Garrafa 258 – A Alma   5 comments

Quando olhamos nas profundezas do interior da mente, para a região mais íntima do eu,
quando a mente se torna muito, muito tranqüila, e procuramos escutar com muito
cuidado, nesse silêncio infinito, percebemos que a alma começa a sussurrar e
que sua voz, macia como uma pluma, nos conduz até muito além do que a mente
seria capaz de imaginar, além de qualquer coisa que a racionalidade poderia
tolerar, além de qualquer coisa que a lógica conseguiria suportar.

Em seus gentis sussurros estão as mais lânguidas sugestões de amor infinito, vislumbres
de uma vida que o tempo esqueceu, lampejos de uma felicidade que não precisa
ser mencionada, uma interseção infinita na qual os mistérios da eternidade
insuflam vida no tempo mortal, no qual o sofrimento e a dor se esqueceram de
como pronunciar os seus próprios nomes, essa quieta e secreta interseção do
tempo e da eternidade, uma interseção chamada de alma.

Ken Wilber em Psicologia Integral

Ilustração de autor desconhecido com imagem de Ken Wilber

Anúncios

5 Respostas para “Garrafa 258 – A Alma

Assinar os comentários com RSS.

  1. Deixar Resposta ? Como ? … fiquei sem ar… ao ler este trecho…
    Seu blog é um doce momento… obrigada caríssimo…

    Curtir

    • Olá Ana Paula! Nesses parágrafos o Ken Wilber é filosófico e poético, ao mesmo tempo. Sempre me emociono quando me deixo conduzir por essas palavras… muito além do que a mente seria capaz de imaginar, além de qualquer coisa que a racionalidade poderia tolerar, além de qualquer coisa que a lógica conseguiria suportar. Não é o maximo? Venha sempre para uma visita! Você é muito bemvinda! E agradeço pelas palavras gentis ao compartilhar o post no Facebook! Beijim

      Curtir

  2. Acredito que Ken Wilber só será realmente compreendidopela maioria da humanidade daqui a uns 100 anos…essa profundidade interior, essa capacidade de imersão nas profundezas da alma, da consciência…coisas que não fazem parte do estilo de vida atual, tão preso à superfície das coisas, onde as pessoas se agarram à frivolidade e à leviandade como forma de sobrevivência, de se destacarem no mundo. De fazerem parte, inserirem-se no contexto.// Minha opinião neste momento.

    Curtir

    • Mirian, Ken Wilber é um filósofo poeta. Com seus livros, tem nos oferecido grandes oportunidades de reflexão. Concordo com você. Cada um de nós interpreta suas palavras a partir do nível de consciência em que se encontra. E acredito que assim deve ser. Beijim

      Curtir

  3. Pingback: Garrafa 422 – Na casca de noz | .::Três coisas::.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: