Arquivo da categoria ‘Coaching

Garrafa 535 – Aristotolices   Leave a comment

A época do aniversário é, tradicionalmente, momento de realização de balanços de perdas e danos e de celebrações. E a cada ano o resultado é sempre diferente! Como já nos dizia Ortega y Gasset: “Eu sou eu e minha circunstância, e se não salvo a ela, não me salvo a mim.”

O dia de ontem foi ótimo! Caminhada rotineira na manhã ensolarada e, à noite, recebi em casa a parcela local da família: mãe, irmã e filhas, com seus respectivos companheiros (genros) e, como sempre, o personagem de destaque da família, até a chegada de outros componentes já anunciados, o pequeno Damião, netinho querido.

Várias ligações do filho, de amigos e amigas, algumas internacionais, e muitas mensagens recebidas pelas redes sociais temperaram a tarde, enquanto as panelas já estavam no fogo, antecipando na agitação da cozinha, a chegada do pequeno grupo de convidados.

Uma garrafa de vinho tinto espanhol, de uva tempranillo, hábito adquirido durante o Caminho de Santiago – 2015, molhou a palavra durante as animadas conversas noturnas.

Sobre a minha inescapável e complexa circunstância, apenas algumas notas de rodapé, a título de leitura recomendada:

  1. Terminei a leitura da pequena joia “Aristóteles em nova perspectiva – A Teoria dos Quatro Discursos” de Olavo de Carvalho. Li e reli o seu conteúdo ao longo de duas semanas, deliciando-me com a sua proposta original e inovadora de considerar como uma Teoria Geral do Discurso as quatro obras do filósofo estagirita: as duas primeiras, a Poética e a Retórica se prolongando e aprofundando nas duas ultimas, a Dialética e a Lógica – Analítica. E não menos deliciosa foi a leitura do texto suplementar “Aristóteles no Dentista – Polêmica entre o Autor e a SBPC”, na época do encaminhamento de seu trabalho “Uma filosofia aristotélica da cultura” para avaliação e eventual publicação na revista Ciência Hoje. Essa situação insólita se iniciou em 1983, com o envio do trabalho, e se estendeu por 1984 e 1985, com artigos publicados em jornais e a correspondência pessoal e institucional trocada entre os envolvidos. Segundo o autor, foi nesse instante que nasceu a inspiração para o livro “O Imbecil Coletivo”, como uma espécie de tratamento de choque para despertar a nossa moribunda intelectualidade;
  2. Motivado pela leitura do livro sobre Aristóteles, dei continuidade à leitura de “O Imbecil Coletivo”, também de Olavo de Carvalho, igualmente espetacular e dessa vez profético, do qual destaco o artigo “Bandidos & Letrados” que explicita com precisão a trajetória de uma revolução cultural que se encontra em curso, e que só poderia resultar na atual situação de decrepitude moral do STF, instituição transformada por seus atuais integrantes em defensora de bandidos e do crime organizado. Destaco o parágrafo inicial: “Entre as causas do banditismo carioca, há uma que todo mundo conhece mas que jamais é mencionada, porque se tornou tabu: há sessenta anos, os nossos escritores e artistas produzem uma cultura de idealização da malandragem, do vício e do crime. Como isso poderia deixar de contribuir, ao menos a longo prazo, para criar uma atmosfera favorável à propagação do banditismo?” Recomendo a leitura pelo menos desse artigo, já que as reflexões produzidas pela obra completa podem levar a um estado de depressão grave, com consequências devastadoras para as pessoas mais sensíveis, de boa fé e de bom senso, e ainda com alguma esperança residual nos destinos do nosso país;
  3. A leitura da Teoria dos Quatro Discursos me induziu também a reler, pela quarta vez, “A Estratégia da Genialidade – Volume 1” de Robert Dilts. Nessa série composta de três volumes, Dilts utiliza as ferramentas de modelagem e princípios da PNL – Programação Neurolinguística para investigar os padrões cognitivos de pessoas reconhecidamente geniais. No Capítulo 1 desse livro espetacular, o alvo da investigação é justamente Aristóteles! E constatamos que o seu reconhecimento como gênio não adveio simplesmente daquilo que ele sabia, mas da sua capacidade de expressar o que sabia. A estratégia de Aristóteles para identificar a relação entre o geral e o particular, encontrando a causa ou o `meio´, foi a base dos seus famosos `silogismos´: Todos os homens são mortais; Sócrates é homem; Sócrates é mortal. Para quem se interessa por filosofia e também por PNL, penso que essa pode ser uma leitura complementar proveitosa;
  4. Finalmente, atualmente também estou lendo “A Vida Intelectual” de A.-D. Sertillanges, que tem prefácio de Olavo de Carvalho. É leitura recomendada para quem se interessa por filosofia e já atendeu, ou pretende atender em breve ao chamado vocacional do trabalho intelectual e do desenvolvimento do espírito. Tudo isso, mesmo para quem só disponha de duas horas por dia para dedicar a essa nobre atividade.

Dito isto, sentado no banco da pracinha em frente ao meu prédio, sentindo na pele o calor do sol da manhã no dia seguinte ao do meu aniversário, folheando o meu exemplar de “A Vida Intelectual”, fiquei perdido em reflexões depois de ler o seguinte trecho:

“O homem isolado demais torna-se tímido, abstrato, um pouco bizarro, titubeia no mundo real como um marinheiro recém-desembarcado; não tem mais o senso de seu destino; parece olhar-nos como uma `proposição´que deve ser inserida em um silogismo, ou como um exemplo a ser registrado em um bloco de notas.”

Ainda processando as mensagens de aniversário que recebi, fiquei imaginando  também aquelas que, por diversas razões, deixaram de ser a mim enviadas e rabisquei na borda do livro o seguinte haicai:

apaixonado,
do silogismo, o meio,
você é termo.

Eduardo Leal
Ilustração de autor desconhecido

O Convite

Anúncios

Garrafa 530 – Até que ponto?   Leave a comment

Ultimo dia do mês de julho, na próxima semana dia de celebração de aniversário.

Como sempre acontece, época de balanços e inventário de perdas e ganhos.

E, nas ultimas semanas, releitura, pela terceira vez, de um livro recebido de presente de pessoa muito querida, no ano de 2009. Tema denso e instigante, sobre “O Quarto Caminho”, a primeira leitura completa só terminou em 2011. A segunda leitura foi em 2014.

Encontrei no rodapé de uma das páginas um haicai,  parido em junho de 2011, e ainda não postado. Parece justo como dedo no ouvido para o momento atual.

Posto agora:

minhas escolhas:
saber para onde ir…
até que ponto?

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido

Destino

Garrafa 525 – Imunidade ao fracasso   Leave a comment

Uma das Crenças Potencializadoras que incorporei ao meu “Modelo de Mundo” é aquela que diz que “não existem fracassos, apenas resultados indesejados, e uma ótima oportunidade de aprendizado.” Aprendi isso em um Curso de “Practitioner” em Programação Neurolinguística (PNL) do qual participei no ano 2000, como sendo uma das Pressuposições da PNL. Depois que saí do circuito acadêmico de cursos de graduação e pós-graduação, esse foi  um dos cursos livres de maior impacto positivo na minha vida.

Desde então, bani a palavra “fracasso” do meu vocabulário e, quando leio livros e artigos em que essa palavra aparece, chego a riscar todas as ocorrências e substituí-las por “insucesso” em todo o texto. Simples assim.

A partir de 2005, concluí minha formação em PNL com os Cursos de “Master” e “Trainer” em PNL, e iniciei uma série de cursos de formação em Coaching com diversas abordagens diferentes. Incorporei então, no meu banco de dados de Perguntas Poderosas, a grande “Pergunta de Aprendizado”: “O que escolho fazer diferente, da próxima vez?” que é o questionamento sugerido quando obtemos algum insucesso ou resultado indesejado em situações da vida pessoal ou do trabalho.

Como grande interessado em Desenvolvimento Pessoal, e atuando desde então como Consultor, Coach e Treinador, volta e meia o tema do fracasso/insucesso aparece novamente em cursos de que participo, eventualmente ministro e em livros sobre o assunto que leio com frequência. É o que acontece agora, na leitura do instigante livro “O Design da sua Vida” de Bill Burnett e Dave Evans, publicado pela Editora ROCCO, obra que já recomendei a alguns clientes e amigos. Os autores incluem um capítulo inteiro com o título “Imunidade ao Fracasso”, o mesmo que estou utilizando para este post, e com cuja abordagem estou quase que inteiramente de acordo. Eu simplesmente substituiria todas as referências a “fracasso” por “insucesso”, exceto no sugestivo título do capítulo é claro.

Em época de balanços, de inventários de perdas e danos a partir de todos os eventos que aconteceram ao longo do desafiador ano de 2017, que já está em sua ultima semana, penso ser extremamente saudável realizar o registro e categorização de nossos eventuais sucessos e insucessos e, principalmente, a identificação das inestimáveis oportunidades de aprendizado que se apresentam. Com a atitude de um explorador de novas possibilidades de futuro, perguntar-se a cada resultado indesejado:

“O que escolho fazer diferente, da próxima vez?”

Como também costumo fazer, permito-me fazer a penúltima brincadeira com as palavras do ano (é sempre a penúltima), usando a métrica (5/7/5) do breve haicai tradicional:

é bom ter sucesso,
insucesso educa,
e sempre aprendo.

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido

P.S. – O modelo da foto faz as caras e bocas do meu neto Damião, que acabou de completar seis meses de contínuo aprendizado, a bordo deste nosso pequeno planeta azul.

explorador

Garrafa 524 – Arte de viver   Leave a comment

Estou apreciando a leitura e a vivência do processo apresentado no livro de Julia Cameron “O Caminho do Artista”, publicado pela Editora Sextante. A proposta é liberar eventuais bloqueios criativos que todos podemos apresentar em algum momento, seguindo um conjunto de praticas e exercícios distribuídos ao longo de 12 semanas.

Por conta disso, como costumo fazer quando estou explorando algum assunto, reli outros livros sobre o tema da criatividade, entre eles “Criatividade nos negócios” de Michael Ray e Rochelle Myers, publicado pela Editora Record.

Foi nessa ultima publicação que encontrei um breve haicai parido em 02 de agosto de 2009, e ainda não postado em nenhum dos meus blogs.

Faço isso agora e compartilho uma antiga crença de que, em grande medida, tudo está em nossas próprias mãos:

é nossa missão
fazer da própria vida
obra de arte.

Eduardo Leal
Ilustração de autor desconhecido

Em suas mãos

Garrafa 521 – Minhas escolhas   Leave a comment

Estou lendo “Um ano com Peter Drucker – 52 Semanas de Coaching para se tornar um Líder Eficiente” de Joseph A. Maciariello, que foi publicado em 2014 pela Editora Schwarcz.

O tema da Semana 7 foi sobre a Gestão em Duas Dimensões Temporais, ou seja, sobre o desafio de se conciliar as tarefas de curto com as de longo prazo.

Este parágrafo, que foi extraído de um dos livros de Drucker (The Effective Executive, 1967), despertou minha atenção:

“O executivo, queira ou não, está sempre acertando contas com o passado. Isso é inevitável. O hoje é sempre o resultado de atitudes e decisões tomadas ontem. Qualquer que seja o seu cargo ou título, porém, o ser humano não pode antever o futuro. As atitude e decisões de ontem, por mais corajosas e sensatas que tenham sido, inevitavelmente se transformam em problemas, nas crises e nas burrices de hoje. Apesar disso, o papel específico do executivo – quer trabalhe no governo, numa empresa ou em qualquer outra instituição – é comprometer com o futuro os recursos de hoje”

Pausa para um breve haicai:

ah! eu mereço!
decisões do passado,
cobram seu preço!

Eduardo Leal
Ilustração de autor desconhecido

Sucesso

Garrafa 519 – Trabalho profundo   2 comments

Li nos últimos meses, mais de uma vez, o excelente livro de Cal Newport intitulado “Deep Work – Rules for Focused Success in a Distracted World”, que foi publicado em janeiro de 2016 pela Grand Central Publishing. Pela importância que atribuo ao tema da atenção focalizada, espero que haja uma edição em português em breve. Enquanto isso não acontece, apresento alguns comentários e extratos do livro em tradução livre que podem despertar o interesse de potenciais leitores que dominam o idioma inglês.

Esta é a definição do autor do que seria um Trabalho Profundo:

“Atividades profissionais realizadas em um estado de concentração livre de distrações para levar suas capacidades cognitivas ao limite. Esses esforços criam valor, aperfeiçoam suas habilidades e são difíceis de replicar.”

São apresentadas ao longo do texto várias pessoas famosas, de todas as épocas, que seriam adeptas dessa forma de trabalho. Entre elas estariam Carl Jung, Mark Twain, Woody Allen, J. K. Rowling e Bill Gates, para citar apenas algumas.

O autor não o menciona, mas ouso supor pela leitura de suas diversas biografias que Albert Einstein, em sua busca pelo entendimento da mente de Deus, desde sua juventude, era profundo adepto dessa forma de trabalho.

Em contraste com essa abordagem, a definição do autor do seria considerado Trabalho Superficial é a seguinte:

“Tarefas de tipo logístico, de demanda pouco cognitiva, geralmente realizadas enquanto se permanece distraído. Esses esforços tendem a não criar muito valor no mundo e são facilmente replicáveis.”

Tendo estabelecido essas definições iniciais, esta é a hipótese de trabalho do livro apresentada por Cal Newport:

“A capacidade para realizar Trabalho Profundo está se tornando cada vez mais rara e, ao mesmo tempo, está se tornando incrivelmente valiosa em nossa economia. Como consequência, aqueles poucos que cultivarem essa habilidade e a tornarem o centro de sua vida produtiva irão prosperar!”

No momento em que já nos encontramos no que se poderia chamar de “Era das Máquinas Inteligentes”, observa-se que muitos empregadores estão mais inclinados a contratar “novas máquinas” ao invés de “novas pessoas”. Além disso, onde somente pessoas podem realizar o trabalho, os avanços nas áreas de tecnologia de comunicações e de colaboração estão tornando os trabalhos à distância mais fáceis do que nunca, motivando as empresas a oferecer os papéis principais às “estrelas do setor”, deixando os talentos locais desempregados.

Como consequência imediata dessa tendencia, um numero crescente de pessoas irá perder nessa nova economia e suas habilidades serão automatizadas ou facilmente terceirizadas, enquanto outras não somente sobreviverão, mas irão prosperar, já que se tornarão mais valiosas.

O autor sugere que, nessa nova economia, três grupos de pessoas serão valorizados:

  • Os Profissionais Altamente Qualificados:

Aqueles dotados de habilidade oracular de trabalhar e extrair resultados valiosos de máquinas cada vez mais complexas e inteligentes.

  • As “Estrelas” de Cada Setor:

Aqueles que se destacam e estão no topo de cada mercado. Os consumidores selecionarão os melhores.

  • Os Proprietários de Capital para Investimento:

O retorno do investimento para quem aplica em máquinas inteligentes está aumentando pela menor necessidade de empregados, o que reduz seus custos.

Para a maioria das pessoas, que são aquelas que, como nós, não possuem grandes quantidades de capital para investimento, os dois primeiros grupos são os mais acessíveis, desde que desenvolvidas as seguintes habilidades essenciais:

  • Aprendizagem Acelerada:

A habilidade de dominar rapidamente temas complexos, em base permanente, em rápida evolução.

  • Produção de Qualidade:

A habilidade de produzir no nível mais alto, tanto em termos de qualidade quanto de velocidade.

A maneira de se fazer isso, portanto, de acordo com Cal Newport, é por meio da realização de trabalho profundo em estado de concentração e livre de distrações.

Isso também pode ser dito de outra maneira, como o fez o profético frade dominicano  e professor de filosofia Antonin-Dalmace Sertillanges, nos anos 1920, ao nos oferecer a seguinte recomendação:

“Permita que sua mente se torne uma lente, graças aos raios convergentes da atenção; permita que sua alma seja só intenção naquela que tenha sido estabelecida pela sua mente como uma ideia dominante e completamente absorvente.”

E as pesquisas recentes de K. Anders e outros estudiosos da psicologia do desenvolvimento também nos advertem para a importância do que se convencionou chamar de “Prática Deliberada”:

“As diferenças entre o desempenho de peritos e dos adultos normais refletem um período extremamente longo de esforço deliberado para aperfeiçoar o desempenho nessa área específica.”

Assim sendo, seja qual for a sua área de interesse, ou de atuação, ou mercado, pense nisso:

Meta Desafiadora Possível de ser Modelada:

“Programar e executar durante três a quatro horas por dia, durante cinco dias por semana, trabalhos de concentração direcionada cuidadosamente, sem interrupções, para produção de trabalhos valiosos.”

Pausa para um breve haicai.

trabalho profundo,
significativo,
um raro valor.

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido

Fazendo versos

Garrafa 516 – Buraco negro existencial   2 comments

De acordo com o resultado de pesquisas científicas disponíveis na Internet, um buraco negro seria uma região do espaço-tempo com matéria maciça e altamente compactada, resultante da deformação espacial decorrente do colapso gravitacional de uma estrela. No coração desse corpo estelar o tempo, conforme o percebemos, pararia de fluir e o espaço simplesmente deixaria de existir. E, teoricamente, nada, nem mesmo um único raio de luz poderia escapar de suas escuras fronteiras conhecidas como horizonte de eventos.

De minha parte, penso também em buracos negros como uma poderosa metáfora para um estado de depressão severa resultante do colapso emocional de uma pessoa. Um estado mental em que ela se vê esmagada pelo peso de emoções e sentimentos negativos que não consegue mais suportar, e do qual sente-se incapaz de escapar.

Há alguns anos atrás, cruzei perigosamente a região próxima ao horizonte de eventos de um buraco negro. No momento em que minha carreira profissional estava no auge, ascendendo a um novo ambiente e ao exato local onde tinha planejado chegar vinte anos atrás, a área de relacionamentos sofria com a recente perda de uma pessoa muito importante e com a reversão de expectativas e a frustração decorrente do comportamento surpreendente de outra criatura que tinha se tornado muito próxima (estava literalmente refém de sua atração gravitacional). A saúde física, emocional e mental foram afetadas e levaram-me a um quadro emocional que, se bem me recordo, foi classificado como depressão moderada. Não cheguei a mergulhar completamente no fundo do buraco negro, mas cheguei muito próximo para sentir uma amostra dos seus efeitos devastadores: sob uma enorme pressão existencial, não era capaz de ver as coisas ao meu redor com um mínimo de clareza e tinha enorme dificuldade de tomar decisões rotineiras simples.

Em 2016, um dos maiores físicos teóricos e destacado estudioso dos buracos negros de todos os tempos, Stephen Hawking declarou que já não pensa que o que quer que seja sugado para dentro de um buraco negro seja completamente destruído.  Ele pensa que poderia haver um caminho para se escapar através de um outro universo…

Também penso assim no caso do buraco negro existencial. Uma vez que nosso  próprio “Universo” não passa de uma percepção que construímos através da filtragem que fazemos com as informações que recebemos por meio de nossos sentidos; e que pessoas diferentes veem “Universos” bem diferentes, mesmo quando colocadas lado a lado na mesma região do espaço; tudo o que precisamos fazer é uma mudança desses filtros mentais e pronto! Entramos em um novo Universo! E isso pode funcionar mesmo quando nos encontramos submetidos a uma pressão emocional esmagadora no fundo de um buraco negro existencial!

No meu caso, a mudança de filtros mentais se deu pela leitura de diversos bons livros sobre psicologia e psicanálise que me caíram nas mãos, pelas conversas instigantes com uma psicoterapeuta que adota a abordagem de Terapia Cognitivo Comportamental (TCC), e com a descoberta e intensa participação em um curso de Practitioner em Programação Neurolinguística (PNL).

Com o apoio de pessoas queridas que já faziam parte de meu círculo de relacionamentos e com o de outras pessoas especiais que encontrei ao longo do caminho, quando me pus em movimento, empreendi meus melhores esforços com o desejo ardente de sair da região escura em que me vi momentaneamente, e fui capaz de cavalgar a extremidade de um raio de luz que escapou da escuridão, emergindo em uma nova região do espaço.

Naquela ocasião, diante da possibilidade de meu mergulho iminente nas profundezas do buraco negro, observadores externos atentos e bem intencionados eram capazes de perceber meus lamentos, escutando o som da minha voz cada vez mais distorcido pelo Efeito Doppler, enquanto eu ainda encontrava um mínimo de energia para brincar com a métrica de um haicai:

buraaaco neeegro!
fuuugir para não caiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiirrrr…
c    o    m    o         e    s    c    a    a   a   a   p    a    a   a   a   r   r   r   r   r   r?

A solução veio com a compreensão do sábio provérbio indiano que tornou-se um mantra pra mim, depois que o vivenciei:

Nada mudou.
Só eu mudei.
Portanto, tudo mudou!

Esta é a mensagem de encorajamento que envio para todas as pessoas que se encontram na borda de um sombrio horizonte de eventos em qualquer uma das Áreas da Vida, quer seja a do Ambiente Físico, da Saúde, da Carreira, do Desenvolvimento Pessoal, dos Relacionamentos, das Finanças, da Espiritualidade, ou até mesmo na área do Lazer.

Em tempos dessa estupidez chamada de “Baleia Azul” que teria se espalhado pelo mundo a partir de sites localizados na Russia, recuso-me simplesmente a chamar essa atividade de “Jogo”, por propor aos seus participantes a  realização de uma sequencia de 50 atividades, sendo cada uma mais degradante que a outra, incluindo ações de mutilação do próprio corpo e culminando com uma sugestão de suicídio. Escolho agir assim, para não lhe emprestar qualquer caráter lúdico, uma vez que sabemos que as diversas formas de jogo já conhecidas, ou aquelas anunciadas como tal, sejam elas saudáveis ou não, têm o poder de atrair a atenção de jovens e adultos de todas as idades.

Apresento, de acordo com minha própria experiência, uma vez que não sou psicoterapeuta, algumas propostas para se lidar com essa situação ameaçadora: a de captura da atenção de pessoas fragilizadas por um estado depressivo, por parte de verdadeiros criminosos, apenas interessados em exercer o poder de conduzi-las para o fundo de um buraco negro existencial, com o sério risco desse processo culminar com a auto destruição de suas vítimas, se essa situação não for reconhecida e interrompida a tempo pelas próprias vítimas, ou por pessoas presentes no seu ambiente familiar, escolar, pessoal ou de trabalho:

PARA PAIS, EDUCADORES, AMIGOS E COLEGAS DE TRABALHO DE POSSÍVEIS VÍTIMAS:

  1. Procurar conhecer de verdade seus filhos, alunos, amigos e colegas de trabalho, buscando sua companhia com frequência e o estabelecimento de uma conexão genuína;
  2. Buscar ajuda para si próprio, quando for o caso, para evitar ser arrastado para o buraco negro junto com a pessoa que se pretende ajudar;
  3. Durante as diversas conversas, buscar estabelecer formas de comunicação compassiva com foco na escuta com empatia, ao invés de procurar impor a própria opinião;
  4. Incrementar a prática do elogio sincero, o “feedback positivo” que não tem contra-indicações, e reforça a auto-estima de quem o recebe e o reconhece como verdadeiro; e
  5. Buscar o apoio de terapeutas qualificados, ao longo de todo o processo, uma vez que nada substitui sua valiosa orientação.

PARA AS VÍTIMAS DE DEPRESSÃO:

  1.  Buscar estabelecer formas de comunicação compassiva consigo mesmo com foco em uma espécie de investigação apreciativa pessoal para trazer à consciência cada vez mais motivos para reconhecimento e gratidão e não apenas para lamentação;
  2. Buscar o apoio de terapeutas qualificados, ao longo de todo o processo, uma vez que nada substitui sua valiosa orientação.

Isto também pode ser dito de outra maneira, como nos sugeriu Albert Einstein, em um de seus imaginativos experimentos teóricos que o levaram à descoberta da Teoria da Relatividade:

Desenvolver a capacidade de, mentalmente, colocar-nos na extremidade de um intrépido raio de luz, e apreciar o Universo a partir dessa nova perspectiva!

Eduardo Leal
Ilustrações de autores desconhecidos

Buraco NegroEspiral colorida

%d blogueiros gostam disto: