Arquivo para outubro 2016

Garrafa 509 – Voto em Branco ou Nulo   4 comments

No próximo domingo, 30 de outubro de 2016, será realizado o segundo turno das eleições municipais para a cidade do Rio de Janeiro. E somos todos obrigados a votar, pela atual legislação eleitoral.

Como previram as pesquisas feitas às vésperas das eleições em primeiro turno, o pior cenário, e que pode também ser chamado de catastrófico por pessoas que pensam como eu, infelizmente se confirmou: Teremos uma disputa entre os candidatos Crivella e Freixo.

Meu voto no primeiro turno na candidata Carmen, do Partido Novo, foi consciente, embora suas chances de vitória fossem remotas. Isso também já era previsto pelas pesquisas, e foi confirmado pelas urnas. Ela era a melhor candidata, na minha opinião. E assim tenho feito, voto consciente, desde que usei meu Título de Eleitor pela primeira vez.

O candidato Crivella não passa de um oportunista, capaz de fazer qualquer coisa para conquistar seus objetivos, sejam eles quais forem. Seu papelão ao divulgar foto com o Arcebispo do Rio, em seu material de propaganda eleitoral foi só uma pequena amostra do que se permite fazer. Seu alinhamento, ao longo dos últimos anos, com a quadrilha de malfeitores do PT e o apoio explícito que recebeu de Lula e Dilma na reta final da campanha municipal já conformam, por si só, um claro Atestado de Maus Antecedentes, carimbado e assinado. Não merece mais comentários do que esses para ser descartado como uma opção  de escolha válida.

Já o candidato Freixo representa tudo o que abomino em termos de ideologia. Socialismo e Liberdade? Piada de mau gosto e conversa fiada! Onde quer que tenha sido instalado de verdade, o socialismo só produziu sociedades tristes, oprimidas e infantilizadas. A primeira coisa que foi banida foi a liberdade de expressão, nesses experimentos sinistros testados à exaustão desde o início do Século XX, com resultados pífios no coletivo e catastróficos para a liberdade individual. Só não vê quem não quer! Mais justiça? Mais igualdade? Canto da sereia para pessoas estúpidas, ingênuas e, claro, escolha consciente de pessoas de má-fé. São hipócritas profissionais, os que ainda o defendem, na minha opinião. O apoio que tem recebido, nesse segundo turno, de partidos tais como o PT, PC do B, PCB, PSTU e PCO, que são associados ao Foro de São Paulo, também conforma um claro Atestado de Maus Antecedentes, carimbado e assinado. Respeito a opinião de quem pensa diferente, mas acredito firmemente que esse lixo ideológico já deveria ter sido varrido para o esgoto da história, desde a queda do muro de Berlim. Isso, é claro, por parte das pessoas que realmente valorizam a liberdade e são congruentes (pensam, falam e agem de acordo) com esse valor básico e inegociável. Os hipócritas, ao contrário, usam a liberdade que ainda têm e flertam descaradamente com regimes autoritários e ditaduras (Cuba, Venezuela, Coréia do Norte), posam de “defensores da liberdade” enquanto as usam como modelos para a nossa sociedade ingênua e distraída. No caso do Rio de Janeiro, além disso, metida a “descolada”, “rebelde” e “revolucionária”.

Portanto, voto em branco mais uma vez.

De acordo com o Glossário Eleitoral do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o voto em branco é aquele em que o eleitor não manifesta preferência por nenhum dos candidatos apresentados. Antes do surgimento da urna eletrônica, para votar em branco bastava deixar a cédula de votação em branco mesmo. Atualmente, para fazê-lo é preciso pressionar a tecla “branco” e, em seguida, a tecla “confirma”.

A minha alternativa ao voto em branco é o voto nulo.

O voto nulo é aquele em que o eleitor anula seu voto diretamente, digitando um número de um candidato inexistente – como por exemplo “00” – e depois a tecla “confirma”.

Antigamente, o voto branco era considerado válido e contabilizado para o candidato vencedor. Esse voto era tido como um “voto de conformismo”, quando o cidadão se mostrava satisfeito com o candidato vencedor. Já o voto nulo era utilizado como forma de protesto contra todos os candidatos.

E tomo essa decisão também sabendo muito bem que as eleições não serão canceladas se mais de 50% dos votos forem nulos. Serão computados apenas os votos válidos. Votos nulos são descartados e servem apenas como estatística.

E, ao contrário do que a campanha do candidato Freixo, o frouxo hipócrita alardeia, os votos brancos não vão para o candidato que está ganhando. Votos brancos são desconsiderados da contagem final. São votos inválidos e servem apenas como estatística. Essa é outra ação de má-fé, mentindo descaradamente para atrair votos para si próprio, pelas altas taxas de rejeição do seu adversário. Esse expediente só mostra que, caso saia vencedor, a cidade terá na cadeira do prefeito outro oportunista.

Nenhum desses dois oportunistas, para dizer o mínimo, terá o meu voto.

Eduardo Leal

Foto de autor desconhecido

P.S. – Nunca contaram também com o meu voto para presidente, tanto Fernando Henrique, quanto Lula e Dilma. Com tristeza, anulei o meu voto por décadas.

voto-em-branco

Anúncios

Garrafa 508 – Carta de um bom amigo   Leave a comment

Recebi pelas mãos do porteiro do meu prédio, na manhã de hoje, com surpresa e curiosidade, uma carta que enviei para mim mesmo, datada de 12 de junho de 2016. Ela foi redigida durante um dos cursos sobre desenvolvimento pessoal de que participei em São Paulo, nos últimos meses.

Início de mês, é quando costumo receber alguns postais de propaganda e vários boletos rotineiros de contas a pagar. Dessa vez, entre remetentes familiares como NET, Light, CEG, Oi e VIVO, senti uma sensação estranha ao reconhecer minha própria letra junto com o carimbo dos Correios, e ao ver o meu nome como sendo o endereçado de um envelope branco, recheado com uma inesperada mensagem. Um carimbo com o nome da empresa que organizou o curso, no local reservado ao remetente, desvendou o mistério inicial.

Estava de saída para fazer uma visita à minha mãe e deixei para bisbilhotar o seu conteúdo em algum momento no meio da tarde.

No caminho, enquanto dirigia, tentei sem sucesso recordar o conteúdo dessa carta, e me dei conta de que minhas memórias de apenas quatro meses atrás tinham sido soterradas por toneladas de novos acontecimentos, de novas experiências e de novas sensações. Embora tivesse sido eu mesmo o escrivão dessa missiva, não me lembrava mais de uma palavra sequer. Mas sabia, isso sim, que ela estava carregada de energia amorosa e de grandes doses da emoção vivenciada naquele fim de semana instigante.

Almoço com a mamãe, criaturinha de 88 anos que me trata como se eu ainda fosse o seu menino travesso, e lhe inspirasse preocupação e cuidado permanentes. E, logo depois, uma visita ao seu banco para pagamentos de contas e transferências de dinheiro para outros membros da nossa família. Missão cumprida.

Recostado na cadeira de balanço que fica  na varanda, que segundo minha mãe foi comprada quando eu nasci e ajudou a embalar o meu agitado sono infantil em diversas ocasiões, abri o envelope com cuidado, cortando a sua borda com uma velha tesoura, para evitar danificar o seu conteúdo.

Ao ler cada parágrafo, fui imediata e novamente transportado para aquele momento do passado recente, e meu coração foi inundado por um enorme sentimento de gratidão. Participaram daquele evento cerca de 800 pessoas e, entre elas, se encontravam vários clientes que já se tornaram bons amigos, alunos de cursos que ministrei, além de vários novos parceiros de negócios e amigos em potencial. E dois amigos em particular, que têm sido minha companhia mais constante ao longo dessa jornada de cursos, e estiveram sempre ao meu lado naqueles dias, vieram imediatamente à minha lembrança com carinho. Além disso, sempre que tenho estado em São Paulo, tenho podido aproveitar a oportunidade para passar ótimos momentos com meu filho e minha nora que vivem por lá. E sempre sou muito bem recebido! E me dei conta que, ao longo de toda a minha vida tenho sido apoiado por muitas pessoas dedicadas e importantes: amores, familiares, amigos e parceiros de negócios. Sou uma pessoa realmente afortunada!

E, emocionado, reconheci também que um dos meus principais incentivadores, aquele com quem sempre tenho podido contar nessa aventura de viver, especialmente nos momentos em que me sinto muito só, mesmo quando rodeado de muitas pessoas, foi esse bom amigo que me escreveu essa carta e que me acompanha desde menino. Ele é esse menino travesso dentro de mim, o meu melhor amigo.

Sou grato por isso!

Desejando retribuir ao Universo tudo de bom que tenho recebido, compartilho o teor dessa carta que recebi desse bom amigo com todos os meus outros amigos, na expectativa de que possam receber também, em breve, e em carne e osso, o meu melhor abraço.

São Paulo, 12 de junho de 2016.

Caro amigo,

Ótimo trabalho realizado até agora no seu projeto pessoal de aprender, crescer e elevar cada vez mais o seu próprio nível de consciência!

Sua perseverança na conquista de seus objetivos e metas é o que vai levá-lo aos resultados desejados. Continue firme no Caminho!

Use seus talentos, transformando-os em pontos fortes, em suas atividades pessoais e profissionais.

Dê atenção especial aos seus relacionamentos, mantendo aqueles que são saudáveis e afastando-se gentilmente daqueles que são tóxicos.

A vida é relacionamento!

Procure, cada vez mais, aprimorar os seus processos de comunicação que nutrem cada um dos relacionamentos valiosos que você deseja manter.

A vida é comunicação!

Divirta-se fazendo o que ama, e busque a companhia de quem lhe faz bem e com quem pode sempre aprender coisas novas.

Cuide da sua saúde. É ela que vai permitir que você aproveite a vida!

E compartilhe o que aprender com quem esteja disposto a ouvi-lo.

Abraço apertado,

Eduardo Leal

Ilustração de autor desconhecido.

Instruções de utilização: Ouvir “Bola de meia, bola de gude” com Milton Nascimento

O Convite

Garrafa 507 – Eleições Municipais de Outubro de 2016   Leave a comment

Não voto em candidatos de partidos que fazem parte do famigerado Foro de São Paulo. Isso inclui quaisquer candidatos dos partidos listados a seguir:

1. Partido Democrático Trabalhista – PDT
2. Partido Comunista do Brasil – PC do B
3. Partido Comunista Brasileiro – PCB
4. Partido Patria Livre – PPL
5. Partido Popular Socialista – PPS
6. Partido Socialista Brasileiro – PSB
7. Partido dos Trabalhadores – PT

São todos os sem-noção que repetem a mentira descarada do “Golpe” com a maior cara de pau e atitude hipócrita possíveis. São aqueles que, na minha opinião, melhor se enquadram no modelo descrito pelos escritores Plinio Apuleyo Mendoza (Colombiano), Carlos Alberto Montaner (Cubano) e Álvaro Vargas Llosa (Peruano) em seus dois livros sobre a situação política na América Latina. O mais antigo, de cerca de vinte anos atrás, é o “Manual do perfeito idiota latino-americano”. E o mais recente, de 2007, é “A volta do idiota”.

Apresento a seguir um breve resumo das principais ideias contidas nos dois livros, com as quais estou totalmente de acordo:

Ao longo do todo o Século XX, principalmente na sua segunda metade, pretensos líderes populistas da América Latina, que os três autores chamam de “Idiotas” levantaram bandeiras marxistas, praguejaram contra o imperialismo e prometeram tirar seus povos da pobreza. Sem excessão, todas essas políticas e ideologias fracassaram. E, ao contrário do que anunciaram e pretendiam, contribuíram fortemente para a manutenção da situação de subdesenvolvimento preexistente em toda a região.

Já no início do Século XXI, uma nova geração de “revolucionários” tentou ressuscitar os métodos ineficazes de seus antecessores. E essas criaturas ao mesmo tempo sinistras e risíveis se identificam com caudilhos, figuras autoritárias quase sobrenaturais que têm dominado a política da região, vociferando contra a influência estrangeira e as instituições republicanas. Também projetam a luta de classes entre os ricos e os pobres para o terreno das relações internacionais, idolatram o Estado como uma força redentora dos pobres, e defendem o autoritarismo sob a desculpa de segurança. Adotam o clientelismo, uma forma de paternalismo pela qual os empregos públicos – e não a geração de riqueza – são os canais de mobilidade social e, é claro, uma forma de manter o voto cativo nas eleições.

Também não voto em candidatos do PSOL, partido que não faz parte do Foro de São Paulo, por achar que o modelo proposto por Gramsci não é a melhor solução (chegar ao poder pelas urnas, fazer o diabo para se manter no poder, e ir alterando a legislação progressivamente para que o país se torne uma republiqueta autoritária de modelo cubano ou similar – vide o caso da Venezuela). Seus integrantes preferem a velha fórmula, que não foi bem-sucedida, quando tentada nas democracias ocidentais, da via revolucionária. Por isso, apoiam ações de movimentos tais como os “Black Blocs”, de depredação de patrimônio público e agitação generalizada, pois isso se ajusta às suas intenções nem sempre claramente declaradas. Mas se percebe isso claramente, se dermos uma boa olhada no programa desse partido, com olhos mais atentos e, principalmente, se observarmos o comportamento dessas criaturas e não apenas o seu discurso. Esse Freixo, um frouxo, não tem coragem de dizer publicamente o que realmente pensa, com medo da natural rejeição da população mais esclarecida, mas age de acordo. E engana muita gente bem intencionada com sua conversa de justiça social e igualdade, quando o que realmente deseja é o controle estatal, a restrição de liberdade e a implantação de um regime autoritário. O próprio nome do partido “Socialismo e Liberdade”, já é uma tremenda piada de mau gosto, mas ainda seduz muitos incautos e inocentes úteis. Onde quer que tenham sido implantados de verdade, a primeira coisa que os regimes socialistas fizeram foi eliminar a liberdade das pessoas. Só não vê quem não quer, ou não lê os bons livros de história contemporânea.

Não vou me estender dizendo o que penso sobre cada uma das outras legendas existentes, mas o fato é que, em alguma medida, todas elas se associaram e orbitaram no entorno do que houve de pior na nossa história recente, os governos populistas do PT, partido fundador do Foro de São Paulo. Fazendo acordos de conveniência em torno de cargos e de exercício de influência, além de recebimento de mesadas e propinas, apoiaram essa verdadeira quadrilha de malfeitores comandada pelo ex-presidente Lula. Desejo que ele seja julgado e condenado, muito em breve, se as instituições da justiça continuarem funcionando de alguma maneira no Brasil.

Muitos dos meus amigos falam em voto útil, e respeito suas opiniões. Será motivo de tristeza profunda, se a população tiver que decidir entre Crivella ou Freixo, como parece que será a disputa no segundo turno, segundo algumas pesquisas de ultima hora. Será? Então, sugerem o voto útil em Pedro Paulo, Osório, Indio, etc.

Cansei dessa história. Prefiro votar em uma alternativa que me parece congruente com minhas crenças e valores e que vejo estampadas no programa e nas propostas do Partido Novo. Infelizmente, as chances de vitória de sua candidata à Prefeitura são remotas. Mesmo assim, os candidatos desse partido merecerão o meu voto. Desejo que continuem merecendo a minha confiança, depois de eleitos, os que assim o forem. Dos demais, já vi o suficiente. E o que vi não me agradou.

Nos vemos depois da apuração!

Abraço apertado!

Eduardo Leal

Ilustração de autor desconhecido

urna-eletronica

%d blogueiros gostam disto: