situação atual, e ele se alegrou de verdade com isso. O que aconteceu foi a única e melhor coisa que poderia ter acontecido.

Ele tinha acordado bem cedo, como costumava fazer todas as manhãs. Mas, naquele dia de celebração do seu aniversário, como também já há muito tempo acontecia, não poderia vê-la pessoalmente. Não poderia estar com ela, nem que fosse apenas por alguns minutos. Não poderia segurar suas mãos e nem lhe dar um abraço longo e apertado. Isso estava simplesmente fora de questão.

Abandonando sentimentos de frustração e tristeza que imediatamente inundaram seu coração, mas que de nada serviriam naquela linda manhã de outono, deu um longo e profundo suspiro, e silenciosamente se perguntou: O que poderia ser feito? Como sentir-se um pouco mais próximo, mesmo que fisicamente muito distante? Como lhe enviar boas vibrações e energia amorosa, estando a criatura em outro hemisfério? E como entrar ele próprio em um estado mais positivo, apesar de uma grande e incômoda saudade da amiga aniversariante?

Procurou então agarrar-se a algumas pequenas lembranças, na verdade alguns objetos transformados em relíquias amorosas, que ele sabia tinham sido manuseados e tocados por ela, há muito tempo atrás. Eles ainda guardavam quem sabe algo de sua presença, de sua vibração original, de sua energia, do seu toque. Assim acreditava, e assim podia sentir, quando os invocava em sua memória cinestésica e os tocava de novo também.

Vasculhou suas gavetas e enfiou-se então dentro daquele short que tinha recebido de presente em um dia do seu próprio aniversário, e com o qual ela o havia surpreendido na saída do trabalho. Gostava dele de verdade, e o usava de vez em quando em suas caminhadas diárias pelas redondezas. Fazia isso também para matar a saudade, e sentia-se acompanhado por ela, quem sabe até dentro dela, em cada uma dessas ocasiões. Naquela manhã, entretanto, a título de uma distante e silenciosa celebração naquela data tão significativa, sentiu que só isso não seria o suficiente, já que era uma atitude rotineira. Precisava de algo mais.

Buscou então na sua estante um livro que ela tinha tomado emprestado por algumas semanas, e que tinha utilizado como referência para o seu trabalho de conclusão de curso. No seu interior encontravam-se preservadas diversas anotações feitas com uma versão de sua letra intencionalmente miúda e compactada, para caber e se acomodar nas laterais, no topo e nos rodapés de inúmeras daquelas páginas.

Lá estavam registrados seus comentários, suas observações, ora usando seu próprio código taquigráfico, ora apenas atribuindo uma nota “10” ou um “M” para longos parágrafos assinalados ou sublinhados a lápis de maneira suave: tudo aquilo que tinha despertado sua atenção e interesse, naquela ocasião.

E muitas emoções há muito tempo represadas voltaram com força, com a releitura de cada trecho, com a visão de cada rabisco, imediatamente associadas à memória do som de sua voz, durante os encontros que ocorreram ao longo do processo de pesquisa para aquele trabalho, e após a devolução do precioso livro para o seu zeloso proprietário.

Lembrou-se de que, nas semanas seguintes, seguiram-se diversas conversas, com a discussão das observações de parte a parte, com suas vozes interrompidas por longos silêncios, acompanhados de olhares ora divertidos ora curiosos, e por longas carícias e beijos apaixonados.

Ele nunca teve acesso ao texto final daquele trabalho. Não importa. Ficou feliz em poder contribuir de alguma maneira naquele projeto acadêmico, como ela já tinha feito em ocasião anterior em um projeto seu, elaborando slides para uma apresentação em PowerPoint, que complementaram e ilustraram a monografia entregue no seu curso de pós-graduação. Por algum tempo, tinham sido muito felizes na companhia um do outro. E não é isso que um sentimento de amor verdadeiro nos sugere fazer? Sempre e muito? Aproveitar a companhia do outro, e torcer e contribuir para o seu sucesso?

Sentiu-se melhor assim, tendo definido o seu ritual de celebração especial incluindo essas duas etapas.

Naquela mesma manhã, realizou uma longa caminhada usando seu short-relíquia. E procurou respirar longa e profundamente o ar fresco da manhã, cumprimentado gentilmente cada árvore e pessoa que encontrou pelo caminho que costumava percorrer para chegar até a praia. E sentiu a brisa levemente salgada fluindo entre suas pernas, no tronco suado, no próprio rosto e nos fios do cabelo. Pele arrepiada, permaneceu longamente com o olhar perdido na linha do horizonte, onde os diversos tons de verde e de azul do mar se encontravam com o azul luminoso e profundo do céu de abril. Cinquenta tons de verde, de azul e de saudade. Voltou para casa em paz.

Já com o livro reencontrado, a decisão foi diferente. Apenas alguns momentos de rápida leitura não seriam o bastante. Resolveu fazer uma celebração mais prolongada, à altura da ocasião. Decidiu reler o livro inteiro, ao longo dos próximos trinta dias, mesmo já estando envolvido com a leitura de outras obras em paralelo. E isso fazia todo o sentido também, em função de quem era o seu autor, seu principal mentor em assuntos de PNL, do tema da modelagem de estratégias de sucesso, e do momento profissional que estava vivenciando. Sincronicidade com o Universo, e o simples reconhecimento e aceitação da presença de coincidências significativas, que sempre aconteciam com ele, com ela, e com cada um de nós, sempre e quando nos mantemos atentos para reconhece-las em nossas vidas. E assim foi feito.

Decorridos os trinta dias de releitura e celebração, deu-se conta de que o livro foi o complemento perfeito para as investigações pessoais que estava realizando na ocasião. Alguns trechos mais significativos podem ter sido os seguintes:

“A solução de conflitos relacionados à identidade implica ‘segmentar’ num nível acima ao da própria identidade. Se cumprirmos esse requisito seremos capazes de ampliar nossos mapas de mundo para percebermos a nós mesmos como parte de sistemas mais amplos que estão à nossa volta, e alcançarmos um senso de missão e propósito global.”

“Uma identidade completa é um oceano inteiro, não simplesmente cada peixe diferente que nada nele. A identidade verdadeira de uma pessoa não é uma determinada imagem ou um sistema de medida, mas preferencialmente a luz que torna ambos possíveis.”

“Talvez não seja acidental que tantas pessoas ao longo da História tenham relacionado identidade e espírito com luz. Quando alguém alinha ou identifica a si mesmo com “matéria” ou “espírito”, corpo ou mente, Ego ou Id, o lado esquerdo do cérebro ou o lado direito do cérebro, lógica ou imaginação, estabilidade ou mudança, então essa pessoa está criando um desequilíbrio e um conflito em potencial. Quando alguém identifica a si mesmo com algo mais parecido com a luz, então a pessoa pode ver que o importante é o relacionamento entre esses elementos. Evolução e adaptação, por exemplo, são uma função de um processo de mudança no nível individual e de um processo de estabilização no nível do ambiente mais amplo. A evolução pessoal requer o mesmo equilíbrio de forças nos diferentes níveis lógicos.”

Recordando o sonho que tinha vivenciado há trinta dias atrás, e desejando que um breve encontro daquele tipo pudesse acontecer em algum momento do futuro, rabiscou no seu bloco de notas:

sem nenhum rancor,
conversa animada,
motivos certos.

Eduardo Leal
Pintura de Waldomiro Sant’ Anna – Leitura a dois
Leitura recomendada: “A Estratégia da Genialidade – Einstein” de Robert Dilts, Summus Editorial

Leitura a dois,

Garrafa 484 – A Prática da Gratidão   Leave a comment

Pesquisas recentes na área da Ciência Social ratificam a antiga sabedoria contida em Escrituras Hebraicas, no Novo Testamento e no Alcorão que expõe a gratidão como uma virtude central e concluem atestando que ela estimula o surgimento de uma grande quantidade de benefícios. Mais especificamente, a gratidão está positivamente relacionada a resultados críticos tais como satisfação com a vida, vitalidade, felicidade, autoestima, otimismo, esperança, empatia e a disposição para prover apoio emocional e tangível para outras pessoas.

Esse conjunto de estudos apresenta diversas evidências de que o fato de nos sentirmos gratos gera um efeito ondulatório que se espalha através de todas as áreas da vida, com o potencial de satisfazer alguns dos nossos mais profundos anseios – o desejo por felicidade, nossa procura por melhores relacionamentos, e nossa incessante busca por paz interior, completude e contentamento. Por tudo isso, a prática da gratidão, mais do que apenas uma ferramenta para autodesenvolvimento, pode e deve se tornar um saudável modo de vida à medida que elevamos o nosso nível de desenvolvimento de consciência.

Esses benefícios anunciados vêm, entretanto, a médio e longo prazo e do desenvolvimento de uma disposição de gratidão por meio de uma prática dedicada. Surgem pela tendência a sentir gratidão frequentemente, de modo correto e nas circunstâncias apropriadas. E surgem também da permanente estruturação de nossas vidas, nossas mentes e nossas palavras de modo a facilitar a vivência de experiências que induzam à gratidão e ao seu reconhecimento como tal.

Para vencermos nossas próprias barreiras e obstáculos internos ao desenvolvimento de um modo de vida baseado na gratidão, os autores desses estudos sugerem, entre outras atividades, a prática consistente e disciplinada do registro de um diário de gratidão.

A sugestão é a seguinte:

1. Estabeleça uma prática na qual você sempre se lembre dos presentes, graças, benefícios e coisas boas de que gosta e pelos quais se sente grato e passe a registrá-los de alguma maneira, pelo menos uma vez por dia.
2. Fisicamente esse diário tanto pode ser um caderno criado especificamente para essa finalidade, como pode assumir a forma criativa de um “Pote de Gratidão”, decorado com adesivos ou pinturas com motivos alegres e que vem acompanhado de um pequeno bloco de notas e uma caneta para realizar as anotações. Se essa simpática “Cápsula do tempo” for confeccionada por você mesmo, com uma intenção amorosa, melhor ainda;
3. Escreva todo dia no seu diário ou no bloco de notas relembrando momentos dignos de gratidão associados a eventos comuns, seus atributos pessoais, talentos ou pessoas valiosas em sua vida. O importante é estabelecer um hábito diário de prestar atenção a eventos que inspiram gratidão.
4. O ato de escrever transmuta os pensamentos em linguagem concreta, em palavras que ajudam a organizar o pensamento e facilitam sua integração, ajudando a pessoa a aceitar suas próprias experiências e a colocá-las em um contexto mais amplo. Permite que você veja o significado dos eventos ao seu redor e crie significado para sua própria vida.
5. As anotações no bloco de notas, uma anotação por folha, devem ser datadas, arrancadas do bloco, dobradas várias vezes e depositadas no seu Pote de Gratidão;
6. Abra sua “Cápsula do tempo” no fim do ano, ou a qualquer momento em que sinta esse desejo, e entre novamente em contato com tudo aquilo que tem tornado sua vida uma permanente celebração. Seu coração agradece.

Eduardo Leal
Foto de Eduardo Leal

O Pote da Gratidão

Garrafa 361 – Nenhuma esperança, em 2013!   1 comment

Em recente reunião de amigos que aconteceu no meu apartamento, fui convidado a dizer algumas palavras, na qualidade de anfitrião, e não por qualquer outra razão, a título de encerramento do encontro e despedidas do grupo que estava de partida para outros compromissos. O tema proposto foi a respeito de minhas esperanças para o ano de 2013.

Surpreendido com o convite, especialmente pelo tema, que tem dado voltas na minha cabeça nos últimos tempos, e que permanece um assunto em aberto, não deixei a resposta em branco. Mas sinto que posso ter frustrado e decepcionado algumas daquelas pessoas. Assumi, então, o compromisso de articular melhor meus pensamentos e formular uma resposta por escrito, o que faço agora, utilizando este canal de comunicação.

Naquela ocasião, minhas palavras devem ter soado vacilantes já que, de memória, só consegui reproduzir parcialmente o conteúdo da Garrafa 182, postada em janeiro de 2009. Minha tradução livre do poema de T. S. Eliot começa assim: Eu disse à minha alma, fica quieta, e espera sem esperança pois a esperança seria pela coisa errada… E penso que esse poema pode ser um bom resumo de minhas crenças a respeito da proposta de se esperar sem esperança, enquanto a sabedoria não chega…

E já tinha postado outros dois Haicai, na Garrafa 179, de dezembro de 2008, inspirado em minhas leituras sobre filosofia zen budista, e na Garrafa 241, de junho de 2011, sobre o mesmo tema. Este último, inspirado na leitura de “A felicidade, desesperadamente” de André Comte-Sponville, livro indicado por um bom amigo e companheiro de angustias existenciais.

Na Garrafa 342, também citei André Comte-Sponville, refletindo sobre a importância de agir com base na vontade, e não na esperança, a diferença fundamental entre os “militantes” e os “simpatizantes” da vida.

Isto posto, passo agora a explicitar a lógica filosófica de Comte-Sponville, apoiada em algumas ideias de filósofos clássicos, modernos e contemporâneos (Platão, Aristóteles, Epicuro, Montaigne, Descartes, Spinoza, Pascal, Santo Agostinho, Schopenhauer, Kant, Marcel Conche, Louis Altusser, Sartre) sobre a felicidade, a vida, a filosofia, a sabedoria e, também, sobre como experimentamos a passagem do tempo. Tudo isso me parece e soa como verdadeiro e, portanto, adoto como meu entendimento do assunto, no momento atual:

1 – “Todos os homens procuram ser felizes, isso não tem exceção. É esse o motivo de todas as ações de todos os homens…”

2 – A filosofia é uma prática discursiva (ela procede “por discursos e raciocínios”) que tem a vida por objeto, a razão por meio e a felicidade por fim. Trata-se de pensar melhor para viver melhor.

3 – Como etimologicamente a meta da filosofia é a sabedoria e, pela tradição grega se reconhece a sabedoria pela felicidade, a felicidade é, portanto, a meta da filosofia. Pelo menos um certo tipo de felicidade, a felicidade do sábio, que não se obtém por meio de drogas, mentiras, ilusões, diversão. É uma felicidade que se obteria por uma certa relação com a verdade: uma verdadeira felicidade ou uma felicidade verdadeira. A beatitude ou a alegria que nasce da verdade.

4 – Só é verdadeiramente filósofo quem ama a felicidade como todo mundo, mas ama mais ainda a verdade – só é filósofo quem prefere uma verdadeira tristeza a uma falsa alegria. Trata-se de pensar não o que me torna feliz, mas o que me parece verdadeiro – e fica a meu encargo tentar encontrar, diante dessa verdade, seja ela triste ou angustiante, o máximo de felicidade possível. A felicidade é a meta; a verdade é o caminho ou a norma.

5 – O essencial é não mentir, e antes de mais nada não se mentir. Não mentir sobre a vida, sobre nós mesmos, sobre a felicidade.

6 – E por que não somos felizes?

a) Não somos felizes, às vezes, porque tudo vai mal. Os que sofrem a miséria, o desemprego, a exclusão, os que são afetados por uma doença grave ou têm um ente próximo morrendo… A maior urgência, sem dúvida não é filosofar, antes é preciso sobreviver e lutar, ajudar, tratar e curar.

b) Mas, se não somos felizes, nem sempre é porque tudo vai mal. O que nos falta para ser feliz, quando temos tudo para ser e não somos? Falta-nos sabedoria, saber viver. Ser feliz é, pelo menos numa primeira aproximação, ter o que desejamos. Mas, e agora quando nos damos conta que, segundo diversos filósofos (Platão, Pascal, Schopenhauer, Sartre) o desejo é falta: “O que não temos, o que não somos, o que nos falta, eis os objetos do desejo e do amor.” Ora, se só desejamos o que não temos, nunca temos o que desejamos, logo nunca somos felizes. Assim que um desejo é satisfeito, já não há falta, logo já não há desejo. Temos, então, o que desejávamos e já não desejamos. Ora desejamos o que não temos, e sofremos e ficamos frustrados com essa falta, ora temos o que, portanto, já não desejamos e nos entediamos ou nos apressamos a desejar outra coisa, e voltamos a sofrer. A vida oscila, pois, como um pêndulo, do sofrimento ao tédio. E a esperança é a própria falta, no tempo e na ignorância. Só esperamos o que não temos, e por isso mesmo somos tanto menos felizes quanto mais esperamos ser felizes. Estamos constantemente separados da felicidade pela esperança que a busca.

7 – Em nossa incapacidade de viver o momento presente, vivemos um pouco para o passado e principalmente muito, muito, para o futuro. “Assim, nunca vivemos, esperamos viver; e, dispondo-nos sempre a ser felizes, é inevitável que nunca o sejamos.”

8 – Então, o que fazer? Como escapar desse ciclo da frustração e do tédio, da esperança e da decepção?

a) Primeira Estratégia: O esquecimento, a diversão. Pensemos rápido em outra coisa! Façamos como todo mundo: finjamos ser felizes, finjamos não nos entediar… É uma estratégia não filosófica, pois em filosofia trata-se justamente de não fingir;

b) Segunda Estratégia: Fuga para frente, de esperanças em esperanças. Consolar-se por ainda não ter conquistado o que se deseja, na esperança de que a conquista virá na semana seguinte…

c) Terceira Estratégia: Salto para frente, uma esperança absoluta, religiosa, que não é suscetível de ser decepcionada. É o salto religioso: esperar a felicidade para depois da morte. Passar da esperança como paixão, para a esperança como virtude teologal: porque ela tem Deus mesmo por objeto;

d) Quarta Estratégia: Uma tentativa de nos libertar da própria esperança. Entre a felicidade esperada e a decepção, entre o sofrimento e o tédio, lançar um olhar ao prazer e à alegria. Ora, quando há prazer? Quando há alegria? Há prazer, há alegria, quando desejamos o que temos, o que fazemos, o que é: há prazer, há alegria, quando desejamos o que não falta! Toda vez que Platão, Pascal, Schopenhauer e Sartre estão errados! E quando esse erro ocorre? Quando confundem o desejo com a esperança. Toda esperança é um desejo, mas nem todo desejo é uma esperança. Como é bom tomar uma bebida bem gelada quando se tem sede! Como é bom fazer amor quando se tem vontade, com a pessoa que se deseja, tanto mais quando ela não nos falta, quando está aqui, quando se entrega, maravilhosamente oferecida, maravilhosamente disponível! O prazer do passeio é estar onde desejamos estar, darmos os passos que estamos dando, desejar dá-los, e não desejar estar alhures ou efetuar outros passos, os que daremos mais tarde ou dali adiante… O prazer da viagem, é partir por partir. Triste viajante o que só espera a felicidade na chegada! E isso vale para qualquer ação. Ai do corredor que só deseja as passadas por vir, não as que ele dá, do militante que só deseja a vitória, não o combate, do amante que só deseja o orgasmo, não o amor! Todo ato necessita de uma causa próxima, eficiente e não final, e o desejo, como notava Aristóteles, é a única força motriz. É por isso que podemos ser felizes, é por isso que às vezes o somos: porque fazemos o que desejamos, porque desejamos o que fazemos! É o que Comte-Sponville chama de felicidade em ato, que outra coisa não é senão o próprio ato como felicidade: desejar o que temos, o que fazemos, o que é – o que não falta. Em outras palavras, gozar e regozijar-se. Mas essa felicidade em ato é ao mesmo tempo uma felicidade desesperada, pelo menos em certo sentido: é uma felicidade que não espera nada.

9 – De fato, o que é a esperança? É um desejo: não podemos esperar o que não desejamos. Toda esperança é um desejo; mas nem todo desejo é uma esperança. O desejo é o gênero próximo, como diria Aristóteles, da qual a esperança é uma espécie. Vou lhes propor três características da esperança:

a) Uma esperança é um desejo referente ao que não temos, ou ao que não é, em outras palavras, um desejo a que falta seu objeto. É o desejo segundo Platão. E é de fato o motivo pelo qual, na maioria das vezes, a esperança se refere ao futuro: porque o futuro nunca está aqui, porque do futuro, por definição, não temos o gozo efetivo. É por isso que esperamos: esperar é desejar sem gozar.

b) Podemos também esperar algo que não está por vir: a solução pode se referir ao presente, ou até, paradoxalmente, ao passado. “Espero que você esteja melhor” é uma esperança referente ao presente. “Espero que a operação tenha corrido bem” é uma esperança referente ao passado. Uma esperança é um desejo que ignora se foi ou será satisfeito: esperar é desejar sem saber. Só se espera o que se ignora: quando se sabe, já não há por que esperar. A esperança e o conhecimento nunca se encontram, em todo caso nunca têm o mesmo objeto: nunca esperamos o que sabemos, nunca conhecemos o que esperamos.

c) Ninguém espera aquilo de que se sabe capaz. É isso que distingue a esperança da vontade: uma esperança é um desejo cuja satisfação não depende de nós, como diziam os estóicos – diferentemente da vontade, a qual, ao contrário, é um desejo cuja satisfação depende de nós. Só esperamos o que somos incapazes de fazer, o que não depende de nós. Quando podemos fazer, não cabe mais esperar, trata-se de querer. A esperança é um desejo cuja satisfação não depende de nós: esperar é desejar sem poder.

10 – Integrando as três características apresentadas acima, Comte-Sponville nos apresenta sua definição de esperança: “É um desejo que se refere ao que não temos (uma falta), que ignoramos se foi ou será satisfeito, enfim, cuja satisfação não depende de nós: esperar é desejar sem gozar, sem saber, sem poder.” O prazer, o conhecimento e a ação não têm a ver com a esperança, e até, relativamente à realidade deles, a excluem.

a) Por que o prazer? O contrário de desejar sem gozar, na medida em que haja desejo (mas se estamos vivos, há desejo), é desejar gozando, desejar aquilo de que gozamos – na sexualidade, na arte, no passeio, na amizade, na gastronomia, no esporte, no trabalho, etc. É, portanto, o próprio prazer.

b) Por que o conhecimento? O contrário de desejar sem saber é desejar o que se sabe. É, portanto, o próprio conhecimento, pelo menos para quem o deseja, para aquele que ama a verdade, e tanto mais quanto ela não falta. O sábio, nesse sentido, é um “conhecedor”, como dizemos em matéria de vinhos ou de culinária. O “conhecedor” não é apenas aquele que conhece, mas também aquele que aprecia. O sábio é um conhecedor da vida: ele sabe conhecê-la e apreciá-la!

c) Por que a ação? O contrário de desejar sem poder é desejar o que podemos, logo o que fazemos. A única maneira de poder efetivamente é querer; e a única maneira verdadeira de querer é fazer. É a imensa lição estóica, sempre queremos o que fazemos, sempre fazemos o que queremos – nem sempre o que desejamos ou o que esperamos, longe disso, mas sempre o que queremos. É a diferença entre a esperança (desejar o que não depende de nós) e a vontade (desejar o que depende de nós). Não é a esperança que faz os heróis: é a coragem e a vontade.

11 – Platão, Pascal, Schopenhauer, portanto, nem sempre têm razão, com relação a suas ideias a respeito do desejo. Se é verdade que desejamos principalmente o que não temos e, portanto, se é verdade que nossos desejos na maioria das vezes são esperanças, também podemos desejar o que gozamos (isso se chama prazer, e todos sabem que há uma alegria do prazer); podemos desejar o que sabemos (isso se chama conhecer, e todos sabem que há uma alegria do conhecimento, pelo menos para quem ama a verdade); podemos desejar o que fazemos (isso se chama agir, e todos sabem que há uma alegria da ação).

12 – Se é verdade que somos tanto menos felizes quanto mais esperamos sê-lo, também é verdade que esperamos tanto menos sê-lo quanto mais já o somos. O contrário de esperar não é temer, como se acredita comumente. Como diz Espinoza, “Não há esperança sem temor, nem temor sem esperança.” A esperança e o temor não são dois contrários, mas antes as duas faces da mesma moeda: nunca temos uma sem a outra. O contrário de esperar não é temer; o contrário de esperar é saber, poder e gozar. É também o que chamamos de felicidade, que só existe no presente (não mais a felicidade perdida, mas a felicidade em ato). É também o que chamamos amor, que só se refere ao real.

Depois de apresentar as armadilhas e fazer uma crítica da esperança, Comte-Sponville nos coloca em uma uma encruzilhada. O desejo é a própria essência do homem; mas há três maneiras principais de desejar, três ocorrências principais do desejo: o amor, a vontade e a esperança.

Que diferença há entre a esperança e a vontade? Em ambos os casos há desejo. Mas, como apresentado, a esperança é um desejo que se refere ao que não depende de nós; a vontade, um desejo que se refere ao que depende de nós.

Que diferença há entre a esperança e o amor? Em ambos os casos há desejo. Mas a esperança é um desejo que se refere ao irreal; o amor, um desejo que se refere ao real. Só esperamos o que não é; só gostamos do que é.

O momento presente, portanto, nos desafia a fazer escolhas a cada instante. Todos as fazemos, diante dos desafios que a vida nos apresenta, de acordo com nosso nível de consciência.

A seleção do título deste post foi uma dessas escolhas e aqui cabe um esclarecimento: é mais uma frase de efeito do que a minha realidade, pois sinto que ainda não estarei livre de esperanças em 2013! Querem um exemplo? Como sempre faço, desde a Garrafa Zero, em outubro de 2005, “espero que essas palavras possam ser úteis para alguém, em algum lugar, em algum momento…”

Ao rever minhas anotações da primeira leitura de “A felicidade, desesperadamente”, de agosto de 2011, encontrei um haicai ainda não postado sobre a proposta de se esperar sem esperança, parido no dia 11 de agosto, que agora compartilho, com uma pequena alteração. Na inspiração original a última palavra era “amar”, agora escolho “agir”. Entendo, entretanto, que, aqui e agora, só cabem ações amorosas…

desesperançar!
o luto do que não é;
só resta… agir!

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido

Esperanca 2

Garrafa 290 – Busca do prazer   Leave a comment

Depois de refletir sobre a “Fuga da dor”, na Garrafa 289, e ainda movido pelos questionamentos a respeito das nossas fontes de motivação e do Metaprograma “Afastamento X Aproximação”, terminei, nos últimos dias, a leitura do livro de Desmond Morris “A essência da felicidade” – Editora Rocco, uma das referências que podemos utilizar sobre o outro lado da moeda freudiana, a “Busca do prazer”. Ainda sobre esse tema, já se encontra sobre a minha mesa, aguardando o seu momento, “O nascimento do prazer” de Carol Gilligan, também da Editora Rocco.

Em sua definição de felicidade, Desmond procura diferenciá-la de contentamento, satisfação ou paz de espírito, que são estados internos que surgem quando a vida está boa, ao passo que a felicidade é a sensação que experimentamos quando a vida de repente melhora. Em suas próprias palavras: “No momento exato em que algo maravilhoso acontece conosco, há uma onda de emoção, uma sensação de prazer intenso, uma explosão de absoluto deleite – e este é o momento em que estamos verdadeiramente felizes. Infelizmente ele não dura muito. Felicidade intensa é uma sensação transitória, efêmera.”

Em seu livro, após um breve retrospecto do desenvolvimento de nossa espécie ao longo de milhões de anos, de catadores de frutas nas árvores, caçadores nas planícies, e fazendeiros, até os realizadores de atividades especializadas na divisão do trabalho da nova estrutura urbana, ele procura identificar as diferentes fontes possíveis de felicidade e propõe algumas categorias. Algumas delas são, por exemplo, “Felicidade alvo” que deriva do nosso passado ancestral de caçadores; “Felicidade competitiva”, a alegria de vencer de nossa herança social; “Felicidade cooperativa” da necessidade de apoio mútuo para a sobrevivência; “Felicidade sensual” da satisfação de nossas necessidades biológicas; “Felicidade cerebral” da satisfação de nossas necessidades intelectuais.

A felicidade, portanto, surge de diversas formas e pode ser encontrada em diferentes contextos e associada a diferentes papéis. E cada uma dessas formas, para cada pessoa, tem suas vantagens e desvantagens e pode ser mais ou menos atraente. Algumas podem ser até, para a maioria de nós, repulsivas, perigosas ou anti-sociais. Apresentamos abaixo uma classificação que associa fontes de felicidade com alguns tipos de papéis:

Alvo – Conquistador
Competitiva – Vencedor, Sádico, Torturador
Cooperativa – Auxiliador, Ecologista
Genética – Parente
Sensual – Hedonista
Cerebral – Intelectual, Cientista, Artista, Jogador de Xadrez
Rítmica – Bailarino, Cantor, Ginasta, Atleta
Dolorosa – Masoquista, Puritano, Pudico, Suicida
Perigosa – Destemido, Jogador de azar, Esportista radical
Seletiva – Histérico
Tranquila – Meditador
Devota – Crente, Religioso
Negativa – Sofredor
Química – Usuário de drogas
Imaginária – Sonhador, Radialista, Profissional de Cinema e TV e seus Publicos alvo
Cômica – Risonho, Comediante, Humorista
Acidental – Afortunado

Como Coach, esse passeio pelas diferentes fontes da efêmera felicidade, me fez reforçar a percepção da importância de provocar reflexão nos diferentes “Exploradores de novas possibilidades de futuro” a respeito das diversas formas capazes de nos fazer desfrutar momentos de grande felicidade. Essas oportunidades surgem quando acontece uma dramática melhora em algum dos aspectos de nossas vidas, preferencialmente por meio de ações que estão ao nosso alcance, desde que alinhadas com o conjunto de crenças e valores correspondente ao nosso nível de consciência.

Como sempre gosto de fazer, porque me proporciona algum prazer intelectual com essas brincadeiras com as palavras usando a métrica do Haicai, escolho a imagem do lampejo provocado por uma explosão de luz repentina, como uma metáfora dessa nossa breve e fugidia felicidade…

felicidade!
explosão luminosa!
na escuridão…

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido – Colisão Galaxias Antennae
Instruções de utilização: Ouvir “A felicidade” de Tom Jobim e Vinicius de Moraes

Garrafa 200 – Receita de Felicidade (para o Dia do Amigo)   2 comments

mente vazia
coração amoroso
mãos ocupadas

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido

Garrafa 176 – A Massacrante Felicidade dos Outros   Leave a comment

Ao amadurecer, descobrimos que a grama do vizinho não é mais verde coisíssima nenhuma.

Estamos todos no mesmo barco.

Há no ar certo queixume sem razões muito claras.

Converso com mulheres que estão entre os 40 e 50 anos, todas com profissão, marido, filhos, saúde, e ainda assim elas trazem dentro delas um não-sei-o-quê perturbador, algo que as incomoda, mesmo estando tudo bem.

De onde vem isso?

Anos atrás, a cantora Marina Lima compôs com o seu irmão, o poeta Antonio Cícero, uma música que dizia:

‘Eu espero/ acontecimentos/ só que quando anoitece/ é festa no outro apartamento’.

Passei minha adolescência com esta sensação: a de que algo muito animado estava acontecendo em algum lugar para o qual eu não tinha convite. É uma das características da juventude: considerar-se deslocado e impedido de ser feliz como os outros são, ou aparentam ser. Só que chega uma hora em que é preciso deixar de ficar tão ligada na grama do vizinho.

As festas em outros apartamentos são fruto da nossa imaginação, que é infectada por falsos holofotes, falsos sorrisos e falsas notícias.

Os notáveis alardeiam muito suas vitórias, mas falam pouco das suas angústias, revelam pouco suas aflições, não dão bandeira das suas fraquezas, então fica parecendo que todos estão comemorando grandes paixões e fortunas, quando na verdade a festa lá fora não está tão animada assim.

Ao amadurecer, descobrimos que estamos todos no mesmo barco, com motivos pra dançar pela sala e também motivos pra se refugiar no escuro, alternadamente. Só que os motivos pra se refugiar no escuro raramente são divulgados pra consumo externo.

Todos são belos, sexys, lúcidos, íntegros, ricos, sedutores, social e filosoficamente corretos. Parece que ninguém, nenhum deles, nunca levou porrada.

Parece que todos têm sido campeões em tudo.

Fernando Pessoa também já se sentiu abafado pela perfeição alheia, e olha que na época em que ele escreveu estes versos não havia esta overdose de revistas que há hoje, vendendo um mundo de faz-de-conta. Nesta era de exaltação de celebridades – reais e inventadas – fica difícil mesmo achar que a vida da gente tem graça.

Mas tem.

Paz interior, amigos leais, nossas músicas, livros, fantasias, desilusões e recomeços, tudo isso vale ser incluído na nossa biografia.

Ou será que é tão divertido passar dois dias na Ilha de Caras fotografando junto a todos os produtos dos patrocinadores?

 
Compensa passar a vida comendo alface para ter o corpo que a profissão de modelo exige? Será tão gratificante ter um paparazzo na sua cola cada vez que você sai de casa? Será bom só sair de casa com alguém todo tempo na sua cola a título de segurança?

Estarão mesmo todas essas pessoas realizando um milhão de coisas interessantes enquanto só você está em casa, lendo, desenhando, ouvindo música, vendo seu time jogar, escrevendo, tomando seu uisquinho?

Tenha certeza que as melhores festas acontecem sempre dentro do nosso próprio apartamento.

Martha Medeiros

Foto de autor desconhecido
 
 

Publicado 18/12/2008 por Eduardo Leal em Crônicas

Etiquetado com

%d blogueiros gostam disto: