Arquivo para julho 2014

Garrafa 484 – A Prática da Gratidão   Leave a comment

Pesquisas recentes na área da Ciência Social ratificam a antiga sabedoria contida em Escrituras Hebraicas, no Novo Testamento e no Alcorão que expõe a gratidão como uma virtude central e concluem atestando que ela estimula o surgimento de uma grande quantidade de benefícios. Mais especificamente, a gratidão está positivamente relacionada a resultados críticos tais como satisfação com a vida, vitalidade, felicidade, autoestima, otimismo, esperança, empatia e a disposição para prover apoio emocional e tangível para outras pessoas.

Esse conjunto de estudos apresenta diversas evidências de que o fato de nos sentirmos gratos gera um efeito ondulatório que se espalha através de todas as áreas da vida, com o potencial de satisfazer alguns dos nossos mais profundos anseios – o desejo por felicidade, nossa procura por melhores relacionamentos, e nossa incessante busca por paz interior, completude e contentamento. Por tudo isso, a prática da gratidão, mais do que apenas uma ferramenta para autodesenvolvimento, pode e deve se tornar um saudável modo de vida à medida que elevamos o nosso nível de desenvolvimento de consciência.

Esses benefícios anunciados vêm, entretanto, a médio e longo prazo e do desenvolvimento de uma disposição de gratidão por meio de uma prática dedicada. Surgem pela tendência a sentir gratidão frequentemente, de modo correto e nas circunstâncias apropriadas. E surgem também da permanente estruturação de nossas vidas, nossas mentes e nossas palavras de modo a facilitar a vivência de experiências que induzam à gratidão e ao seu reconhecimento como tal.

Para vencermos nossas próprias barreiras e obstáculos internos ao desenvolvimento de um modo de vida baseado na gratidão, os autores desses estudos sugerem, entre outras atividades, a prática consistente e disciplinada do registro de um diário de gratidão.

A sugestão é a seguinte:

1. Estabeleça uma prática na qual você sempre se lembre dos presentes, graças, benefícios e coisas boas de que gosta e pelos quais se sente grato e passe a registrá-los de alguma maneira, pelo menos uma vez por dia.
2. Fisicamente esse diário tanto pode ser um caderno criado especificamente para essa finalidade, como pode assumir a forma criativa de um “Pote de Gratidão”, decorado com adesivos ou pinturas com motivos alegres e que vem acompanhado de um pequeno bloco de notas e uma caneta para realizar as anotações. Se essa simpática “Cápsula do tempo” for confeccionada por você mesmo, com uma intenção amorosa, melhor ainda;
3. Escreva todo dia no seu diário ou no bloco de notas relembrando momentos dignos de gratidão associados a eventos comuns, seus atributos pessoais, talentos ou pessoas valiosas em sua vida. O importante é estabelecer um hábito diário de prestar atenção a eventos que inspiram gratidão.
4. O ato de escrever transmuta os pensamentos em linguagem concreta, em palavras que ajudam a organizar o pensamento e facilitam sua integração, ajudando a pessoa a aceitar suas próprias experiências e a colocá-las em um contexto mais amplo. Permite que você veja o significado dos eventos ao seu redor e crie significado para sua própria vida.
5. As anotações no bloco de notas, uma anotação por folha, devem ser datadas, arrancadas do bloco, dobradas várias vezes e depositadas no seu Pote de Gratidão;
6. Abra sua “Cápsula do tempo” no fim do ano, ou a qualquer momento em que sinta esse desejo, e entre novamente em contato com tudo aquilo que tem tornado sua vida uma permanente celebração. Seu coração agradece.

Eduardo Leal
Foto de Eduardo Leal

O Pote da Gratidão

Garrafa 483 – Céu cor de rosa   Leave a comment

céu cor de rosa!
a glicínia gigante
sempre me encanta…

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido (Ashikaga Flower Park – Japão)

Céu cor de rosa

Garrafa 482 – Desapontado (Bem-vinda desilusão)   Leave a comment

Ao contrário do que muita gente pode pensar, apesar da dor, e talvez por causa dela, sofrer uma desilusão pode ser uma das situações mais transformadoras que podem acontecer com uma pessoa, uma equipe ou um país que estejam verdadeiramente interessados no seu autodesenvolvimento.

Pensem nisso: ESTÁVAMOS ILUDIDOS! A CBF e a Comissão Técnica muito mais que a nossa torcida.

Em princípio, não há nenhum problema em perdermos para a Alemanha em uma semifinal de Copa do Mundo. Mas um placar de 7 X 1, com cinco gols sofridos em menos de 30 minutos evidenciou um desnível muito grande entre as duas equipes, o que não era esperado para uma seleção que pretendia o hexacampeonato. É um indicador que não pode ser desprezado e inclui diversas variáveis tangíveis e intangíveis.

E permanecer iludido por um longo período a respeito de si mesmo ou a respeito do ambiente onde estamos inseridos é o pior que pode acontecer com uma pessoa, uma equipe ou um país em sua caminhada de crescimento e desenvolvimento!

A hora da verdade chega, mais cedo ou mais tarde… Seja qual for o indicador utilizado. Mas sempre chega! E quanto mais cedo melhor! E isso, além de gerar uma situação de crise é, também, uma grande oportunidade.

O fato de termos vencido cinco competições no passado nunca foi garantia de nada. Isso é um jogo! Há vários fatores envolvidos: equipes, gramado, arbitragem, torcidas, estado psicológico dos envolvidos, etc… Outras equipes aprenderam conosco e se estruturaram melhor do que nós para enfrentar esse desafio multidisciplinar.

E o fato de termos vários talentos individuais, cobiçados e pagos a peso de ouro por centros esportivos mais bem estruturados, também não nos garante muita coisa, quando se trata de uma competição por seleções, de um esporte coletivo como o futebol, em que é necessário o desenvolvimento de uma verdadeira equipe e não apenas um bando de bons talentos individuais reunidos de maneira apressada.

E, infelizmente, aparentemente não temos técnicos de qualidade e reconhecidos mundialmente, caso contrário também estariam brilhando no exterior como o fazem nossos jogadores.

Teremos que reestruturar praticamente tudo.

E apesar de possuirmos agora vários centros esportivos modernos (infelizmente todos superfaturados à sombra de tenebrosas e escusas transações), não dispomos de uma mínima estrutura à disposição dos diversos clubes e divisões de base, que é onde tudo começa. E isso exige esforço organizado. Mais do que só planejamento de curtíssimo prazo, exige um choque de gestão e de planejamento a médio e longo prazos. Mas choque de gestão como, com a nossa ridícula safra de cartolas, com raras e honrosas exceções, em todos os escalões do esporte?

Infelizmente, a mesma crença ilusória que nos damos conta foi adotada pela nossa seleção (a hora da verdade chegou!) ainda está iludindo a vários de nós individualmente, a várias equipes dos nossos campeonatos estaduais, a várias empresas e organizações e ao nosso próprio país! Estamos iludidos há muito tempo!

Que esse desapontamento e essa desilusão transformadora sirvam para uma oportuna reflexão a respeito do necessário estabelecimento dos nossos mais valiosos e verdadeiros objetivos e metas, em cada área de atividade, e que, a partir disso, sejam estabelecidos planos, estratégias e ações de desenvolvimento, com o apoio de pessoas capacitadas e competentes para essa tarefa, de ficha limpa e idôneas, e demos partida nas ações de desenvolvimento que se estenderão por décadas, até que os primeiros resultados possam aparecer no futuro.

Mãos à obra, então!
Bendita desilusão!

O vento fresco dessa tarde de inverno sopra ao meu ouvido um breve haicai:

desapontado,
percebo novo rumo
nunca apontado…

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido

Desapontado

Garrafa 481 – Triste por Cuba   Leave a comment

Quantas gerações serão necessárias para que os integrantes do povo cubano, especialmente aquelas pessoas que só conhecem essa ditadura sangrenta a que estão submetidas, possam ter um vislumbre do que pode ser uma vida com liberdade e democracia de verdade?

Enquanto isso, pessoas estúpidas, ingênuas ou de má fé, pretendem que essa infeliz experiência cubana seja o modelo que desejam implantar no nosso país, nos próximos anos!

Só não vê quem não quer. É uma das definições de estupidez, ingenuidade e/ou de má fé: conhecer a verdade, ouvir a verdade, ver a verdade, mas ainda assim dizer acreditar na mentira.

Enquanto a Chefe do Poder Executivo do nosso país recebe em sua residência os ditadores cubano e venezuelano, toco minha tuba:

triste por Cuba,
nessa grande suruba…
toco minha tuba!

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido e pintura de Phil Goodrich “Cuba Tuba”

Triste por Cuba

Cuba Tuba

Garrafa 480 – Ação consciente   Leave a comment

ação consciente,
nenhuma recompensa
no fundo da mente.

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido

Ação consciente

Garrafa 479 – A casa do Rei   Leave a comment

a casa do Rei
é o mundo inteiro
essa é a Lei.

Eduardo Leal
Ilustração NASA/WMAP
Instruções de utilização: Ouvir “House of the King” com Focus

A casa do rei

Garrafa 478 – Meu bem-querer   Leave a comment

desejo o bem
e o bem me deseja
de volta também…

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido
Instruções de utilização: Ouvir “Meu bem-querer” na voz de Djavan

Bem-querer

%d blogueiros gostam disto: