Arquivo para a Tag ‘canção

Garrafa 303 – Sala de concerto   Leave a comment

do meu coração,
escutar cada canção,
neste momento…

Eduardo Leal
Inspirado no livro “O convite” de Oriah
Foto de autor desconhecido
Instruções de utilização: Ouvir “Certas canções” com Milton Nascimento

Anúncios

Garrafa 168 – Inscrição para uma lareira   Leave a comment

A vida é um incêndio: nela dançamos, salamandras mágicas.
Que importa restarem cinzas se a chama foi bela e alta?
Em meio aos toros que desabam, cantemos a canção das chamas!

Cantemos a canção da vida, na própria luz consumida…

Mário Quintana
Foto de autor desconhecido
Instruções de utilização: Ouvir “Ashes are burning” na voz de Annie Haslam com Renaissance

lareira

Garrafa 23 – Sucedeu assim   Leave a comment

Assim,
Começou assim
Uma coisa sem graça
Coisa boba que passa
Que ninguém percebeu

Assim,
Depois ficou assim
Quiz fazer um carinho,
Receber um carinho,
E você percebeu

Fez-se uma pausa no tempo
Cessou todo meu pensamento
E como acontece uma flor
Também acontece o amor

Assim,
Sucedeu assim,
E foi tão de repente
Que a cabeça da gente
Virou só coração
Não poderia supor
Que o amor nos pudesse prender,
Abriu-se em meu peito a canção
E a paixão por você

Antonio Carlos Jobim e Marino Pinto – 1957
Foto de autor desconhecido

Garrafa 21 – Mais que a paixão   Leave a comment

Não espere de mim
nada mais que a paixão
Não espere nada demais
do meu coração
Que bate, rebate e grita
Geme, chora e se agita
Sambando nas cordas bambas
de uma viola vadia, vadia

Não espere encontrar numa canção
nada além de um sonho
Nada além de uma ilusão
Talvez quem sabe
a verdade
A infinita vontade
de arrancar
de dentro da noite
a barra clara do dia

Egberto Gismonti e João Carlos de Pádua
Foto de Luis Costa – Lucaz

Garrafa 12 – Canção   Leave a comment

Viver não dói. O que dói
é a vida que não se vive.
Tanto mais bela sonhada,
quanto mais triste perdida.

Viver não dói. O que dói
é o tempo, essa força onírica
em que se criam os mitos
que o próprio tempo devora.

Viver não dói. O que dói
é essa estranha lucidez,
misto de fome e de sede
com que tudo devoramos.

Viver não dói. O que dói
ferindo fundo, ferindo,
é a distância infinita
entre a vida que se pensa
e o pensamento vivido.

Que tudo o mais é perdido.

Emílio Moura

Ilustração de autor desconhecido.
Instruções de utilização: Ouvir “A Song for You” na voz de Karen Carpenter

Solidão 2

 

%d blogueiros gostam disto: