Arquivo para julho 2006

Garrafa 40 – Às vezes   Leave a comment

Às vezes, quando algum pássaro chama
ou entre os ramos algum vento sopra
ou nalgum pátio longe ladra um cão,
por longo tempo eu escuto e me calo.

Minha alma voa para o passado,
para onde, há mil esquecidos anos,
o pássaro e o vento que soprava
mais pareciam meus irmãos e eu.

Minha alma faz-se uma árvore,
um animal, um tecido de nuvens…
Transfigurada e estranha, volta a mim
e me interroga. Que resposta lhe darei?

Hermann Hesse – Tradução de Geir Campos
Foto de autor desconhecido
Instruções de utilização: Ouvir “Sometimes” na voz de Karen Carpenter

Vento que passa

Garrafa 39 – A Carta   Leave a comment

Sopra do oeste um vento,
as tílias choram mais;
entre os ramos, a lua
vem espiar meu quarto.

Eu tinha, à amada minha
que me deixara já,
escrito uma longa carta:
na folha reluz o luar.

Ao seu tranquilo clarão
que nas pautas vai pisando
esquece meu coração
lua e prece, choro e sono.

Hermann Hesse
Tradução de Geir Campos
Foto de autor desconhecido

A carta

Garrafa 38 – O Silêncio   Leave a comment

marchando no tempo,
antes de tudo e após tudo,
soberbo, o silêncio

Alexei Bueno
Foto de autor desconhecido

O Silêncio

Garrafa 37 – O Raio   Leave a comment

tudo claro
ainda não era o dia
era apenas o raio

Paulo Leminski
Foto de autor desconhecido

Raios

Publicado 09/07/2006 por Eduardo Leal em Crenças, Haicai, Haikai, Haiku, Poesia

Etiquetado com , , , , ,

Garrafa 36 – Saudades do futuro   3 comments

ainda sinto!
saudades de um futuro
aaah! impossível…

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido
Instruções de utilização: Ouvir “Saudades de amar” na voz de Nana Caymmi

%d blogueiros gostam disto: