Arquivo para a Tag ‘coragem

Garrafa 477 – Sem medo da fera   Leave a comment

Desde as primeiras viagens espaciais orbitais e lunares, é impactante a experiência de se contemplar a visão nosso planeta azul com sua fina atmosfera, percorrendo silenciosamente sua órbita ao redor do sol, acompanhado por seu belo e deserto satélite, ambos suspensos no espaço infinito e escuro. E, ao mesmo tempo, é assustador observar as pequenas marcas e o já perceptível impacto da presença humana na superfície desses dois astros que, mansamente, flutuam nesse ambiente cósmico. Tudo isso pode ser um oportuno convite para o aprofundamento das nossas reflexões e experiências a partir dessas percepções.

Algumas pessoas já se sentem encorajadas a pensar no ambiente mais amplo, o ambiente “Kósmico”, que inclui a não só a matéria, a vida, as emoções e a mente, mas também nossa Alma, em sua caminhada em direção ao nível do Espírito.

Começamos a perceber coletivamente que não vivemos apenas em nossos pequenos apartamentos ou casas, em ilusórias fronteiras internas e externas delimitadas por muros e cercas, em nossas cidades, estados, países ou continentes. Vivemos, isso sim, todos juntos, na grande espaçonave terrestre, abraçada por sua fina e frágil atmosfera, nossa biosfera, nesse encontro delicado e vital que começamos a ameaçar com nossa presença, desde que há cerca de seis milhões de anos, iniciamos nossa trajetória humana, como descrita nas palavras de Plotino, “equilibrados a meio caminho entre os deuses e as feras”.

E a continuação do desenvolvimento de nosso atual nível consciência focado na razão, em direção a transcendê-la e aos seus níveis precedentes (emocional, vital e material), para alcançar a visão a partir do nível do Espírito é nossa única esperança de um futuro sustentável como espécie, cujos integrantes começam a se dar conta de onde vieram, quem são e para onde estão se dirigindo.

Nessa manhã de outono, respiro o ar fresco e cheio de umidade na praia da Barra da Tijuca, e penso comigo mesmo:

atmosfera
abraça o planeta
sem medo da fera…

Eduardo Leal
Foto NASA
Instruções de utilização: Assistir ao documentário “Visão Global – Uma Nova Perspectiva do Nosso Planeta”

Terra

Anúncios

Garrafa 427 – Um certo ar matinal   1 comment

Pensativo, nesse final de uma tarde chuvosa de primavera, vasculhei a estante em busca de inspiração para encerrar o dia com dignidade, após ouvir que os problemas com o servidor de e-mail da minha conta mais antiga, que está “instável” desde segunda-feira, ainda não têm previsão de solução. Enquanto isso, alertas de erro aparecem a todo instante, sempre que tento baixar minhas mensagens, sem sucesso. Pequenas frustrações do dia-a-dia com reflexos indesejados no meu bom-humor habitual.

Lembrei-me imediatamente de um poema de Hermann Hesse que falava da importância de estarmos prontos para novos começos e expedi um mandado de busca e apreensão para mim mesmo. Encontrei-o em dois lugares diferentes, com dois títulos também distintos e com duas traduções ligeiramente diferentes. Em “O Jogo das Contas de Vidro” ele aparece como uma das obras póstumas do personagem José Servo com o título “Degraus”. Já na antologia poética “Andares”, aparece como o poema que emprestou seu nome à obra, com o título “Andares”.

Transcrevo e compartilho com os amigos essa pequena e delicada reflexão poética, retirada de “O Jogo das Contas de Vidro”, cuja tradução me agrada um pouco mais:

Assim como as flores murchas e a juventude
Dão lugar à velhice, assim floresce
Cada período de vida, e a sabedoria e a virtude,
Cada um a seu tempo, pois não podem
Durar eternamente. O coração,
A cada chamado da vida deve estar
Pronto para a partida e um novo início,
Para corajosamente e sem tristeza,
Entregar-se a outros, novos compromissos.
Em todo o começo reside um encanto
Que nos protege e ajuda a viver.
Os espaços, um a um, devíamos
Com jovialidade percorrer,
Sem nos deixar prender a nenhum deles
Qual uma pátria;
O Espírito Universal não quer atar-nos
Nem nos quer encerrar, mas sim
Elevar-nos degrau por degrau, nos ampliando o ser.
Se nos sentimos bem aclimatados
Num círculo de vida e habituados,
Nos ameaça o sono; e só quem de contínuo
Está pronto a partir e a viajar,
Se furtará à paralisação do costumeiro.

Mesmo a hora da morte talvez nos envie
Novos espaços recenados
O apelo da vida que nos chama não tem fim…
Sus, coração, despede-te e haure saúde!

Confesso que fui tocado por esse pequeno poema, que fala da inexorável passagem do tempo e de nosso inevitável destino de percorrer o espaço que nos corresponde, de preferência com jovialidade. Desde que o vi pela primeira vez, em algum momento da década de 1970, sinto que gosto especialmente dessa fala: “O coração, a cada chamado da vida deve estar pronto para a partida e um novo início, para corajosamente e sem tristeza, entregar-se a outros, novos compromissos. Em todo o começo reside um encanto que nos protege e ajuda a viver. Os espaços, um a um, devíamos com jovialidade percorrer, sem nos deixar prender a nenhum deles…”

Quando penso nisso, sinto novamente o frescor da manhã, mesmo daquelas mais nubladas, quando iniciamos cada novo dia com renovada disposição. E pensando que esse é um dos nossos grandes desafios, gostaria de transportar esse mesmo frescor para cada momento que se sucede, um após o outro, a cada chamado da vida, especialmente nesse fim de tarde chuvoso.

Um certo ar matinal… Acho que essa atitude mental deveria ser a minha ideal… Uma meta espiritual…

Isso! Corro para encontrar uma imagem que passe essa ideia de frescor matinal e organizar as ideias com a métrica de um haicai:

espiritual,
a atitude mental,
do ar matinal…

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido
Instruções de utilização: Ouvir “Morning Dance” com Spyro Gyra

Ar matinal

Garrafa 424 – Mil vagalumes   Leave a comment

Tenho andado interessado em investigar meu lado sombrio, estimulado por um curso de Cabala, do qual estou participando e já inspirou um post no início do mês passado.

Compartilho uma dica com os amigos, fruto da leitura de “O Efeito Sombra” escrito em coautoria por Deepak Chopra, Debbie Ford e Marianne Williamson.

A definição de sombra proposta por Debbie Ford me pareceu interessante e apresento alguns trechos de sua fala:

O grande psicólogo C. G. Jung dizia que a sombra é a pessoa que preferíamos não ser…
A sombra é tudo o que nos irrita, horroriza ou descontenta em relação às pessoas e a nós mesmos. Com essa sabedoria à mão, começamos a ver que a sombra é tudo o que tentamos esconder daqueles que amamos e tudo o que não queremos que os outros saibam a nosso respeito.
Nossa sombra é feita de pensamentos, emoções e impulsos que julgamos excessivamente dolorosos, constrangedores ou desagradáveis de aceitar. Portanto, em vez de lidar com eles nós os reprimimos – e os lacramos em alguma parte de nossa psique, para que não seja preciso sentir o peso e a vergonha que carregamos por causa deles.
É nosso lado sombrio – o lado reprimido e os aspectos repudiados de nossa personalidade.

Diante disso, Debbie Ford sugere que tornar-se intimo de sua sombra é uma das investigações mais fascinantes e frutíferas que você poderá fazer. É uma jornada misteriosa que o conduzirá a descobrir o seu self mais autêntico – um lugar onde você se sente à vontade com quem você é, onde reconhece suas fraquezas e seus pontos fortes, onde pode apreciar seus talentos, admitir suas imperfeições e admirar sua grandeza…

Ela nos diz ainda que é irônico que para encontrar a coragem de levar uma vida autêntica, você terá que entrar nos cantos escuros do seu self mais forjado. Você precisa confrontar exatamente aquelas suas partes que mais teme e encontrar o que estava procurando, porque o mecanismo que o leva a esconder sua escuridão é o mesmo que o faz esconder a luz. Aquilo do que você anda se escondendo pode, na verdade, lhe dar o que você vem tentando encontrar com tanto afinco.

Dito isto, apresento um resumo da sugestão proposta por Deepak Chopra para lidarmos com a nossa sombra:

1. Reconheça sua sombra, quando ela trouxer negatividade para sua vida;
2. Abrace e perdoe sua sombra. Transforme um obstáculo indesejado em um aliado;
3. Pergunte a si mesmo que condições estão dando origem à sombra: estresse, anonimato, permissão para causar danos, pressão de colegas, passividade, condições desumanas, uma mentalidade “nós versus eles”;
4. Compartilhe seus sentimentos com alguém em quem confie: um terapeuta, um amigo de confiança, um bom ouvinte, um conselheiro ou confidente;
5. Inclua um componente físico: trabalho corporal, liberação de energia, respiração de ioga, cura interativa;
6. Para mudar o coletivo, mude a si mesmo – projetar e julgar “os outros” como malfeitores só aumenta o poder da sombra;
7. Pratique a meditação, de modo a experimentar a consciência pura, que está além da sombra.

Assim, como nos propõe Debbie, quando a sombra é abraçada, ela irá curar nosso coração e nos abrir a novas oportunidades, novos comportamentos e um novo futuro.

Instigado por esse grande desafio e partidário que sou de um bom abraço, já me vejo nos próximos meses tateando na escuridão em busca de minha sombra, sem nenhuma dúvida com o coração ainda bastante assustado, mas recitando silenciosamente um breve haicai:

puro negrume,
abraço minha sombra…
mil vagalumes!

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido
Instruções de utilização: Assistir ao filme “The Sahadow Effect”

Mil vagalumes

Garrafa 347 – Entre o céu e o inferno   Leave a comment

Mais algumas citações do livro sobre os princípios gerenciais da ordem Missionárias da Caridade chamaram minha atenção, nos últimos dias:

“Para chegar aos anjos, lide com o diabo.” é uma delas.

“Os anjos de Madre Teresa eram as pessoas pobres a quem ela servia. Confortar e oferecer dignidade aos que nunca tiveram esse tipo de ajuda eram os seus objetivos principais…Sua única fonte de financiamento era o capital doado… Madre Teresa delineou uma fronteira bem clara entre a fonte dos donativos e sua aplicação. Ela decidiu que o bem que o dinheiro poderia fazer ao servir aos mais pobres entre os pobres superava o caráter de sua fonte. Ela aceitou caridade dos demônios para chegar aos anjos… De fato, jamais aceitou pagamento por nenhum serviço, apenas caridade. Ela declarou: Nós jamais aceitamos um convite para comer fora. Gostaria de saber por que? Porque aceitando esses convites poderia dar a impressão de que aceitamos pagamento pelo que fazemos, e fazemos tudo de graça… Líderes precisam saber onde colocar seus limites. Às vezes você deve se comprometer. Tem de ter coragem para decidir que compromissos são aceitáveis e os que não são. Nem sempre você fará as escolhas certas e receberá críticas por isso. Madre Teresa foi criticada por muitas de suas escolhas. Sua resposta era permanecer com suas crenças e focada em fazer seu trabalho.”

Algumas perguntas para nossa reflexão:

Quem são os seus anjos, e qual é a sua meta?

Quais são os seus princípios-guia nessa questão?

Em seu sistema de crenças e valores, onde você traça essa linha divisória? Como lida com os demônios para chegar aos anjos?

Pausa para um breve haicai:

sonhando com anjos,
lidando com demônios,
haja coragem!

Eduardo Leal
Inspirado no livro “Madre Teresa, CEO” de Ruma Bose e Lou Faust
Foto de autor desconhecido

Garrafa 143 – Aprendizado   Leave a comment

você vai errar…
apesar disso, faça!
com o coração.

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido
Instruções de utilização: Ouvir “Del Corazon” com Spyro Gyra e assistir ao vídeo “Follow Your Heart”

aprendizado-2

Garrafa 118 – Timidez   Leave a comment

linda colegial!
ainda hoje me lembro:
não tive coragem…

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido – Fachada do Colégio Pedro II, na Tijuca

Garrafa 104 – Rabisco   Leave a comment

eu me arrisco
no meu próprio rabisco.
a vida é um risco!

Eduardo Leal
Ilustração de Eduardo Leal

%d blogueiros gostam disto: