Arquivo para agosto 2014

Garrafa 487 – Mudança de casca   Leave a comment

mudança de casca
na pele e na alma:
pronto pra outra!

Eduardo Leal
Foto de Eduardo Leal

Mudança de casca

Anúncios

Garrafa 486 – Tapete mágico   Leave a comment

Havia um belo e frondoso jambeiro na minha casa da infância em Caçapava – SP. Seguindo as sábias instruções contidas nas bases hidrogenadas do seu DNA, na época combinada, suas flores salpicavam um grande setor do quintal, bem em frente à janela do meu quarto, e formavam um tapete cor de rosa em torno do lugar onde jogava búrica com meus amigos paulistas – bola de gude como é chamada pela molecada do Rio de Janeiro.

Quando chegava a época dos frutos, para minha alegria e alvoroço dos sanhaços que esvoaçavam pela vizinhança, ouvia da minha cama quando alguns jambos, impulsionados por alguma brisa ou pela bicada de algum pássaro, caiam do pé. Espalhavam então seu perfume aos ventos, parte de sua casca entreaberta revelava seu interior branco e macio e algumas sementes grandes e escuras rolavam na terra protegida pela sombra da sua copa. Saltava imediatamente da cama com a expectativa de selecionar aquele que me parecesse mais apetitoso, pela cor viva e perfume agradável. Feita a escolha, mastigava aquela polpa saborosa, mesmo antes de tomar o meu café da manhã. Pura delícia visual, olfativa e gustativa.

Agora tenho outro jambeiro na saída da minha rua. E é época de floração! Viajo na memória a cada passo. Tapete mágico.

o meu caminho:
nas flores do jambeiro,
tapete mágico…

Eduardo Leal
Foto de Eduardo Leal

Tapete mágico

Garrafa 485 – O pássaro   Leave a comment

Recebi na tarde de ontem, pelo correio, presente de aniversário que enviei para mim mesmo: o último livro de poesias de Zélia Guardiano “Caderno de Desapontamentos”, da Editora Penalux.

Obra cheia de delicadezas poéticas, que sorvi sofregamente de um só gole assim que chegou, será novamente degustada lentamente como convém fazer com o conteúdo das garrafas de vinho das melhores safras e procedências.

Transcrevo abaixo um dos poemas que me encantou:

Parece empalhado
O pássaro que
Ensimesmado
Pousa
Sobre o mourão
Da cerca
De arame farpado

Suas tênues penas
(Só as penas)
Sutilmente
Movem-se
Ao sopro
De uma leve brisa

Ninguém precisa
Perguntar-lhe:
Em que pensa?

Vê-se:
Com olhos
Embaçados
Fixos num ponto
Tenta decifrar
Enigma

(Seria a vida?)

Zélia Guardiano
Foto de autor desconhecido

Anu-branco rabo-de-palha

%d blogueiros gostam disto: