Arquivo para dezembro 2014

Garrafa 492 – Symbolum   1 comment

O futuro oculta do olhar
Dores e momentos felizes.
Contudo, passo por passo,
Caminhamos para a frente
Sem temor.

E pesado e distante
O encobre um véu
De veneração. Silêncio…
Em cima, repousam as estrelas
E, embaixo, os túmulos…

No entanto, do além
Nos chamam as vozes dos espíritos
As vozes dos Mestres:
Não deixem de praticar
As forças do bem.

Aqui, no silêncio eterno,
Tecemos as coroas
Que recompensarão com plenitude
Todos os que trabalharem!
Aconselhamos que tenham esperança.

Die Zukunft decket
Schmerzen um Glücke.
Schrittweis Dem Blicke,
Doch ungeschrecket
Dringen wir vorwärts

Und schwer und ferne
Hängt eine Hülle
Mit Ehrfurcht. Stille
Ruhn oben die Sterne
Und unten die Gräber…

Doch rufen von drüben
Die Stimmen der Geister,
Die Stimmen der Meister:
Versäumt nicht zu üben
Die Kräfte des Guten.

Hier winden wir Kronen
In ewiger Stille,
Die sollen mit Fülle
Die Tätigen lohnen!
Wir heissen euch hoffen.

Goethe

Sucesso

Anúncios

Garrafa 491 – Muro de Berlim X Muro da Cisjordânia   2 comments

O Muro de Berlim foi um monumento à estupidez construído pelo regime comunista instalado na República “Democrática” Alemã (piada de péssimo gosto dos dirigentes da Alemanha Oriental) logo após o término da segunda guerra mundial. Foi derrubado há 25 anos atrás, em 09/11/1989. O vídeo apresentado ao final do post, elaborado pela rede de televisão da República Federal da Alemanha, em uma época em que o muro ainda não tinha sido derrubado, é bastante ilustrativo a respeito da quantidade de esforço e energia que eram empregados pelos comunistas na manutenção desse disparate.

Outro muro desse mesmo tipo, que tem 250 quilômetros de extensão e inda permanece de pé, é aquele que separa as duas Coreias, a do Norte (República “Democrática” Popular da Coreia) que é considerada uma ditadura totalitarista stalinista, e a do Sul (República da Coreia), ao longo do Paralelo 38, a faixa de terra que divide a península coreana em dois países.

Infelizmente, lições que deveriam ser cristalinas a respeito do tipo de consequências que a opção política e ideológica pelo comunismo e socialismo têm sido desprezadas por parcelas significativas da população do nosso país: onde quer que esses regimes tenham sido implantados, produziram sociedades tristes, infantilizadas e oprimidas. Os motivos, imagino, passam pela ignorância dos iletrados, a simples estupidez de quem lê a respeito e é incapaz de entender o que leu (os analfabetos funcionais), a ingenuidade de alguns outros bem-intencionados seduzidos por promessas de igualdade e políticas sociais mais justas, esquecendo-se de que terão que pagar o preço inaceitável de redução significativa seguido de completa eliminação de sua própria liberdade, ou a velha má-fé mesmo.

Imagino, também, que os diretores das empreiteiras presos na “Operação Lava-jato” estejam loucos para construir muros similares aqui no Brasil, certamente com despesas superfaturadas, caso o projeto de poder de inspiração cubana levado a efeito pelo atual partido governista seja bem-sucedido. Uma ideia idiota como essa, seja de construção ao longo de nossas fronteiras terrestres, de 16.886 quilômetros, seja internamente, em algum tipo de divisão promovida pelos atuais dirigentes, em caso de guerra civil, certamente seria uma obra com dimensões suficientes para encher os bolsos de muita gente desse grupo de dirigentes, parlamentares e empresários que, diariamente, transita pelo noticiário ora político, ora policial. É a possibilidade de mais um encontro perfeito entre corruptos e corruptores, em que fica cada vez mais difícil distinguir quem exatamente exerce cada um dos dois papeis complementares. Espero estar morto antes de ver um muro desse tipo ser erguido aqui no nosso país. Enquanto houver um sopro de vida em meu corpo, atuarei com todas as minhas forças e recursos à minha disposição para contribuir para evitar que isso se torne realidade.

Refletindo nas ultimas semanas a respeito da construção ou derrubada de muros de diversos tipos, após conversas com amigos que aparentemente defendem a ideia romântica de “abaixo todos os muros” (especialmente daquele localizado no barril de pólvora do oriente médio), mas ao mesmo tempo bem longe de quem diz que “temos sempre que construir muros e barreiras cada vez mais altas para proteção contra nossos inimigos”, fiz para mim mesmo o breve resumo que apresento abaixo.

Não me considero seguidor de nenhuma religião formal. Minha atividade que pode ser chamada de “espiritual” se resume à prática meditativa diária, além de algumas ações de contribuição, normalmente doando parte do meu tempo e energia em prol de algumas causas que julgo valiosas nas áreas de educação e de desenvolvimento pessoal. Já atendi pessoas gratuitamente mas, ultimamente, para que elas sintam que estão investindo mesmo que seja um valor mínimo, prefiro receber apenas alguns valores simbólicos de quem acredita que posso realmente ajudar, me pede apoio e, momentaneamente não dispõe de recursos para investir no próprio processo de aprendizado. Entretanto, tenho simpatia pela filosofia e sabedoria embutidas em algumas escrituras a que pude ter acesso, da maioria das principais tradições religiosas (Cristã, Judaica, Muçulmana, Espírita, Budista e Hinduísta). A ideia do “Caminho do meio”, da religião budista, é um tópico dentro desse conjunto de conceitos que faz muito sentido pra mim. As generalizações absolutas do tipo sempre/nunca; tudo/nada são normalmente problemáticas e sinto que a virtude se encontra em algum ponto intermediário que procura incluir as demandas e justificativas posicionadas no amplo espectro de opiniões entre ambos os extremos de algum tema importante. E meu interesse pela Abordagem Integral proposta por Ken Wilber também me leva a examinar cada assunto de vários pontos de vista diferentes (quadrantes, níveis, linhas, tipos e estados). A partir disso, penso as ideias simplistas do tipo “abaixo todos os muros” e “temos sempre que construir muros e barreiras cada vez mais altas para proteção contra nossos inimigos” não se sustentam por muito tempo.

Tenho muito claro que todos aqueles muros construídos e mantidos por ditadores e que servem principalmente para impedir que uma população inteira seja impedida de exercer seu direito de sair livremente de onde está, em busca de outras oportunidades mais alinhadas com seu conjunto de crenças e valores, esses muros devem sim ser derrubados sem demora (esse foi, a meu juízo, o caso do muro de Berlim). Não passa pela cabeça de ninguém de bom senso que o muro de Berlim servisse para impedir uma invasão de populações inteiras do lado ocidental em busca dos “benefícios” encontrados no regime comunista oriental, podendo causar um colapso de sua economia. Por outro lado, os muros das penitenciárias que mantem isolados cumprindo pena por crimes hediondos, depois de julgados e condenados em processos que lhes permitiram ampla defesa, indivíduos que demonstraram claramente que não têm condições de conviver em sociedade sem colocar a segurança de pessoas inocentes em sério risco, esses muros devem ser mantidos sim. E alguns outros tipos de muros que possam servir de barreira de proteção contra ataques declarados e intenções hostis contra pessoas ou populações inteiras, ameaçadas que são de aniquilação total por algum tipo de adversário, rival ou inimigo (seja por questões raciais, religiosas, ideológicas, econômicas ou por qualquer outro motivo), podem ser necessários e até mesmo indispensáveis, sob pena de enquadramento de suas lideranças em crime de responsabilidade com relação à segurança de suas respectivas populações. O Estado de Israel, por exemplo, está cercado por inimigos declarados que fomentam sua completa aniquilação e, por algum tempo, posso entender que medidas extremas de proteção possam e devam ser adotadas nessas circunstâncias especiais. Mas confesso que não estive por lá para ver pessoalmente o que realmente acontece, como no caso de minha experiência de vida na Alemanha. Mas os bons livros de história contemporânea estão à nossa disposição para consultas eventuais, e já os li, e procuro me manter bastante atualizado a respeito. Não passa pela cabeça de ninguém esclarecido, também, que os holandeses pretendam abrir mão dos muros e barreiras que construíram ao longo de muito tempo e que os protegem temporariamente contra a fúria do oceano (às vezes tendo que ser reconstruídos de maneira emergencial antes que uma nova tempestade se apresente). E também não creio que alguém, em sã consciência, deseje abrir mão do seu sistema imunológico que exerce uma barreira contra infecções oportunistas provocadas por bactérias e virus, em nome de um “abaixo todos os muros”.

Desejo que muros do tipo da Cisjordânia sejam derrubados no tempo mais breve possível, fruto principalmente de uma elevação do nível de desenvolvimento de consciência de ambas as partes em confronto. Penso firmemente que a virtude está em algum lugar no meio entre posições extremadas, e que tanto árabes como israelenses poderiam se beneficiar, enquanto fazem suas orações e práticas religiosas diárias, em suas casas e templos localizados no oriente médio, se aceitassem receber apenas um leve sopro de filosofia budista vinda do extremo oriente. E desejo que, tendo recebido esse sopro, possam reorientar suas prioridades a partir dessas novas percepções e reflexões…

A liberdade é simplesmente um valor inegociável para quem está verdadeiramente interessado e comprometido com a elevação do nível de desenvolvimento de consciência das pessoas. Ao mesmo tempo, reconheço como legítimas todas as iniciativas para exercício da autodefesa de pessoas e populações ameaçadas de completa aniquilação.

Desejo que, em 2015, todas as ações que contribuam para a elevação do nível de desenvolvimento das pessoas possam ser exitosas.

Eduardo Leal
Vídeo elaborado pela rede de televisão da antiga Alemanha Ocidental

%d blogueiros gostam disto: