Arquivo para a Tag ‘escolhas

Garrafa 509 – Voto em Branco ou Nulo   4 comments

No próximo domingo, 30 de outubro de 2016, será realizado o segundo turno das eleições municipais para a cidade do Rio de Janeiro. E somos todos obrigados a votar, pela atual legislação eleitoral.

Como previram as pesquisas feitas às vésperas das eleições em primeiro turno, o pior cenário, e que pode também ser chamado de catastrófico por pessoas que pensam como eu, infelizmente se confirmou: Teremos uma disputa entre os candidatos Crivella e Freixo.

Meu voto no primeiro turno na candidata Carmen, do Partido Novo, foi consciente, embora suas chances de vitória fossem remotas. Isso também já era previsto pelas pesquisas, e foi confirmado pelas urnas. Ela era a melhor candidata, na minha opinião. E assim tenho feito, voto consciente, desde que usei meu Título de Eleitor pela primeira vez.

O candidato Crivella não passa de um oportunista, capaz de fazer qualquer coisa para conquistar seus objetivos, sejam eles quais forem. Seu papelão ao divulgar foto com o Arcebispo do Rio, em seu material de propaganda eleitoral foi só uma pequena amostra do que se permite fazer. Seu alinhamento, ao longo dos últimos anos, com a quadrilha de malfeitores do PT e o apoio explícito que recebeu de Lula e Dilma na reta final da campanha municipal já conformam, por si só, um claro Atestado de Maus Antecedentes, carimbado e assinado. Não merece mais comentários do que esses para ser descartado como uma opção  de escolha válida.

Já o candidato Freixo representa tudo o que abomino em termos de ideologia. Socialismo e Liberdade? Piada de mau gosto e conversa fiada! Onde quer que tenha sido instalado de verdade, o socialismo só produziu sociedades tristes, oprimidas e infantilizadas. A primeira coisa que foi banida foi a liberdade de expressão, nesses experimentos sinistros testados à exaustão desde o início do Século XX, com resultados pífios no coletivo e catastróficos para a liberdade individual. Só não vê quem não quer! Mais justiça? Mais igualdade? Canto da sereia para pessoas estúpidas, ingênuas e, claro, escolha consciente de pessoas de má-fé. São hipócritas profissionais, os que ainda o defendem, na minha opinião. O apoio que tem recebido, nesse segundo turno, de partidos tais como o PT, PC do B, PCB, PSTU e PCO, que são associados ao Foro de São Paulo, também conforma um claro Atestado de Maus Antecedentes, carimbado e assinado. Respeito a opinião de quem pensa diferente, mas acredito firmemente que esse lixo ideológico já deveria ter sido varrido para o esgoto da história, desde a queda do muro de Berlim. Isso, é claro, por parte das pessoas que realmente valorizam a liberdade e são congruentes (pensam, falam e agem de acordo) com esse valor básico e inegociável. Os hipócritas, ao contrário, usam a liberdade que ainda têm e flertam descaradamente com regimes autoritários e ditaduras (Cuba, Venezuela, Coréia do Norte), posam de “defensores da liberdade” enquanto as usam como modelos para a nossa sociedade ingênua e distraída. No caso do Rio de Janeiro, além disso, metida a “descolada”, “rebelde” e “revolucionária”.

Portanto, voto em branco mais uma vez.

De acordo com o Glossário Eleitoral do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o voto em branco é aquele em que o eleitor não manifesta preferência por nenhum dos candidatos apresentados. Antes do surgimento da urna eletrônica, para votar em branco bastava deixar a cédula de votação em branco mesmo. Atualmente, para fazê-lo é preciso pressionar a tecla “branco” e, em seguida, a tecla “confirma”.

A minha alternativa ao voto em branco é o voto nulo.

O voto nulo é aquele em que o eleitor anula seu voto diretamente, digitando um número de um candidato inexistente – como por exemplo “00” – e depois a tecla “confirma”.

Antigamente, o voto branco era considerado válido e contabilizado para o candidato vencedor. Esse voto era tido como um “voto de conformismo”, quando o cidadão se mostrava satisfeito com o candidato vencedor. Já o voto nulo era utilizado como forma de protesto contra todos os candidatos.

E tomo essa decisão também sabendo muito bem que as eleições não serão canceladas se mais de 50% dos votos forem nulos. Serão computados apenas os votos válidos. Votos nulos são descartados e servem apenas como estatística.

E, ao contrário do que a campanha do candidato Freixo, o frouxo hipócrita alardeia, os votos brancos não vão para o candidato que está ganhando. Votos brancos são desconsiderados da contagem final. São votos inválidos e servem apenas como estatística. Essa é outra ação de má-fé, mentindo descaradamente para atrair votos para si próprio, pelas altas taxas de rejeição do seu adversário. Esse expediente só mostra que, caso saia vencedor, a cidade terá na cadeira do prefeito outro oportunista.

Nenhum desses dois oportunistas, para dizer o mínimo, terá o meu voto.

Eduardo Leal

Foto de autor desconhecido

P.S. – Nunca contaram também com o meu voto para presidente, tanto Fernando Henrique, quanto Lula e Dilma. Com tristeza, anulei o meu voto por décadas.

voto-em-branco

Garrafa 497 – Elos encadeados   Leave a comment

A credito firmemente que no Universo tudo está interconectado, que vivemos em um mundo interdependente e que nossa simples presença, aqui e agora, reverbera de alguma maneira até os confins da galáxia e da eternidade. E, mais ainda, que cada uma de nossas escolhas, por ação ou omissão, desencadeia nesse mesmo Universo uma série de consequências. Alguns desses resultados podem nos ser favoráveis, de uma perspectiva egóica, e outros, nem tanto. Mas são todos inescapáveis.

Outra maneira de expressar a mesma coisa, como teria feito Pablo Neruda, é  dizer que somos livres para fazer nossas próprias escolhas mas, assim fazendo, nos tornamos prisioneiros de cada uma de suas consequências.

Esse encadeamento de ações e reações, e de fatos e suas respectivas consequências me leva às vezes a pensar na vida como uma grande corrente com elos já previamente “encadeados”, mas cuja conexão efetiva apenas se dá a cada instante, a cada momento. E é interessante notar que a palavra cadeia, de onde a palavra encadeados procede, tanto pode ter como significado uma determinada sequencia de etapas ou estruturas, como também pode significar uma prisão.  Na corrente da vida, quando examinamos cada um dos seu elos, o do nosso momento atual, por exemplo, constatamos que ele está inexoravelmente atrelado aos elos que o precederam, com todas as escolhas que lá ficaram registradas no “Moleskine” do Universo. E, da mesma maneira, estará conectado aos elos que lhe sucederão. E é essa a mesma corrente que nos mantem aprisionados ao nosso passado, pelas consequências de nossas escolhas anteriores no momento atual. Nosso futuro, entretanto,  em alguma medida permanece em nossas próprias mãos, uma vez que os elos seguintes serão automaticamente selecionados apenas após as escolhas que fizermos no aqui e agora. As consequências serão automáticas, ou seja, já há diversos elos prontinhos para entrarem no gramado, fecharem permanentemente sua conexão, dependendo de cada uma das escolhas que fizermos no momento atual. Mas essas mesmas escolhas não precisam ser automáticas, e não o são, estão em aberto! Aqui! Agora! Aqui! Agora! Aqui! Agora! Agora!

Creio que é esse o principal trabalho de nossa consciência, o de iluminar nossas opções, nossas escolhas no momento atual. E de examinar, também, com um olhar apreciativo, as consequências de nossas escolhas do passado. Sistemas adaptativos complexos que somos, podemos e devemos aprender com nossas escolhas anteriores. E a famosa pergunta de aprendizado deve estar sempre presente em nossa consciência, no momento presente:

O que escolho fazer diferente, na próxima vez?

Pausa para um breve haicai:

corrente da vida
um elo de cada vez
encadeado

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido

Correntes 2

Garrafa 439 – Instante instigante   Leave a comment

Em nosso referencial pessoal de espaço-tempo, temos a sensação de que o passado já se foi, de que o futuro ainda não chegou e de tudo o que temos é o aqui e agora.

Interpretações da física quântica, entretanto, nos apontam para a possibilidade de que passado, presente e futuro possam coexistir no mesmo instante, seja lá o que isso venha a ser…

De qualquer maneira, gosto de pensar que aprendendo com nosso passado, a cada instante, com cada uma de nossas escolhas, criamos novas possibilidades de futuro.

E a pergunta poderosa de aprendizado ecoa com frequência na minha mente tagarela, desde que a ouvi pela primeira vez, no ano de 2006:

O que você escolhe fazer diferente, da próxima vez?

Pausa para um breve haicai:

sempre instigante,
novas possibilidades,
a cada instante…

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido

Garrafa 365 – Tempo para a cortesia   Leave a comment

Em minhas recentes leituras sobre o tema da gratidão, tomei conhecimento de uma prece utilizada pelo mestre budista Thich Nhat Hahn para iniciar o seu dia, e passei a recitá-la silenciosamente a cada manhã:

Despertando nesta manhã, vejo o céu azul.
Junto minhas mãos em agradecimento
pelas muitas maravilhas da vida;
e por ter vinte e quatro horas, novinhas em folha, diante de mim.

Vendo no calendário o dia de hoje, 01/03, iniciando o mês de março, me dei conta de que podemos fazer o mesmo – iniciar com uma atitude de agradecimento e boa disposição para ação amorosa – com relação a qualquer outro ciclo: semanal, mensal, trimestral, anual…

Dado que não sabemos quando vamos encerrar nossa permanência nesse nosso pequeno planeta azul, temos à nossa frente, se em gozo de boa saúde, pelo menos em tese, e sendo bem otimistas, um número extenso e indeterminado de dias à nossa disposição.

A escolha do que fazer com eles está em nossas mãos. E escolho que é tempo para agradecimento e ação amorosa… É tempo para a cortesia!

Preparando-me para atender a um compromisso agradável, um convite para almoço com amigos, ainda no chuveiro, pensando em como retribuir a cortesia recebida, a inspiração para um breve haicai:

início do mês…
trinta dias novinhos,
para ser cortês!

Eduardo Leal
Foto de Leandro Cerqueira – Almoço com amigos no Rosita Café

Almoço com amigos, no Rosita Café

Almoço com amigos, no Rosita Café

Garrafa 262 – Grave decisão   1 comment

Algumas ostras “abraçam” o sofrimento e desconforto causados pela presença incômoda de um grão de areia no interior de sua concha, envolvendo-o em sucessivas camadas de acolhimento.

O resultado é uma pérola de amorosa beleza!

E isso é uma escolha!

grave decisão
minha ostra-coração
pérola ou não?

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido

Garrafa 231 – Procrastinar a procrastinação   Leave a comment

deixar pra depois…
escolho procrastinar…
essa vontade!

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido

Garrafa 143 – Aprendizado   Leave a comment

você vai errar…
apesar disso, faça!
com o coração.

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido
Instruções de utilização: Ouvir “Del Corazon” com Spyro Gyra e assistir ao vídeo “Follow Your Heart”

aprendizado-2

%d blogueiros gostam disto: