Arquivo para junho 2008

Garrafa 154 – Joias devolvidas   Leave a comment

Narra antiga lenda que um rabi, religioso dedicado, vivia muito feliz com sua família. Esposa admirável e dois filhos queridos.

Certa vez, por imperativos da religião, o rabi empreendeu longa viagem ausentando-se do lar por vários dias.

No período em que estava ausente, um grave acidente provocou a morte dos dois filhos amados.

A mãezinha sentiu o coração dilacerado de dor. No entanto, por ser uma mulher forte, sustentada pela fé e pela confiança em Deus, suportou o choque com bravura.

Todavia, uma preocupação lhe vinha à mente: como dar ao esposo a triste notícia?

Sabendo-o portador de insuficiência cardíaca, temia que não suportasse tamanha comoção.

Lembrou-se de fazer uma prece. Rogou a Deus auxílio para resolver a difícil questão.

Alguns dias depois, num final de tarde, o rabi retornou ao lar. Abraçou longamente a esposa e perguntou pelos filhos… Ela pediu para que não se preocupasse. Que tomasse o seu banho, e logo depois ela lhe falaria dos moços.

Alguns minutos depois estavam ambos sentados à mesa. Ela lhe perguntou sobre a viagem, e logo ele perguntou novamente pelos filhos.

A esposa, numa atitude um tanto embaraçada, respondeu ao marido: deixe os filhos. Primeiro quero que me ajude a resolver um problema que considero grave.

O marido, já um pouco preocupado perguntou: o que aconteceu? Notei você abatida! Fale! Resolveremos juntos, com a ajuda de Deus.

– Enquanto você esteve ausente, um amigo nosso visitou-me e deixou duas joias de valor incalculável, para que as guardasse. São joias muito preciosas! Jamais vi algo tão belo!

– O problema é esse! Ele vem buscá-las e eu não estou disposta a devolvê-las, pois já me afeiçoei a elas. O que você me diz?

– Ora mulher! Não estou entendendo o seu comportamento! Você nunca cultivou vaidades!… Por que isso agora?

– É que nunca havia visto joias assim! São maravilhosas!

– Podem até ser, mas não lhe pertencem! Terá que devolvê-las.

– Mas eu não consigo aceitar a ideia de perdê-las!

E o rabi respondeu com firmeza: ninguém perde o que não possui. Retê-las equivaleria a roubo!

– Vamos devolvê-las, eu a ajudarei. Faremos isso juntos, hoje mesmo.

– Pois bem, meu querido, seja feita a sua vontade. O tesouro será devolvido. Na verdade isso já foi feito.

– As joias preciosas eram nossos filhos.

– Deus os confiou à nossa guarda, e durante a sua viagem veio buscá-los. Eles se foram.

O rabi compreendeu a mensagem. Abraçou a esposa, e juntos derramaram grossas lágrimas. Sem revolta nem desespero.

 

Autor desconhecido

Foto de autor desconhecido.

Em suas mãos

Anúncios

Publicado 29/06/2008 por Eduardo Leal em Contos e Metáforas, Fotografias

Etiquetado com , , , , , , ,

Garrafa 153 – O Príncipe ConSorte   1 comment

Em nossas andanças pelo Japão, no início de 2008, tivemos diversas conversas sobre Deus e o significado da vida e da morte.
E após a visita ao jardim zen do templo Riyoji, em Kyoto, no shinkansen de regresso a Tokyo, a quase tezentos kilometros por hora, diversas perguntas ficaram sem resposta…
Por razões que desconhecemos, você se antecipou e foi ao encontro do grande mistério.
Sabe, agora, muito mais do que nós a esse respeito…
Nos deixou a todos, parentes e amigos do João Ricardo, apenas com muitos questionamentos e com as nossas melhores lembranças.
Mas gosto de pensar que, de onde está, se pudesse nos enviar alguma mensagem, ela seria algo do tipo:

A morte não é nada.
Apenas passei ao outro mundo.
Eu sou eu. Tu és tu.
O que fomos um para o outro ainda o somos.
Dá-me o nome que sempre me deste.
Fala-me como sempre me falaste.
Não mudes o tom a um triste ou solene.
Continua rindo com aquilo que nos fazia rir juntos.
Reza, sorri, pensa em mim, reza comigo.
Que o meu nome se pronuncie em casa
como sempre se pronunciou:
Sem nenhuma ênfase, sem rosto de sombra.
A vida continua significando o que significou:
continua sendo o que era.
O cordão de união não se quebrou.
Porque eu estaria fora de teus pensamentos,
apenas porque estou fora de tua vista?
Não estou longe,
somente estou do outro lado do caminho.
Já verás, tudo está bem.
Redescobrirás o meu coração,
E nele redescobrirás a ternura mais pura.
Seca tuas lágrimas e se me amas,
não chores mais.

Citação de autor desconhecido
Foto editada por Carlos Fernando Souza Leal

Garrafa 152 – Sushi Bar   Leave a comment

vista do alto
cidade iluminada
beijo de saquê

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido

Garrafa 151 – Copacabana 2   Leave a comment

farol da ilha
única testemunha
do primeiro beijo

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido

Garrafa 150 – Copacabana   Leave a comment

Copacabana,
cenário de um beijo
que não foi roubado…

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido

%d blogueiros gostam disto: