Arquivo da categoria ‘Gestão Pessoal

Garrafa 524 – Arte de viver   Leave a comment

Estou apreciando a leitura e a vivência do processo apresentado no livro de Julia Cameron “O Caminho do Artista”, publicado pela Editora Sextante. A proposta é liberar eventuais bloqueios criativos que todos podemos apresentar em algum momento, seguindo um conjunto de praticas e exercícios distribuídos ao longo de 12 semanas.

Por conta disso, como costumo fazer quando estou explorando algum assunto, reli outros livros sobre o tema da criatividade, entre eles “Criatividade nos negócios” de Michael Ray e Rochelle Myers, publicado pela Editora Record.

Foi nessa ultima publicação que encontrei um breve haicai parido em 02 de agosto de 2009, e ainda não postado em nenhum dos meus blogs.

Faço isso agora e compartilho uma antiga crença de que, em grande medida, tudo está em nossas próprias mãos:

é nossa missão
fazer da própria vida
obra de arte.

Eduardo Leal
Ilustração de autor desconhecido

Em suas mãos

Anúncios

Garrafa 523 – Suas Excelências do STF têm toda a razão   2 comments

Todas as InstituiçõesOrganizações são abstrações, sejam elas organizações públicas ou privadas;  e isso também vale quer elas sejam empresas que legitimamente visam o lucro, ou sejam apenas organizações sem fins lucrativos. E, se aplicarmos as ideias da Teoria de Sistemas podemos dizer que todo Sistema Organizacional possui pelo menos essas três características: existe para atender a um determinado propósito que motivou o seu surgimento e/ou criação, possui uma determinada estrutura que deve contribuir de maneira favorável para que se alcance esse propósito, e realiza determinados processos que, como não poderia deixar de ser, têm como resultado final o cumprimento do propósito estabelecido.

Entretanto, vivemos no mundo real e não no abstrato e, embora as ideias abstratas sejam uteis como sementes das coisas concretas, são as pessoas que povoam essas Organizações (Sistemas Organizacionais) que, usando a estrutura estabelecida e realizando os diversos processos previamente definidos vão em busca de alcançar o propósito que motivou a criação dessas Organizações.

A partir dessas duas ideias apresentadas anteriormente, penso que podemos dizer sem medo de errar que:

“Cada Organização é tão boa quanto as pessoas que a compõem, a despeito de seu propósito, estrutura e processos que realiza.”

Dito isto, vamos ao tema deste post que é apresentar alguns comentários sobre  o lamentável episódio ocorrido no STF nos últimos dias: o bate-boca entre dois Ministros do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes e Luís Barroso, em uma sessão presidida pela sua Presidente a também Ministra Cármen Lúcia. Como não podia deixar de ser, o incidente ocorreu na presença dos demais integrantes da mais alta corte do Poder Judiciário que participavam da sessão do dia 26/10/2017. Em julgamento estava uma emenda à Constituição que extinguia o Tribunal de Contas dos Municípios do Ceará.

Tudo foi filmado e documentado, como é de praxe e, posteriormente, o fato desagradável, pra dizer o mínimo, chegou, pela imprensa tradicional e redes sociais, ao conhecimento dos cada vez mais envergonhados cidadãos do nosso sempre surpreendente país (para aqueles cidadãos que têm vergonha na cara, é claro).

Aparteando uma fala do Ministro Gilmar Mendes, que fazia comentários críticos à triste situação de insolvência do Rio de Janeiro, o Ministro Luís Barroso tomou as dores do Estado do Rio (terra de Barroso), e fez comentários irônicos sobre a situação do Estado do Mato Grosso (terra de Gilmar). Não satisfeito com essa ironia, o Ministro Barroso foi bem mais explícito e passou a atacar o Ministro Gilmar dizendo, de maneira resumida, o seguinte:  Vossa Excelência “normalmente não trabalha com a verdade”; Vossa Excelência “fica destilando ódio o tempo inteiro”; “não julga, não fala coisas racionais, articuladas”; “sempre fala coisas contra alguém, sempre com ódio de alguém”; “muda de jurisprudência de acordo com o réu”; “isso não é Estado de Direito, isso é estado de compadrio”; “juiz não pode ter correligionário”; e tem parceria com “a leniência em relação à criminalidade do colarinho branco”.

Em resposta, Gilmar acusou Barroso de “ter soltado” José Dirceu e de ser advogado de “bandidos internacionais”, em referência à defesa que Barroso realizou no processo de extradição do terrorista foragido e já condenado à revelia na Itália, Cesare Battisti.

Infelizmente, Vossas Excelências, em minha opinião, têm toda a razão.

Gilmar Mendes têm sim se notabilizado por soltar bandidos de colarinho branco. E citando apenas um caso, vale lembrar que apenas um dia após determinar a soltura do empresário Jacob Barata Filho, com quem o Ministro mantem relações de amizade, e do ex-presidente da Fetranspor Lélis Teixeira, e eles serem em seguida alvo de novo mandado de prisão do juiz Marcelo Bretas, responsável pela Lava-Jato no Rio, Gilmar Mendes concedeu novo habeas corpus para libertar os empresários do setor de transporte do Rio.

Luís Barroso, ainda como advogado, aceitou realizar a defesa “gratuita” do terrorista Cesare Battisti, num processo em que o ex-presidente Lula acabou posteriormente decidindo não o extraditar para a Itália. E esse teria sido o “passaporte” de Barroso para ser indicado para o STF, em uma das vagas abertas no governo ideológico petista, alinhado com ditaduras de esquerda e defensor de terroristas internacionais de todos os tipos.

Deixando de fora outros comentários a respeito dos Ministros Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli que, entre outros, deixaram de enquadrar os acusados no processo do “Mensalão” no crime de formação de quadrilha; isso sem mencionar as decisões de conveniência (ou seria de conivência?) de Lewandowski no Senado, no processo de impedimento da ex-presidente Dilma, o que dizer da falta de coragem moral e mesmo de presença (para interromper um bate-boca na sessão que preside) da atual Presidente Cármen Lúcia, que em recente decisão confusa deixou de fazer valer a prerrogativa do próprio órgão que preside em favor do Parlamento, em uma decisão  no caso do afastamento e prisão domiciliar do Senador Aécio Neves?

Se a instituição STF, em função das pessoas que o integravam no passado, já foi merecedora do respeito e admiração da população brasileira, isso já não pode ser dito da mesma maneira no momento presente. Volto a repetir:

Cada Organização é tão boa quanto as pessoas que a compõem, a despeito de seu propósito, estrutura e processos que realiza.

E, infelizmente, no caso do ultimo bate-boca no STF, sou levado a admitir:

Vossas Excelências têm toda a razão!

Estamos no fundo de um poço sem fundo.

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido

poco-sem-fundo

Garrafa 522 – Diagnóstico   Leave a comment

Ele sempre teve muito boa saúde.

Subiu em muros, em árvores, soltou pipa no telhado e explorou os terrenos baldios da vizinhança em companhia de seus amigos de infância. Morou em muitas casas diferentes, ao invés de viver encerrado em apartamentos. Praticante de alguns esportes radicais como artes marciais e escalada, passou pela juventude com peso proporcional à altura, indicador que se mantém assim até hoje. Há muito tempo realiza caminhadas diárias, se alimenta de maneira balanceada, pratica a meditação mais de uma vez por dia e, talvez, o item mais importante de sua rotina: procura estabelecer e manter apenas relacionamentos que considera saudáveis.

Há mais de quinze anos, quando encerrou uma carreira bem sucedida de mais de trinta anos e iniciou outras tantas, que seus dias transcorrem mais ou menos assim, como descrito nessa postagem de um bom amigo e confidente, feita há alguns anos atrás: Poesia do cotidiano.

Tudo isso contribuiu para que as enfermidades sempre passassem ao largo. Até agora, nenhuma passagem por salas de cirurgia também.

Isso, até que um dia, em um exame de rotina, surge algo que parece ameaçador e que merece ser investigado mais detalhadamente. O que poderia ter contribuído para uma baixa no sistema imunológico e o surgimento de problemas, apesar de uma rotina aparentemente saudável?

Bem, desde o ano passado dois bons amigos se foram, depois de um diagnóstico ameaçador e a batalha final perdida para o mesmo tipo de doença. Ótimos companheiros de trabalho e de vida, ele sente muita falta das boas conversas que mantinham, sempre que se encontravam ou falavam pelo telefone. Uma pessoa da família muito querida também se foi, essa de maneira mais esperada depois de uma longa e amorosa rotina de cuidados pelos familiares mais próximos, que se revezaram ao seu lado até o ultimo momento. Três luzes brilhantes que amenizavam a escuridão da noite e de repente se apagaram, e o comparecimento a três dolorosas cerimonias de sepultamento. E, é claro, sua companheira de vida também recebeu um diagnóstico parecido com o seu há mais tempo, o que tem inspirado acompanhamento e cuidados especiais.

Todas essas questões são mais pessoais, sem falar do ambiente mais amplo, da crise de inversão de valores por que passa a nossa sociedade e da calamitosa situação de corrupção das “lideranças” do país, contexto que será herdado pelos seus filhos e netos quando ele se for, e que o enchem de vergonha e revolta a cada dia que passa, apesar da rigorosa dieta de notícias a que se submete regularmente. Revolta e vergonha podem contribuir para o surgimento de doenças? Pode apostar que sim!

Pode ser tudo isso, algo disso, ou nada disso. Quem sabe seja apenas a programação dos genes na herança recebida pelo DNA dos seus antepassados, que contenha alguma rotina destrambelhada que tenha sido disparada pelas condições atuais.

Uma pesquisa na Internet, para o bem e para o mal, quando se busca com certas palavras-chave de um laudo de tomografia computadorizada pode trazer como resposta coisas muito curiosas tais como tabelas de expectativa de vida, caso se confirme determinado diagnóstico. Huummm, três ou quatro anos apenas? Quem sabe?

Bem, primeiro o diagnóstico tem que ser confirmado, com muitos exames complementares.

Enquanto isso, buscando em todas as ocasiões manter alta intensidade e baixo apego, valem os ensinamentos de um velho e sábio professor, que também já nos deixou, que se ajustam a qualquer situação:

Entregar, confiar, aceitar e agradecer. (ao, no, o que vier do, e ao Universo)

Afinal, acreditando que o amor é o nosso destino verdadeiro, ele até agora teve uma boa vida. Amou e foi amado, ama e é amado.

Pausa para um breve haicai:

diagnóstico:
quimio e rádio?
isso muda tudo…

Ou não!

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido

Abismo

Garrafa 521 – Minhas escolhas   Leave a comment

Estou lendo “Um ano com Peter Drucker – 52 Semanas de Coaching para se tornar um Líder Eficiente” de Joseph A. Maciariello, que foi publicado em 2014 pela Editora Schwarcz.

O tema da Semana 7 foi sobre a Gestão em Duas Dimensões Temporais, ou seja, sobre o desafio de se conciliar as tarefas de curto com as de longo prazo.

Este parágrafo, que foi extraído de um dos livros de Drucker (The Effective Executive, 1967), despertou minha atenção:

“O executivo, queira ou não, está sempre acertando contas com o passado. Isso é inevitável. O hoje é sempre o resultado de atitudes e decisões tomadas ontem. Qualquer que seja o seu cargo ou título, porém, o ser humano não pode antever o futuro. As atitude e decisões de ontem, por mais corajosas e sensatas que tenham sido, inevitavelmente se transformam em problemas, nas crises e nas burrices de hoje. Apesar disso, o papel específico do executivo – quer trabalhe no governo, numa empresa ou em qualquer outra instituição – é comprometer com o futuro os recursos de hoje”

Pausa para um breve haicai:

ah! eu mereço!
decisões do passado,
cobram seu preço!

Eduardo Leal
Ilustração de autor desconhecido

Sucesso

Garrafa 519 – Trabalho profundo   2 comments

Li nos últimos meses, mais de uma vez, o excelente livro de Cal Newport intitulado “Deep Work – Rules for Focused Success in a Distracted World”, que foi publicado em janeiro de 2016 pela Grand Central Publishing. Pela importância que atribuo ao tema da atenção focalizada, espero que haja uma edição em português em breve. Enquanto isso não acontece, apresento alguns comentários e extratos do livro em tradução livre que podem despertar o interesse de potenciais leitores que dominam o idioma inglês.

Esta é a definição do autor do que seria um Trabalho Profundo:

“Atividades profissionais realizadas em um estado de concentração livre de distrações para levar suas capacidades cognitivas ao limite. Esses esforços criam valor, aperfeiçoam suas habilidades e são difíceis de replicar.”

São apresentadas ao longo do texto várias pessoas famosas, de todas as épocas, que seriam adeptas dessa forma de trabalho. Entre elas estariam Carl Jung, Mark Twain, Woody Allen, J. K. Rowling e Bill Gates, para citar apenas algumas.

O autor não o menciona, mas ouso supor pela leitura de suas diversas biografias que Albert Einstein, em sua busca pelo entendimento da mente de Deus, desde sua juventude, era profundo adepto dessa forma de trabalho.

Em contraste com essa abordagem, a definição do autor do seria considerado Trabalho Superficial é a seguinte:

“Tarefas de tipo logístico, de demanda pouco cognitiva, geralmente realizadas enquanto se permanece distraído. Esses esforços tendem a não criar muito valor no mundo e são facilmente replicáveis.”

Tendo estabelecido essas definições iniciais, esta é a hipótese de trabalho do livro apresentada por Cal Newport:

“A capacidade para realizar Trabalho Profundo está se tornando cada vez mais rara e, ao mesmo tempo, está se tornando incrivelmente valiosa em nossa economia. Como consequência, aqueles poucos que cultivarem essa habilidade e a tornarem o centro de sua vida produtiva irão prosperar!”

No momento em que já nos encontramos no que se poderia chamar de “Era das Máquinas Inteligentes”, observa-se que muitos empregadores estão mais inclinados a contratar “novas máquinas” ao invés de “novas pessoas”. Além disso, onde somente pessoas podem realizar o trabalho, os avanços nas áreas de tecnologia de comunicações e de colaboração estão tornando os trabalhos à distância mais fáceis do que nunca, motivando as empresas a oferecer os papéis principais às “estrelas do setor”, deixando os talentos locais desempregados.

Como consequência imediata dessa tendencia, um numero crescente de pessoas irá perder nessa nova economia e suas habilidades serão automatizadas ou facilmente terceirizadas, enquanto outras não somente sobreviverão, mas irão prosperar, já que se tornarão mais valiosas.

O autor sugere que, nessa nova economia, três grupos de pessoas serão valorizados:

  • Os Profissionais Altamente Qualificados:

Aqueles dotados de habilidade oracular de trabalhar e extrair resultados valiosos de máquinas cada vez mais complexas e inteligentes.

  • As “Estrelas” de Cada Setor:

Aqueles que se destacam e estão no topo de cada mercado. Os consumidores selecionarão os melhores.

  • Os Proprietários de Capital para Investimento:

O retorno do investimento para quem aplica em máquinas inteligentes está aumentando pela menor necessidade de empregados, o que reduz seus custos.

Para a maioria das pessoas, que são aquelas que, como nós, não possuem grandes quantidades de capital para investimento, os dois primeiros grupos são os mais acessíveis, desde que desenvolvidas as seguintes habilidades essenciais:

  • Aprendizagem Acelerada:

A habilidade de dominar rapidamente temas complexos, em base permanente, em rápida evolução.

  • Produção de Qualidade:

A habilidade de produzir no nível mais alto, tanto em termos de qualidade quanto de velocidade.

A maneira de se fazer isso, portanto, de acordo com Cal Newport, é por meio da realização de trabalho profundo em estado de concentração e livre de distrações.

Isso também pode ser dito de outra maneira, como o fez o profético frade dominicano  e professor de filosofia Antonin-Dalmace Sertillanges, nos anos 1920, ao nos oferecer a seguinte recomendação:

“Permita que sua mente se torne uma lente, graças aos raios convergentes da atenção; permita que sua alma seja só intenção naquela que tenha sido estabelecida pela sua mente como uma ideia dominante e completamente absorvente.”

E as pesquisas recentes de K. Anders e outros estudiosos da psicologia do desenvolvimento também nos advertem para a importância do que se convencionou chamar de “Prática Deliberada”:

“As diferenças entre o desempenho de peritos e dos adultos normais refletem um período extremamente longo de esforço deliberado para aperfeiçoar o desempenho nessa área específica.”

Assim sendo, seja qual for a sua área de interesse, ou de atuação, ou mercado, pense nisso:

Meta Desafiadora Possível de ser Modelada:

“Programar e executar durante três a quatro horas por dia, durante cinco dias por semana, trabalhos de concentração direcionada cuidadosamente, sem interrupções, para produção de trabalhos valiosos.”

Pausa para um breve haicai.

trabalho profundo,
significativo,
um raro valor.

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido

Fazendo versos

Garrafa 518 – Nuvens cor de rosa   1 comment

Como tem ocorrido com frequência ao longo das ultimas semanas, ele acordou sobressaltado no meio da noite, depois de parecer ter ouvido aquela voz sussurrando seu nome a partir de algum ponto envolto na penumbra e em um local muito distante…

Ao invés disso, só os latidos de um cão… Frustração provavelmente dirigida na direção de algum gato desafiador que insiste em cruzar seu pretenso território, bem fora do alcance de suas mordidas, em cima de algum muro da vizinhança.

Apenas sorriu, com o canto da boca, ao perceber que ele próprio tem sido às vezes o cão, às vezes o gato.

Por onde tem andado esse gato? Por onde tem andado esse cão?

Seu sono leve, ou a existência de sonhos com conteúdo perturbador o têm colocado em contato com os sons da madrugada. Pelo menos dois post tratam desse tema: Vizinhança Canina e Cão sem dono.

Incapaz de pegar no sono outra vez, aguardou silenciosamente pela chegada de mais um dia de outono, durante a longa e escura madrugada. E viu surgirem pela janela do quarto:

nuvens cor de rosa,
primeiras luzes, depois
da escuridão.

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido
Instruções de utilização: Ouvir “Prologue” e “Twilight” com Electric Light Orchestra

Solidão 2

Garrafa 517 – Beijo seu beijo   Leave a comment

No dia anterior, eles tinham passado o final da tarde e o início da noite juntos.

Enquanto durou seu relacionamento amoroso, sempre que se encontravam, era como se não houvesse amanhã e o dia de ontem não tivesse existido também. Com as roupas, meias, sapatos e sandálias espalhados pelo chão ao lado da cama, amavam estar completamente desnudos na companhia um do outro. E aqueles momentos eram preciosos demais para se pensar em outra coisa que não fosse em viver intensamente o momento presente. Olhos nos olhos, ou explorando cada pequena dobra ou as mudanças de textura na pele do corpo um do outro, amavam-se ora com delicadeza, ora de maneira selvagem. E improvisavam a coreografia de uma dança de acasalamento às vezes tranquila, às  vezes frenética. Essa explosão cinestésica quase sempre deixava marcas no pescoço e no peito, e pequenos arranhões nas costas e nas pernas de ambos, além de outros sinais em regiões do corpo menos visíveis. E assim tinha sido naquele dia também.

Quando ele atendeu àquela chamada no seu telefone funcional, no meio da tarde, estava no seu ambiente de trabalho e reconheceu imediatamente aquela voz sempre esperada e bem-vinda do outro lado da linha. Falavam-se quase todos os dias, e às vezes mais de uma vez por dia, de modo que ele não se surpreendeu quando o telefone tocou e logo reconheceu o número de origem da chamada. Ficava sempre feliz quando isso acontecia. Ah! Era muito prazeroso ouvir o próprio nome no som daquela voz.

Muitos anos já tendo se passado depois daquele tempo simplesmente mágico, ele às vezes acordava sobressaltado no meio da noite, depois de parecer ter ouvido aquela voz sussurrando seu nome a partir de algum ponto envolto na penumbra e em um local muito distante… Enquanto as batidas do coração e a respiração ofegante voltavam ao normal, incapaz de pegar no sono outra vez, ele apenas permanecia em silencioso compasso de espera pelas primeiras luzes de um novo dia.

Naquela tarde, ela disse que tinha se lembrado dele, há alguns instantes atrás quando, ao mudar de posição na cadeira em seu escritório, sentiu que tinha ficado com a pele sensível pelo atrito prolongado a que tinha sido submetida aquela região do baixo ventre entre as suas coxas grossas e firmes. Riram juntos, demoradamente, por aquela sincera confissão cheia de intima cumplicidade, pois ele também ainda sentia muita sensibilidade na mesma região, ressalvadas as óbvias diferenças de anatomia. Ela costumava manter essa área do corpo cuidadosamente depilada mas, às vezes, quando os minúsculos pelos começavam a crescer novamente, o efeito que ele sentia era o de estar em contato com uma lixa muito fina, enquanto se esfregavam com força, comprimindo mutuamente seus quadris e enroscando suas pernas de maneiras impensáveis, em suas demoradas brincadeiras e jogos amorosos.

Apesar de vivenciarem intensamente cada um daqueles momentos, vendo um ao outro com seus próprios olhos, de dentro de seus corpos, em uma posição associada em primeira pessoa, era comum que também se colocassem no lugar um do outro, em segunda pessoa, com o desejo genuíno de apenas proporcionar prazer ao seu amor, e não apenas de estarem de maneira egoísta à procura da própria satisfação. Grande parte do seu deleite vinha de se saberem desejados e, repeitados em sua individualidade, poderem oferecer prazer um ao outro. Seguiam à risca O Conselho de Kamala:

“Os amantes não devem separar-se, depois da festa do amor, sem que um parceiro sinta admiração pelo outro; sem que ambos sejam tanto vencedores como vencidos, de maneira que em nenhum dos dois possa surgir a sensação de enfado ou de vazio e ainda menos a impressão desagradável de terem-se maltratado mutuamente.”

Ele gostava de pensar que, ao invés de se beijarem, eles beijavam o beijo que recebiam um do outro.

Nos últimos dias, como sempre acontece nesta época do ano, ele relembrou com carinho e bom humor alguns daqueles momentos de pura diversão despretensiosa e, ao mesmo tempo, da mais intensa conexão que pode existir entre duas pessoas que se amam de verdade,  e desejou sinceramente que ela estivesse feliz, em companhia das pessoas que escolheu para compartilhar sua vida, depois que se separaram.

Ela também o tinha feito muito feliz.

E rabiscou no seu bloco de notas, brincando com as palavras com a métrica de um haicai:

quero seu querer,
desejo seu desejo,
beijo seu beijo.

Eduardo Leal
Fotos de autores desconhecidos
Instruções de utilização: ouvir “The rain, the park and other things” com The Cowsills

%d blogueiros gostam disto: