Arquivo para a Tag ‘concentração

Garrafa 519 – Trabalho profundo   2 comments

Li nos últimos meses, mais de uma vez, o excelente livro de Cal Newport intitulado “Deep Work – Rules for Focused Success in a Distracted World”, que foi publicado em janeiro de 2016 pela Grand Central Publishing. Pela importância que atribuo ao tema da atenção focalizada, espero que haja uma edição em português em breve. Enquanto isso não acontece, apresento alguns comentários e extratos do livro em tradução livre que podem despertar o interesse de potenciais leitores que dominam o idioma inglês.

Esta é a definição do autor do que seria um Trabalho Profundo:

“Atividades profissionais realizadas em um estado de concentração livre de distrações para levar suas capacidades cognitivas ao limite. Esses esforços criam valor, aperfeiçoam suas habilidades e são difíceis de replicar.”

São apresentadas ao longo do texto várias pessoas famosas, de todas as épocas, que seriam adeptas dessa forma de trabalho. Entre elas estariam Carl Jung, Mark Twain, Woody Allen, J. K. Rowling e Bill Gates, para citar apenas algumas.

O autor não o menciona, mas ouso supor pela leitura de suas diversas biografias que Albert Einstein, em sua busca pelo entendimento da mente de Deus, desde sua juventude, era profundo adepto dessa forma de trabalho.

Em contraste com essa abordagem, a definição do autor do seria considerado Trabalho Superficial é a seguinte:

“Tarefas de tipo logístico, de demanda pouco cognitiva, geralmente realizadas enquanto se permanece distraído. Esses esforços tendem a não criar muito valor no mundo e são facilmente replicáveis.”

Tendo estabelecido essas definições iniciais, esta é a hipótese de trabalho do livro apresentada por Cal Newport:

“A capacidade para realizar Trabalho Profundo está se tornando cada vez mais rara e, ao mesmo tempo, está se tornando incrivelmente valiosa em nossa economia. Como consequência, aqueles poucos que cultivarem essa habilidade e a tornarem o centro de sua vida produtiva irão prosperar!”

No momento em que já nos encontramos no que se poderia chamar de “Era das Máquinas Inteligentes”, observa-se que muitos empregadores estão mais inclinados a contratar “novas máquinas” ao invés de “novas pessoas”. Além disso, onde somente pessoas podem realizar o trabalho, os avanços nas áreas de tecnologia de comunicações e de colaboração estão tornando os trabalhos à distância mais fáceis do que nunca, motivando as empresas a oferecer os papéis principais às “estrelas do setor”, deixando os talentos locais desempregados.

Como consequência imediata dessa tendencia, um numero crescente de pessoas irá perder nessa nova economia e suas habilidades serão automatizadas ou facilmente terceirizadas, enquanto outras não somente sobreviverão, mas irão prosperar, já que se tornarão mais valiosas.

O autor sugere que, nessa nova economia, três grupos de pessoas serão valorizados:

  • Os Profissionais Altamente Qualificados:

Aqueles dotados de habilidade oracular de trabalhar e extrair resultados valiosos de máquinas cada vez mais complexas e inteligentes.

  • As “Estrelas” de Cada Setor:

Aqueles que se destacam e estão no topo de cada mercado. Os consumidores selecionarão os melhores.

  • Os Proprietários de Capital para Investimento:

O retorno do investimento para quem aplica em máquinas inteligentes está aumentando pela menor necessidade de empregados, o que reduz seus custos.

Para a maioria das pessoas, que são aquelas que, como nós, não possuem grandes quantidades de capital para investimento, os dois primeiros grupos são os mais acessíveis, desde que desenvolvidas as seguintes habilidades essenciais:

  • Aprendizagem Acelerada:

A habilidade de dominar rapidamente temas complexos, em base permanente, em rápida evolução.

  • Produção de Qualidade:

A habilidade de produzir no nível mais alto, tanto em termos de qualidade quanto de velocidade.

A maneira de se fazer isso, portanto, de acordo com Cal Newport, é por meio da realização de trabalho profundo em estado de concentração e livre de distrações.

Isso também pode ser dito de outra maneira, como o fez o profético frade dominicano  e professor de filosofia Antonin-Dalmace Sertillanges, nos anos 1920, ao nos oferecer a seguinte recomendação:

“Permita que sua mente se torne uma lente, graças aos raios convergentes da atenção; permita que sua alma seja só intenção naquela que tenha sido estabelecida pela sua mente como uma ideia dominante e completamente absorvente.”

E as pesquisas recentes de K. Anders e outros estudiosos da psicologia do desenvolvimento também nos advertem para a importância do que se convencionou chamar de “Prática Deliberada”:

“As diferenças entre o desempenho de peritos e dos adultos normais refletem um período extremamente longo de esforço deliberado para aperfeiçoar o desempenho nessa área específica.”

Assim sendo, seja qual for a sua área de interesse, ou de atuação, ou mercado, pense nisso:

Meta Desafiadora Possível de ser Modelada:

“Programar e executar durante três a quatro horas por dia, durante cinco dias por semana, trabalhos de concentração direcionada cuidadosamente, sem interrupções, para produção de trabalhos valiosos.”

Pausa para um breve haicai.

trabalho profundo,
significativo,
um raro valor.

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido

Fazendo versos

Garrafa 356 – Pensamento são   1 comment

Há alguns anos atrás, explorando uma ferramenta desenvolvida pelo Instituto Gallup – o Teste de Pontos Fortes – descobri que um dos meus talentos dominantes é a Intelecção. Gosto de pensar. Gosto de atividade mental. E essa atividade mental pode ser focada, direcionada por meus outros talentos dominantes, ou desprovida de foco. Gosto do tempo que passo sozinho porque é meu momento de concentração e introspecção. Em diversos momentos, sou minha melhor companhia, fazendo a mim mesmo diversas perguntas e buscando respostas que façam sentido. Esse rumor mental é uma constante em minha vida.

Uma vez que meu primeiro talento é ser Estudioso, o foco do meu pensamento tem sido direcionado aos processos de aprendizado e envolvimento com várias experiências de participação em cursos de graduação, pós-graduação e outros tipos de cursos livres e de autodesenvolvimento. A Psicologia, o Coaching, a Filosofia, a Poesia e a Espiritualidade têm sido interesses constantes e é aí que mora o problema. Minha curiosidade filosófica me levou a conhecer mais a respeito da filosofia budista, mais especialmente sobre o Zen-budismo. Hoje considero que minha prática espiritual se resume à meditação sentado (zazen), sem nenhum “verniz religioso” budista, caminho que escolhi para elevar o meu nível de consciência.

E por que isso poderia se tornar um problema? Acontece que todos escritos Zen apontam para a necessidade de se silenciar a mente e o pensamento, para o desenvolvimento de uma não-mente. Desde Buda, na Índia (atual Nepal) do século IV AC, as escolas Ninaiana e Maaiana na Índia, os “patriarcas” na China, a partir de Bodhidarma, entre os séculos I e VI DC, e com a chegada do Zen ao Japão a partir do século VI, as escolas Shingon e Tendai no século XI DC, o Budismo de Kamakura entre os séculos XII e XIII DC, as escolas Zen-Budistas Soto (Dogen) e Rinzai (Eisai), chegando aos mestres e estudiosos orientais (Suzuki) e ocidentais todos batem na mesma tecla: silenciar a mente e o pensamento. Sacaram?

Nas ultimas semanas, li novamente o ótimo livro de Charlotte Joko Beck “Sempre Zen” – sobre como introduzir a prática do Zen no seu dia a dia – e iniciei a leitura de “Zen no Trabalho” – sobre a experiência empresarial de um mestre Zen – de Les Kaye. Isso é claro, disparou uma série de consultas a outras obras que constam da minha pequena biblioteca tais como “A Lua numa Gota de Orvalho” – com os escritos do Mestre Dogen – organizado por Kazuaki Tanahashi, “Textos Budistas e Zen-Budistas” organizado por Ricardo M. Gonçalves, “A Tigela e o Bastão” – com 120 contos Zen – narrados pelo mestre Taisen Deshimaru, “A Doutrina Zen da Não-Mente” e “Manual of Zen Buddhism” de D. T. Suzuki e “How to Practice Zazen” do Institute for Zen Studies.

Transcrevo abaixo algumas citações que ficam dando voltas na minha mente:

Há um Real, um Absoluto inacessível ao pensamento e à linguagem que está em todas as coisas e também dentro delas. O Tathata (aquilo que é assim mesmo) ou Sunyata (Vazio). No Budismo é expresso dialeticamente como o contínuo vir-a-ser, a perpétua transformação de todas as coisas. (Verdades metafísicas apresentadas pelo Budismo e pelo Hinduísmo)

– A mente é senhora dos cinco sentidos. Por isso deveis disciplinar vossa mente. A mente é mais perigosa que uma cobra venenosa, uma fera ou um salteador. É como uma pessoa que, entretida com o mel que transporta em suas mãos, não enxerga um buraco e cai nele. Se deixardes vossa mente entregue a si mesma, perdereis as boas coisas. Se a vigiardes, tudo correrá bem. Por isso, ó monges, deveis vos esforçar e dominar vossa mente. (Butsuyuikyô-gyô – O último sermão de Buda)

– Ó monges, todo aquele que tem uma intenção firme, conserva sua mente em estado de concentração. Por isso, ele sabe os Darmas do nascimento e da dissolução do mundo. Por isso, deveis vos esforçar e praticar as diversas concentrações. Aquele que consegue praticar a concentração não tem uma mente dispersiva. É como aquele que economiza água e a guarda com cuidado. O praticante exercita-se na concentração, a fim de bem guardar a água da Sabedoria. (Butsuyuikyô-gyô – O último sermão de Buda)

– Por isso, ó Sariputra, sendo todas as coisas vazias de substância própria, não há fenômenos materiais, não há sensações, não há ideias, não há vontade e não há consciência. Não há olhos, não há ouvidos, não há nariz, não há língua, não há corpo, não há mente, não há forma, não há ruído, não há cheiro, não há gosto, não há coisa palpável nem coisa perceptível através da mente. Nada há, desde a esfera de influência da vista até a esfera de influência da mente.

– … nós seres humanos, não somos como os cães. Temos mentes centradas em si mesmas que nos remetem a muitos problemas. Se não entendermos o equivoco da nossa forma de pensar, nossa autopercepção, que é nossa maior benção, torna-se também nossa perdição. (Iniciando a prática Zen – em “Sempre Zen”)

– A iluminação não é algo que se atinge. É a ausência de alguma coisa. A vida inteira, a pessoa vai atrás de algo, perseguindo suas metas. A iluminação está em deixar tudo isso de lado. (Iniciando a prática Zen – em “Sempre Zen”)

– Nossa prática é, de momento a momento, como uma escolha, uma encruzilhada no caminho: podemos ir por aqui ou por ali. É sempre uma escolha, a cada momento, entre o belo mundo que desejamos criar em nossas mentes, e aquilo que de fato existe. (Iniciando a prática Zen – em “Sempre Zen”)

Enfrentar a tensão provocada pela oposição entre minha tendência a viver no mundo mental e minha prática espiritual que me leva a buscar silenciar a mente e o pensamento, tem sido um desafio quase insuportável. Ainda mais quando tenho que conciliar tudo isso com o meu próprio Autocoaching, revendo meu Plano de Vida para 2013, e a realização de diversas sessões de Coaching Centrado em Valores em que meu papel é o de orientar meus Exploradores de Novas Possibilidades de Futuro a direcionar seus desejos e seus egos, no sentido de estabelecimento de seus próprios objetivos e metas, estratégias e indicadores de desempenho.

Aliás, Pensamento Estratégico é outro de meus talentos dominantes e tem me capacitado a abrir caminho em meio à desordem e encontrar a melhor rota. Às vezes consigo perceber padrões, onde outros veem simplesmente complexidade. Vivo às voltas com o estabelecimento de cenários alternativos e me perguntando: “E se isso acontecesse?” É com base nesse tipo de pensamento que estabeleço minhas estratégias e assessoro meus clientes de consultoria.

Enfim, vivo no fio da navalha. Pensar ou não pensar é a questão! E às vezes me questiono: Será que, ao contrário do que dizem os Zen-budistas, não passa pela minha cabeça pelo menos um pensamento são?

Hoje cedo, na pracinha em que me encontrava pensativo, ao mesmo tempo em que o ruído produzido pelos fiéis que saíam de uma igreja evangélica quebrou o silêncio da manhã, um sopro de vento me sussurrou ao ouvido:

do jeito que são,
confiar que as coisas
são o que são…

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido
Instruções de utilização: Ouvir “Cosmic mind affair” com Acqua Fragile

Zazen

%d blogueiros gostam disto: