Arquivo para a Tag ‘espelho

Garrafa 428 – O Poder do Silêncio 1   1 comment

Em um curso de Cabala de que estou participando, nos foi proposto um pequeno exercício, em duplas ou a três, para identificação de algumas áreas de desafio que apresentam situações desconfortáveis que desejamos trabalhar no momento atual. No meu caso, meus dois parceiros de investigação mencionaram que se sentem desconfortáveis em ficar em silêncio. Inicialmente não tinha incluído essa opção na minha lista mas, como o Universo nos sinaliza como um espelho aquilo que nós também precisamos enfrentar, assumi essa tarefa pra mim também.

Combinamos trocar experiências durante a semana, para avaliar nosso progresso e dificuldades encontradas e compartilhei com os amigos uma dica de leitura que conheci em 2010. Trata-se de “O Poder do Silêncio” de Eckhart Tolle, publicado pela Sextante.

Por conta desse exercício, assumi comigo mesmo a tarefa de publicar diariamente aqui no Blog, um pequeno extrato de cada uma das citações ou aforismos (como pequenos sutras, como o próprio autor os define) apresentados por Tolle no Capítulo 1. São os trechos que mais me chamaram a atenção, acompanhados de um breve haicai inspirado após uma silenciosa introspecção.

“A calma é nossa natureza essencial. O que é calma? É o espaço interior ou a consciência onde as palavras… são assimiladas e se transformam em pensamentos. Sem essa consciência, não haveria percepção, não haveria pensamentos nem mundo.
Você é essa consciência em forma de pessoa.”

Pausa para um breve haicai:

um lago profundo,
consciência do mundo,
num calmo segundo…

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido
Inspirado pela leitura de “O Poder do Silêncio” de Eckhart Tolle

Lago profundo

Garrafa 407 – Nosso lado sombrio   4 comments

Tenho andado às voltas com o conceito de tikun, mencionado em um curso sobre Cabala de que estou participando e em um livro que terminei de reler – “O Poder da Kabbalah” de Yehuda Berg.

Segundo os cabalistas, a lei do tikun, que significa literalmente correção, nos diz que cada um de nós vem a esse mundo para consertar e corrigir alguma coisa. Essa questão pode estar relacionada a qualquer aspecto do nosso comportamento que seja automaticamente reativo ou egoísta ou a padrões repetitivos que nos limitam ou bloqueiam (dinheiro, pessoas, saúde, amizades, relacionamentos, etc.). E uma das pistas para identificá-la é verificar tudo que nos seja particularmente difícil e desconfortável (pessoas que nos incomodam, situações em que nos sentimos constrangidos, ofendidos, irritados ou aborrecidos, etc.). Nessa tarefa somos ajudados pelo Universo que funciona como um grande espelho refletindo nosso tikun de volta pra nós e permitindo a elevação do nosso nível de consciência, quando fazemos a correção.

Meu processo de busca por mais informações me levou a reler “O Efeito Sombra – Encontre o Poder Escondido na sua Verdade” de Deepak Chopra, Debbie Ford e Marianne Williamson, onde tropecei nesse trecho instigante que tinha passado despercebido na primeira leitura:

“Se você não pode enxergar a própria sombra, precisa procurá-la. A sombra se esconde na vergonha, nos becos escuros, nas passagens secretas e nos sótãos fantasmagóricos de sua consciência. Ter um lado sombrio não é possuir uma falha, mas ser completo.”

Pausa para um breve haicai.

meu lado sombrio,
passagens secretas… que
eu mesmo crio!

Eduardo Leal
Foto de Maria Diniz – Efeitos de Luz e Sombra

Efeitos de Luz e Sombra

Garrafa 357 – Espelho meu   Leave a comment

Nas cartas de linhagem dos mestres Zen chineses, o Quinto Patriarca Hung-Jen foi sucedido por Hui-Neng, que veio a se tornar o Sexto Patriarca, no século VII DC. Foi uma transmissão surpreendente, uma vez que todos os seus discípulos esperavam que seu sucessor fosse Jinshu, o monge mais erudito do mosteiro.

Hung-Jen havia solicitado que seus discípulos expressassem seu estado de espírito por meio de gathas (poemas) que deveriam ser apresentados para sua apreciação. Pretendia transferir o manto e a escudela, que estavam sendo transmitidos desde o Primeiro Patriarca, para aquele que tivesse alcançado a Verdadeira Iluminação.

O único discípulo que se atreveu a transcrever um poema na parede do mosteiro foi de fato Jinshu, que assim se expressou:

O Corpo é a Árvore da Sabedoria Búdica,
A Mente é semelhante a um espelho brilhante;
Trata de limpá-la constantemente,
Não deixes que sobre ela se acumule o pó.

Jinshu afirmava que a prática consistia em polir o espelho da mente, em outras palavras, removendo o pó de nossos pensamentos e ações ilusórios, o espelho poderia brilhar e estaríamos purificados.

Ao tomar conhecimento da existência do poema de Jinshu, um simples serviçal analfabeto que trabalhava no mosteiro, pediu que um monge transcrevesse na mesma parede seus pensamentos:

A Sabedoria Búdica nunca foi uma árvore,
A Mente nunca foi um espelho brilhante;
Na verdade, não existe coisa alguma!
Onde irá então acumular-se o pó?

Esse serviçal, de nome Lu, teve o seu poema apreciado e escolhido como um sinal da Verdadeira Iluminação, vindo então a se tornar o Sexto Patriarca, com o nome de Hui-Neng. Afirmava que, desde o princípio só existe o vazio, a não-mente, não há espelho onde se mirar, não há espelho a ser polido e não há onde o pó se apegar.

O paradoxo que nos aponta Charlotte Joko Beck em seu livro “Sempre Zen” é que, desde sempre, embora o verso do Sexto Patriarca seja o entendimento verdadeiro, temos que praticar com o verso que não foi aceito! Uma vez que ainda não enxergamos com clareza, ainda não somos capazes de ver com nitidez, precisamos, por meio do Zazen (meditação sentado), polir o espelho da mente; de fato tomar consciência de nossos pensamentos e atos, de nossas falsas reações à vida, até que possamos sentir a verdade em nossas vísceras. Assim, poderemos, em algum momento, enxergar que, já desde o princípio, nada era necessário.

Refletindo a respeito, me arrisco a recitar um breve haicai, antes de cada uma de minhas práticas diárias de Zazen:

retirar o pó,
do espelho que não há…
ah! polir sem dó!

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido
Inspirado na leitura de “Sempre Zen” de Charlotte Joko Beck

Espelho meu

Garrafa 44 – Um estranho   Leave a comment

espelho no corredor
um estranho passa
com as minhas roupas

João Angelo Salvadori
Pintura de René Magritte

Espelho invertido

%d blogueiros gostam disto: